Deaf Is.. Career Examples… Doctor

Originally published on http://www.deafis.org/faq/doctor.php


Dr. Scott SmithMy name is Dr. Scott Smith, and I am a physician, a doctor of medicine (M.D.).

More specifically, I am a pediatrician, a doctor for children.

Even more specifically, I am currently a Fellow in Developmental-Behavioral Pediatrics at the Center for Children with Special Needs (CCSN) at the Tufts-New England Medical Center (NEMC).

Why I became a doctor

I always loved science. When I went to college, I realized that I loved to work with people. When I worked at a 4-H Deaf Camp in North Carolina during summers in college, I realized I really loved working with children. So I tried to find a field that combine my love for science and people, and the field of medicine made the most sense for me.

When Americans with Disabilities Act was passed in 1990 (when I was 20-year-old college junior), I felt that maybe the time was right for someone like me to become a doctor and help to make hearing people and medical professionals realize that deaf people can do anything if they are given the chance to do so. When I got in medical school and did my clinic rotations (6 different general medical fields – Internal Medicine, Surgery, OB/GYN, Pediatrics, Psychiatry, and Family Medicine),

I had my best experiences in Pediatrics working with children, so I decided to become a pediatrician (doctor for children). When I did my residency in general pediatrics, I realized I want to work more closely and deeper with children and families. I also found that I really enjoyed focusing on child behavior and development so I decided to become a specialist in Behavioral-Developmental Pediatrics

How I became a doctor

How did I become a doctor? I had to complete 4 years of high school, 4 years of college, 4 years of medical school, 3 years in general residency program (General Pediatrics), and 3 years of post-doc clinical fellowship training in the subspecialty field of Developmental Behavioral Pediatrics for a total of 18 years beginning from high school.

My schedule

My daily schedule varies from day to day. On Monday and Tuesday mornings, I see patients, mostly hearing children, in my office at the Center for Children with Special Needs.

On Monday afternoons, I have a 2-hour meeting with a visiting faculty attending physician focused on helping me become a better specialist in my field. On Tuesday afternoons, I go home and work on my clinic reports on my computer. On Wednesdays, I work with deaf and hard-of-hearing children and their families at the Boston Center for Deaf and Hard-of-Hearing Children (BCDC) at Children’s Hospital, Boston. I stay at the hospital all day on Wednesday to participate in a team meeting at the end of day to review and discuss the patients we see. On some Thursdays and Fridays, I work as a consultant for the American School for the Deaf in West Hartford, CT and the Learning Center for Deaf Children in Framingham, MA. On other Thursdays and Fridays, I spend time working with Dr. Sanjay Gulati, a late-deafened child psychiatrist, at the Cambridge Hospital in Cambridge, MA and take residents (future doctors) from NEMC on a learning tour at TLC to help them understand more about what being deaf is all about. The rare days that I get off work, I usually spend trying to catch up with my paper work and clinic reports as well as emails and anything else that comes up.

Communication

I use sign language interpreter(s) to communicate with my colleagues who do not know sign language. Some of my colleagues know sign language, but most do not. Sometimes when I do not have access to interpreter, I communicate with people who do not know sign language through writing and emails.

Special Equipment

To help me do my job, I need some special equipment. I have a graphic (picture) auscultation (hearing) stethoscope system (an electronic device) that translates the heart sounds into a visual waveform on a small screen that allows me to appreciate a child’s heart sounds. I use this all the time when I examine children.

I have a sign language interpreter with me all the time when I work with my patients and for all other important meetings and activities that I do, but I do not have an interpreter all the time because I work with people who know sign language sometimes and other times, I work at home on paperwork, emails, clinic reports, and other projects.

Other deaf doctors

I know of a few other doctors who have hearing loss. Some of them are hard-of-hearing, some are late-deafened, and others are deaf people who are oral and do not use sign language. Of all the ones that I know, some of them use sign language interpreter to help them understand what their patients are saying, but they all speak for themselves. I am the only deaf doctor that I know of who uses sign language interpreters to voice for me, which makes it different and somewhat harder because interpreters must be able to speak on a professional level to match my knowledge and experience.

Success

Becoming a deaf doctor is possible, but not easy. Becoming a successful deaf professional is a very big challenge for any deaf person. If it is what you REALLY want and if you are willing to WORK for it, it is worth it. We really need more deaf doctors and deaf professionals to help expose and educate the hearing world to what deaf people can really do.

But, there are many other ways other than being a doctor or even a professional to be successful. The most important thing is to find what you really want to do with your life and work then do whatever it takes to get it. Think positive and remember, look for balance and be happy!

TO SEA WITH A BLIND SCIENTIST

Originally published in https://nfb.org/images/nfb/publications/books/kernel1/kern0610.htm


by Geerat J. Vermeij

Scientific research is not a career most people believe to be suitable for the blind, but such beliefs are changing. Dr. Geerat Vermeij is a nationally recognized marine biologist. He conducts research and teaches students at the doctoral level. Dr. Vermeij tells us that science is competitive, tedious, and hard—and, that he loves it. Here is what he has to say:

How, a skeptic might ask, could a blind person ever hope to be a scientist? After all, science is difficult if not impenetrable even for many sighted people; and, in any case, there is almost nothing in the way of books about science available to the blind. How would one carry out experiments? How would one gain access to the huge scientific literature? Perhaps a blind person could be a physicist, at least a theoretical physicist, but surely not a biologist. Why would the blind willingly choose biology, that most visual of all the sciences?

The answer is very simple. Science, and for me biology in particular, is absolutely fascinating. Someone is actually paying me to study shells—some of the most beautiful works of architecture in all of nature—in the expectation that broad principles with implications for our own species will emerge.

What is more, I get to travel to exotic places, to read the scientific literature in all its fantastic diversity, to see my own papers and books published, and to teach others about science, that most powerful of all ways of knowing. What more could one ask of a profession?

Like many of my colleagues, I came to science early in life. Even as a small boy growing up in the Netherlands, I picked up shells, pine cones, pretty stones, and the like. My parents, both of whom are avid natural historians, took pains to acquaint me with all kinds of creatures that lived in the grassy polders and in the innumerable ditches that crisscrossed the Low Land. The fact that I was totally blind made no difference at all. At the age of ten, shortly after moving to the United States, I became seriously interested in shells. Almost immediately I started my own collection, which soon grew to include all manner of other objects of natural history. My parents and brother were enthusiastic; they read aloud, transcribed, or dictated every book on natural history they could find.

The reactions of my teachers in the local public elementary school ranged from polite acceptance to genuine enthusiasm when I told them of my intentions to become a conchologist, a malacologist, or a biologist. If they thought about the incompatibility between blindness and biology, they kept it to themselves, or perhaps they expected my obsession to be a passing fancy soon to be replaced by more realistic plans.

The interest in biology did not flag. As counselors more openly expressed their fears that I would be unable to find employment if I persisted in my plans to study biology, I entered Princeton University to concentrate on biology and geology. There I received strong support from nearly all my professors; they were giants in their fields, and their enthusiasm sustained my youthful confidence.

I applied to do doctoral work at Yale. When I arrived for my interview in the biology department, the director of graduate studies was more than a little apprehensive. During my talk with him, he took me down to the university’s shell collection in the basement of the Peabody Museum. Casually he picked up two shells and asked me if I knew them. He fully expected me to draw a blank, in which case he planned to tell me as gently as possible that biology was not for me after all.

Fortunately, however, the shells were familiar to me. All of the misgivings of the director instantly evaporated. Thanks to his enthusiastic endorsement, I was able to enter Yale with a full graduate fellowship that left me free to travel and to carry out an ambitious research project culminating in the Ph.D. dissertation. After Yale, I joined the Department of Zoology at the University of Maryland at College Park in 1971, first as an instructor. Moving up through the academic ranks, I was appointed professor in 1980. Along the way, I married Edith Zipser, a fellow biologist whom I had met at Yale, and we had a daughter Hermine, who is now six. Very recently I accepted a new appointment to become Professor of Geology at the University of California, Davis. What do I actually do in my job that seemed so improbable to the skeptics? Again the answer is simple. I do what my sighted colleagues do: research, teaching, and service.

My research centers on how animals and plants have evolved to cope with their biological enemies—predators, competitors, and parasites—over the course of the last six hundred million years of earth history. When I was still a graduate student, working at the University of Guam Marine Laboratory, I noticed that many of the shells I was finding on the island’s reef-flats were broken despite their considerable thickness and strength. It soon became clear that shell-breaking predators, especially crabs and fishes, were responsible for this damage. I began to suspect that many of the elegant features of tropical shells—their knobby and spiny surfaces, their tight coiling, and the narrow shell opening often partially occluded by knob-like thickenings—were interpretable as adaptations which enabled the snails that built the shells to withstand the onslaughts of their predators.

Most interestingly, the shells I had collected in the West Indies and the Atlantic coasts of South America and Africa seemed to be less well endowed with this kind of armor than were the shells from comparable sites in the tropical Western Pacific. Armed with these observations and hypotheses, I applied for funding from the National Science Foundation to continue my work upon my arrival at Maryland.

When the program director called me to say that I would be funded, he also informed me that the Foundation would not sponsor my proposed field work in the Indian Ocean because he could not conceive of a blind person’s doing field work. I reminded him that I had already worked in field situations throughout the tropics, and that the proposed research critically depended on the work in the Indian Ocean. After a few minutes of conversation he relented and awarded me the full amount.

How do I do my research? It is a combination of field, laboratory, museum, and library work that has taken me all over the world to coral reefs, mangrove swamps, mud-flats, rock-bound open coasts, deserts, rain forests, research vessels, marine biological stations, secret military installations, great libraries, and big-city museums.

I make large collections of specimens in the field, work with living animals in laboratory aquaria, measure shells in museums and in my own very large research collection, and read voraciously. Wherever I go I am in the company of a sighted assistant or colleague.

Often this is my wife, but there are many others as well. There is nothing unusual about this; every scientist I know has assistants. I keep detailed field and laboratory notebooks in Braille, usually written with slate and stylus. Once a week I go to the U.S. National Museum of Natural History, part of the Smithsonian Institution in Washington in order to work with the outstanding collection of mollusks and to peruse carefully all the scientific periodicals that came into the library the previous week. While my reader reads to me, I transcribe extensive notes on the Perkins Brailler. Sometimes I will make just a few notations of the main point of a scientific paper, but at other times I transcribe all the data contained in a paper. My Braille scientific library now comprises more than eight thousand publications compiled in more than one hundred forty thick Braille volumes.

Like many of my colleagues, I spend a great deal of time writing. First, I prepare drafts on the Perkins Brailler, using the seemingly inexhaustible supply of memos and announcements that flood my mailbox daily. Once I am satisfied with the text, I type the manuscript on an ink typewriter. An assistant proofreads and corrects the manuscript, which is then submitted to an appropriate scientific periodical or book publisher for a thorough evaluation.

In all my work I find Braille to be vastly more efficient than any other form of communication. I also prefer live readers to tape recorders. How can you ask a machine to spell words, to ferret out a detail in a graph or table, and most importantly to skip whole sections or to scan the text for a particular point? Teaching has always been inextricably intertwined with research for me. I can point to several papers that would not have been written were it not for the fact that I was forced to think about problems in connection with a lecture on a topic quite far removed from my immediate research interests.

Over the years I have taught a great variety of courses—animal diversity, evolutionary biology, ecology, marine ecology, malacology, the mathematics and physics of organic form, and a seminar on extinction—ranging from the introductory to the advanced graduate level.

In the large introductory courses, teaching assistants take charge of the laboratory sections and help in grading papers. Again, there is nothing unusual in this. Professors in science departments at most universities depend heavily on teaching assistants. Like other research-oriented professors, I train graduate students. Thus far, seven students have received their Ph.D. degrees under my direction.

The service part of the job is highly varied as well. There are the inevitable committee meetings and the many tasks that help make the department or the university run smoothly. I head search committees to find new faculty members, I conduct reviews of faculty performance, and I write as few memos as I can. An important service to the profession is the review of dozens of manuscripts and grant proposals. If one writes them, one ought to be willing to review them as well.

Of course, science isn’t all fun and games. Science is competitive; it is hard work, full of tedious calculations, revising manuscripts for the nth time, of coping with the disappointment of having a cherished paper or grant proposal summarily rejected, and of quibbling about grades with a frustratingly inept student. Nobody in science is exempt from pressures and feelings such as these, but in the end the work is immensely rewarding and intellectually fulfilling.

In short, there is nothing about my job that makes it unsuitable for a blind person. Of course, there are inherent risks in the field work; I have been stung by rays, bitten by crabs, and detained by police who mistook my partner and me for operatives trying to overthrow the government of their African country, and I have slipped on rocks, scraped my hand on sharp oysters and pinnacles of coral, and suffered from stomach cramps. There isn’t a field scientist alive or dead who hasn’t had similar experiences. Life without risk is life without challenge; one cannot hope to understand nature without experiencing it firsthand. The blind, no more than the sighted, must act sensibly and with appropriate caution. Along with independence comes the responsibility of assuming risks.

What would I say to a blind person who is contemplating a career in science? Very simple. I would tell that person exactly what I would tell a sighted one: Love your subject, be prepared to work hard, don’t be discouraged by doubters and by the occasional failure, be willing to take risks, get as much basic science and mathematics as you can take, and perhaps above all display a reasoned self-confidence without carrying a chip on your shoulder. You will need stamina, good grades, the support of influential scientists, and a willingness and ability to discover new facts and new ideas. It is not enough to do well in courses; one must make new observations, design and carry out tests of hypotheses that have been carefully thought out, and interpret and present the results in such a way that the work is both believable and interesting to others. Science is not for everyone, but I can think of no field that is more satisfying.

What would I say to the educational establishment? I would tell them that the prevailing attitudes about science and the blind must be reformed. For too long the scientifically inclined blind have been steered only toward the social sciences and other “safe” disciplines, and away from fields in which laboratory and outdoor studies are important.

I believe that the chief factor holding the blind back from science is ignorance, not only by virtue of woefully inadequate reading materials in the schools and libraries, but also because of the pervasive fear and discouragement by the establishment to let the blind observe nature firsthand. I once met a blind woman who professed an interest in biology, yet she had never been encouraged to touch the spiny leaves of the holly.

Observation is the first, and in many ways the most important, step in a scientific inquiry. Without the freedom and encouragement to observe, a blind person (or anyone else, for that matter) is subtly but decisively turned away from science.

The key to this freedom is equality, and the key to equality is opportunity and respect. The National Federation of the Blind has long championed the philosophy that the blind are fully as capable as the sighted given sufficient opportunity and training. Education with this philosophy as its cornerstone is built on the assumption that no discipline is closed to the blind. By a logical extension, this basic respect will open more doors to the world of science as we continue to work for full participation in society. If you or a friend would like to remember the National Federation of the Blind in your will, you can do so by employing the following language:

“I give, devise, and bequeath unto National Federation of the Blind, 1800 Johnson Street, Suite 300, Baltimore, Maryland 21230, a District of Columbia nonprofit corporation, the sum of $ — (or “— percent of my net estate” or “The following stocks and bonds: —“) to be used for its worthy purposes on behalf of blind persons.”

As Paralimpíadas também são aqui

Publicado em: Blogs Escola Santi | Estadão

Você já experimentou vivenciar como é ser um atleta paralímpico?

Jogar futebol já é difícil, é preciso ter habilidade, boa pontaria, destreza, conduzir a bola, acertar o gol, defender um chute, driblar o adversário, cabecear. Para jogar vôlei então, nem se fala: dar manchete, toque (cuidado para não serem dois), passar para o companheiro, levantar, atacar… Agora imagine ter que fazer tudo isso sem enxergar, ou estando em uma cadeira de rodas.

O que para alguns parece impossível, para outros se chama simplesmente rotina, pois é isso que os atletas paralímpicos, e todos os demais atletas com necessidades especiais, fazem todos os dias, enquanto treinam e participam de campeonatos nessas e em todas as outras modalidades que compõe o rol de esportes das Paralimpíadas. E foi isso o que os alunos do Fundamental 2 da Escola Santi – localizada no bairro do Paraíso, em São Paulo – tiveram que fazer durante a Semana Cultural e Esportiva.

Crianças sentadas jogando vólei
Vôlei sentado (Foto: Divulgação)

“Nós quisemos expandir os trabalhos com os sentidos e acessibilidade que já vinhamos realizando com os alunos e com a comunidade e adentrar cada vez mais nesse assunto, tão importante para o convívio igualitário, justo e pacífico na sociedade. Com a realização dos jogos paralímpicos, colocamos todos em contato ainda maior com a temática, para produzirmos mais resultados e refletir ainda mais sobre o assunto”, conta o professor de ciências, Stefan Bovolon, que realiza projetos sobre acessibilidade com os alunos.

Primeiro, todos realizaram pesquisas online sobre os jogos paralímpicos, como surgiram, quem são os atletas, quais as modalidades, como serão as Paralimpíadas de 2016 no Rio. Depois, chegou a hora de experimentar em primeira mão algumas das modalidades que os atletas irão disputar: Futebol de 5 (com redução de visão), ping-pong em cadeira de rodas, vôlei sentado, pebolim com braço imobilizado, arremesso sentado, salto em distância com braços imobilizados e, ao final, uma corrida com olhos vendados, guiados por um acompanhante.

Crianças com os olhos vendados usando camisas amarelas
Futebol de 5 (com olhos vendados (Foto: Divulgação)

É uma experiência nova porque a gente vê na televisão mas a gente não tem ideia de como é realmente ser um atleta paralímpico, então é interessante, porque a gente consegue descobrir um pouco do universo deles”, diz a aluna Isabela Tiossi.

As amigas Beatriz Durante e Luiza Pichirilli revelam que as atividades que mais gostaram foram a corrida vendada e o ping-pong sentado. “No ping-pong, é difícil conseguir chegar até a metade da mesa para fazer o ponto, então foi muito legal descobrir como as pessoas que têm essa dificuldade vão desenvolvendo habilidades diferentes para jogar”, dizem.

Quatro crianças brincam de total, duas enxergam e duas não.
Totó em dupla (Foto: Divulgação)

Uberlândia é exemplo de acessibilidade para deficientes

Publicado originalmente em: Jornal Nacional

Com 600 mil habitantes, cidade tem rampas de acesso em todas esquinas. Projetos novos só são aprovados se tiver plano para facilitar a mobilidade.

Nesta semana, o Jornal Nacional está apresentando uma série especial de reportagens sobre o desrespeito do Brasil com as pessoas com deficiência. Mas, nesta sexta-feira (18), você vai ver como seria perfeitamente possível diminuir muito o problema da acessibilidade no nosso país. O exemplo é de uma cidade de Minas Gerais.

Cadeirantes para todo lado, cegos andando na rua sem esbarrar em nada, surdos interagindo com outras pessoas. Quem vê até pensa que essa cidade tem mais deficientes do que qualquer outra no Brasil. O que Uberlândia, no Triângulo Mineiro, tem mais que as outras, é acessibilidade.

“Hoje a pessoa tem a liberdade de ir e vir. Elas trabalham, estudam, tem lazer. Então, hoje elas saíram de casa”, afirmou Denise Rezende Faria, coordenadora da Associação Paraplégicos de Uberlândia.

Jornal Nacional: Mas, de onde veio toda essa consciência?

Denise: Isso foi, assim, uma luta árdua. Foi um dia a dia matando leão e onça todos os dias.

Homem sentando na cadeira de rodas vestindo uma camisa roxa, calça jeans e vultos de pessoas caminhando de diversas direções
Homem sentando na cadeira de rodas vestindo uma camisa roxa, calça jeans e vultos de pessoas caminhando de diversas direções

A luta da Associação dos Deficientes valeu a pena: Uberlândia, com 600 mil habitantes, tem rampas de acesso em todas esquinas, no centro e nos bairros, sem distinção: 100% da frota de ônibus com elevadores para quem tem dificuldade de locomoção. Piso tátil para orientar deficientes visuais em todas as calçadas, terminais rodoviários, lojas e prédios públicos. Lá, cada projeto novo de rua, prédio ou loteamento só é aprovado se tiver plano pra facilitar a mobilidade dos deficientes.

Esse programa de acessibilidade existe em Uberlândia há 20 anos, e vai muito além da infraestrutura. É um exercício diário de cidadania que começa nas escolas municipais, onde desde cedo alunos e professores aprendem a conviver com as diferenças.

Linguagem de sinais para quem é surdo poder acompanhar a aula. Máquina de braile, para quem é cego poder anotar tudo. Rampas para alunos cadeirantes e usuários de muletas e carinho, muito carinho.

“A Ana Júlia, ela surpreendeu, que ela é bem inteligente, bem esperta. Está sendo superfácil. Está aprendendo, começando a ler a escrever. Adora vir pra escola. Adora estudar”, comemorou Simone de Fátima Silva, mãe de aluna.

Quem sai de Uberlândia leva a pergunta: por que a acessibilidade tem que ser restrita a algumas cidades, uns poucos prédios, raríssimas iniciativas?

Em Araxá, no mesmo estado de Minas, o deficiente que entrou na Justiça contra uma companhia aérea por falta de acessibilidade em certos aviões precisou ser carregado dentro do fórum da cidade, para chegar à sala do juiz.

“É, no mínimo, irônico, porque a Justiça que deveria estar nos resguardando, cumprindo com a lei porque ela prega a lei e cobra dos outros, ela não seque o que ela está pregando. O que se fala não é o que se faz”, protestou Manoel Stefani Furtado, administrador de empresas.

Mas, justiça seja feita; na capital do Brasil, o prédio do STJ é considerado modelo. “É um paraíso. Aqui é um órgão que eu acho que Deus escolheu pra mim. Prestei concurso pro STJ e não sabia que tinha essa estrutura toda aqui para um cadeirante”, disse Fernanda Zago, técnica judiciária.

De um modo geral, todos os prédios do governo, do Legislativo e do Judiciário são acessíveis. Mas se a Fernanda precisar atravessar a rua para ir do Superior Tribunal de Justiça até o Tribunal Superior do Trabalho: “Não tem acessibilidade. A gente pensa: estou na capital do Brasil e aqui no plano piloto, do lado da Câmara e do Senado, junto dos três poderes, não é acessível”, conta Fernanda.

Precisaria consciência e vontade política, segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas. A ABNT tem uma receita básica para ampliar a acessibilidade: rampas com pouca inclinação, no máximo 8%, e sempre construídas da porta para dentro, para não obstruir as calçadas. Escadas com corrimão, piso tátil, cerâmicas com retângulos e bolinhas em alto relevo e semáforo sonoro para guiar deficientes visuais. Transporte público com elevador e espaço exclusivo para cadeirantes, facilidades que podem fazer diferença não só para quem hoje precisa.

“O que a população esquece que é muito importante é que todos envelhecerão – aliás, é a vontade de todo mundo. E a pessoa, quando ficar velha, ela vai ter perda de mobilidade física, sensorial, visual, auditiva. Então, as pessoas não se preocupam com o futuro”, observou Edison Passafaro, instrutor e auditor das normas de acessibilidade da ABNT.

Segundo a ABNT, por maior que seja o custo para fazer tudo o que é necessário, esse preço nunca chegará nem perto do tamanho dos benefícios para todos.

O governo de Brasília reconheceu o problema da acessibilidade nas calçadas e afirmou que um programa de construção e recuperação está na fase final de orçamento. Sobre a falta de acesso para cadeirantes em Araxá, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais declarou que vai abrir licitação no ano que vem para construir um fórum novo, com rampas.

Aplicativo ‘guiaderodas’ faz mapa colaborativo da acessibilidade

Publicado em: Luiz Alexandre Souza VENTURA do Blogs Vencer Limites | Estadão

Disponível para iOS e Android, o app considera a existência de vagas especiais para estacionamento ou manobrista, condições de circulação interna, banheiro para pessoas com deficiência e mais detalhes em restaurantes, supermercados, lojas, cinemas, farmácias, consultórios, teatros, baladas e outros locais.

Bruno Mahfuz usa cadeira de rodas há 15 anos e já vivenciou todo tipo de situação na qual a falta de acessibilidade trouxe dificuldades reais. A partir dessas experiências, nem sempre agradáveis, Bruno criou o aplicativo ‘guiaderodas’.

“Percebi que pessoas em diferentes momentos da vida enfrentam problemas similares, seja por limitação provisória ou permanente de exercer suas funções rotineiras. Além disso, algumas facilidades beneficiam muito idosos de uma maneira geral, que mesmo sem nenhuma limitação funcional, tendem a preferir um elevador a uma escada”, explica o empreendedor.

Disponível nas versões para iOS e Android, o app faz um mapa colaborativo dos recursos acessíveis de qualquer cidade, com registros em restaurantes, supermercados, lojas, cinemas, farmácias, consultórios, teatros, baladas e outros locais.

Homem sentado na cadeiras de roda, usando roupa social
Bruno Mahfuz usa cadeira de rodas há 15 anos. Imagem: Divulgação

“A meta é facilitar a vida de todas as pessoas com algum tipo de dificuldade de locomoção, sejam cadeirantes, idosos, gestantes, mães com filhos pequenos ou pessoas com outras limitações físicas e funcionais”, diz Bruno.

Com o ‘guiderodas’, o usuário faz uma avaliação, que dura no máximo 30 segundos, e consegue classificar o estabelecimento como acessível, parcialmente acessível e não acessível. O aplicativo considera a existência de vagas especiais para estacionamento ou manobrista, entrada, condições de circulação interna, banheiro para pessoas com deficiência e outros detalhes.

“São perguntas claras e objetivas que podem ser respondidas por pessoas com dificuldade de locomoção ou não. Com o GPS, o ‘guiaderodas’ favorece a avaliação in loco do estabelecimento. Outros filtros de busca podem ser feitos, seja por algum local específico, categoria ou lugares já marcados como acessíveis”, destaca o criador do app.

Acessibilidade nas paradas de ônibus: um desafio a ser enfrentado pelo Recife e RMR

Publicado em: Júlio Cirne | JC Trânsito

Se ser usuário de transporte coletivo na Região ​M​etropolitana do ​R​ecife (RMR)​ já é difícil para quem desfruta de mobilidade plena, a situação fica ainda pior quando se​ tem alg​uma deficiência. Nes​te​ 3 de dezembro, quando é comemorado o ​D​ia Internacional da Pessoa com Deficiência, o JC Trânsito traça um panorama da situação das paradas de ônibus nos principais pontos ​da ​RMR, no que diz respeito às políticas de acessibilidade para atender às necessidades especiais desse grupo que representa 26,75% da população pernambucana, de acordo com o Censo de 2010 do IBGE.​ Infraestrutura precária nos pontos, equipamentos quebrados nos ônibus, abrigos sem proteção do sol e da chuva, além de desrespeito são alguns desses problemas enfrentados diariamente pelos deficientes físicos.

Veja, na galeria de fotos abaixo, a situação de algumas paradas de ônibus no Centro do Recife:

Um dos locais de maior fluxo de pessoas no Recife, a área Central, principalmente os bairros do Derby e da Boa Vista, é o local que mais recebe críticas de quem precisa se locomover de ônibus para resolver as obrigações cotidianas. Mãe do cadeirante e paratleta Jackson da Silva Ramos, de 25 anos, a dona de casa Lindacy Maria da Silva Ramos, com 48 anos, reclama principalmente da infraestrutura das paradas de ônibus, que não estão preparadas para atender às necessidades especiais de pessoas com deficiência.

Homem com bolsa nas costa com o braço esticado solicitando para do ônibus que está chegando
Paradas de ônibus e acessibilidade na RMR Algumas paradas não contam sequer com cobertas para a proteção do sol e da chuva Crédito: Júlio Cirne/JC Trânsito

“São muito estreitas. Essa (parada de ônibus) aqui da Praça do Derby é maior um pouco, mas a maioria normalmente é pequena e descoberta. Quando chove a gente se molha, quando faz sol também é ruim, pois passamos muito tempo esperando o coletivo no calor”, disse dona Lindacy. Quando conversou com o JC Trânsito, na manhã des​s​​​a quarta-feira (2), a dona de casa vinha de uma consulta médica com Jackson no bairro do Derby. Morando em Jardim São Paulo,​ bairro Zona Oeste do Recife,​ mã​e​ e filho contam que demoram cerca de duas horas quando precisam sair ​de lá para chegar à área central.

Apesar de todas as dificuldades, Jackson não se deixa vencer por elas. ​E​ste ano o jovem começou a jogar basquete, através de um programa de inclusão oferecido pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mesmo com o lugar dos treinamentos sendo mais próximo de sua casa, Jackson mantém a mesma reclamação da mãe: “A parada não é boa e o motorista sempre para longe de onde estamos para subir no ônibus”, disse o jovem. “Isso quando o carro está preparado para ele”, reiterou dona Lindacy, dizendo que alguns veículos ainda não possuem o equipamento necessário para que cadeirantes embarquem nos ônibus.

Jackson encontra dificuldades para embarcar no ônibus, pois o motorista para muito longe de onde ele está. Confira o vídeo:

Cadeirante enfrenta dificuldade para embarcar em ônibus na parada do Derby
Link para o vídeo: Cadeirante enfrenta dificuldade para embarcar em ônibus na parada do Derby
03/12/2015 19h39

De acordo com dados do Grande Recife Consórcio de Transporte, responsável pela operação do transporte coletivo no Recife e RMR, cerca de 5% da frota de 3 mil ônibus cadastrados ainda não contam com o elevador da porta do meio. Veja mais números sobre o transporte abaixo:

27,75% da população pernambucana possuem algum tipo de deificiência, segundo o Censo de 2010 do IBGE; 5% da frota de 3 mil ônibus da RMR ainda nã conta com os elevadores nas postas do meio; Nenhuma parada do Recife é adaptada com sinalização sonora ou voz sintética para deficientes visuais; a RMR tem cerca de 5,850 paradas de ônibus;
Ilustração: Guilherme Castro/NE10

Além dos cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida, os deficientes visuais formam outro grupo que sofre por causa da falta de infraestrutura das paradas, que não oferecem o mínimo possível de recursos de acessibilidade. É o que relata Michell Platini, que trabalha na área de comunicação social da Superintendência Estadual de Apoio à Pessoa com Deficiência (Sead). “Não existe, no Recife, nenhuma parada com sinal sonoro”, disse Michell, que também é usuário de transporte coletivo.

Paradas de ônibus e acessibilidade na RMR Falta de educação: população suja as paradas que já estão degradadas pelo tempo e pela falta de manutenção Crédito: Júlio Cirne/JC Trânsito
Paradas de ônibus e acessibilidade na RMR Falta de educação: população suja as paradas que já estão degradadas pelo tempo e pela falta de manutenção Crédito: Júlio Cirne/JC Trânsito

O jovem explica ainda que para atender integralmente as necessidades de um deficiente visual, as ​pa​radas de ônibus deveriam contar com dispositivo de “voz sintética”, que além de avisar sobre a chegada do ônibus, ainda informa qual é a linha que está na parada. Por causa da total ausência dessas paradas adaptadas, Michel conta que o deficiente visual acaba tendo que contar com a solidariedade de outras pessoas. Ele considera que o recifense está sempre disposto a ajudar, mas muitas pessoas ainda não sabem como agir para ajudar uma pessoa com deficiência visual. “São coisas simples como, por exemplo, a pessoa se oferecer para ajudar e, caso o ônibus dela chegue primeiro, ela vai embora sem avisar”.

Outra reclamação recorrente diz respeito à falta de preparo de alguns motoristas para lidar com pessoas com ​deficiência: “Além do despreparo, há alguns motoristas que param o ônibus muito longe de onde a pessoa está parada ou que simplesmente mostram má vontade para auxilar”, disse Michell, contando que já aconteceu de um motorista ironizar a sua deficiência apenas porque ele reclamou da distância com a qual o ônibus parou em relação ao ponto.

ALÉM DA DEFICIÊNCIA – Quando se fala em acessibilidade, o debate acaba ficando concentrado na questão da deficiência, essa crítica é compartilhada pelo gerente de Política da Sead, Geziel Bezerra: “A acessibilidade é universal. Ela serve para atender à mulher grávida, um idoso, uma pessoa obesa e a outros grupos”. Geziel também é cadeirante e, como usuário de ônibus, precisa enfrentar as dificuldades que a ausência das paradas adaptadas trazem. Ele se desloca diariamente de Olinda ao Centro do Recife usando o transporte coletivo.

EXEMPLOS DE FORA – A cidade do Rio de Janeiro se prepara para nos próximos dias instalar um sistema que promete melhorar a vida de deficientes visuais na hora de usar o transporte coletivo. Chamado de “ponto inteligente” e idealizado pelo estudante de engenharia elétrica Douglas Toledo, o projeto foi batizado de Viibus, sigla em inglês para “Visually Impaired Inteligente Bus Stop” (Ponto de Ônibus Inteligente para Deficientes Visuais).

No sistema, ponto de ônibus recebe um painel em braile com as informações das linhas que param nele. O usuário seleciona a linha e aguarda a chegada do veículo. Em​ seguida​, ​um sinalizador visual é acionado para indicar ao motorista que há um deficiente visual esperando naquele ponto. O motorista do coletivo também é informado da presença do passageiro no ponto. Quando o ônibus chega à parada, o passageiro é notificado e solicita o embarque apresentando um cartão de identificação.

O desenvolvimento do projeto foi o trabalho de conclusão de curso de Douglas e foi vencedor do “Desafio Cisco”, que premia iniciativas baseadas no conceito de “internet das coisas”. O Viibus será instalado como protótipo na área do Porto Maravilha, uma dos locais do projeto olímpico da cidade do Rio de Janeiro.

Confira o vídeo de divulgação do projeto:

PERSPECTIVAS PARA PERNAMBUCO – Atualmente, a RMR conta com aproximadamente 5.850 paradas de ônibus, padronizadas em cinco modelos diferentes: abrigos de metal coberto; abrigos feitos de concreto; montante, que são placas de metal com aproximadamente 1,80m de altura; colunas em “L” e placas em poste de concreto. O Grande Recife informa que as paradas nesse último modelo só são usadas para indicar os pontos quando não é possível utilizar modelos de outro tipo.

Ainda segundo o consórcio, um trabalho de reparos pontuais vem sendo realizado nas paradas do Centro do Recife. Além disso, será lançada em breve uma licitação para a manutenção de todos os abrigos de ônibus da RMR. A licitação está na fase interna (ajustes no edital) e após a conclusão será enviado à Secretaria de Administração para análise e publicação do edital. O contrato de concessão terá validade de 20 anos.

A respeito da adaptação das paradas, a assessoria do Grande Recife informou que ainda não há pontos específicos estabelecidos para esse tema, mas que a matéria será incluída no processo de análise do edital.

O consórcio atenta para que população zele pelo bom estado das paradas existentes e informa que, apenas de janeiro a julho de 2015, foram gastos mais R$ 404 mil em reparos de danos que foram causados por vandalismo.

Em matéria de calçadas, Brasil engatinha, diz Mara Gabrilli sobre acessibilidade

Publicado em: EBC | Leticia Constant | Fonte: RFI

Sair de casa para ir à padaria, comprar o jornal, ir ao cinema, jantar com os amigos, ver o show do cantor favorito ou curtir uma exposição, tuudo isso parece fácil, simples, mas não pra todo mundo. De cadeira de rodas, por exemplo, dependendo da cidade em que vivemos, sair é um verdadeiro combate.

Na Europa, as principais capitais são bem estruturadas para receber pessoas com necessidades especiais, mas também têm limites graves como, por exemplo, os metrôs de Paris, que são inviáveis para os cadeirantes.

Acessibilidade no Brasil

A deputada Mara Gabrilli, primeira tetraplégica a ocupar um cargo federal, é uma militante incansável, responsável pela Lei de Acessibilidade em São Paulo, que obriga os comerciantes a regularizar os estabelecimentos, permitindo o acesso e proteção de crianças, adolescentes, idosos e pessoas com necessidades especiais.

Ela acha que nos últimos dez anos, quando foi criada a primeira secretaria da pessoa com deficiência no Brasil, o país avançou em políticas públicas para inclusão e para as pessoas com deficiência. “O Brasil tem um dos ordenamentos jurídicos mais ricos do mundo no que diz respeito às pessoas com deficiência, mas ainda há muitos caminhos a percorrer e preconceitos a derrubar, preconceitos da iniciativa privada, do terceiro setor, das iniciativas individuais da sociedade e do setor público”, diz Mara.

O Brasil não tem nenhuma cidade modelo em termos de acessibilidade, mas vale destacar alguns locais que investiram na iniciativa.

“Existe uma cidade bem interessante, a cidade de Socorro, no interior de São Paulo, que tem uma vocação para o esporte radical das pessoas com deficiência”, diz Mara, explicanqo que por este motivo as pousadas os hotéis, os restaurantes, acabaram se adequando. “Também não dá para dizer que a cidade é 100% acessível, mas tem características bem bacanas que vale a pena conhecer. Além de Socorro, temos pequenas cidades e outras maiores como, por exemplo, Uberlândia, no Triângulo Mineiro, que foi a primeira a ter uma frota completa de ônibus para atender passageiros com necessidades especiais. Mas também não dá pra dizer que é uma cidade modelo”, observa.

As calçadas são fundamentais para as pessoas que precisam de acessibilidade especial. Mara Gabrilli sorri ao falar do estado das calçadas brasileiras. “Em matéria de calçada, o Brasil ainda engatinha e engatinha caindo. Não tem nenhuma cidade que a gente possa dizer que é modelo. São Paulo tem alguns pontos onde quem vem do interior ou de outros estados, usando uma cadeira de rodas, um cego, ou alguém que usa maletas, fica maravilhado. Mas São Paulo é muito grande, e do mesmo jeito que a gente tem pontos extremamente acessíveis, você vai na periferia e não tem nada…”, conclui Mara Gabrilli.

A arte de vivenciar as necessidades especiais

O acesso inserido na vida cotidiana é um tema que vem despertando interesse em outros campos. Um exemplo é o escritório de cenografia e conteúdo Folguedo, sediado no Rio de Janeiro, que apresentou recentemente na Casa da Ciência a exposição “Cidade Acessível” em que os visitantes se colocaram na situação vivida por cadeirantes, cegos, idosos, surdos ou velhos.

Leonardo Bumgarten de Freitas, um dos sócios do escritório, fala sobre a mostra. “ A ideia é criar essa sensibilização nas pessoas, essa consciência. A gente entende que se você vive uma situação, tem muito mais possibilidade de incorporar isso de uma forma verdadeira, então, se você passar pela dificuldade, óbvio que uma dificuldade controlada num ambiente seguro,você vai entender quem tem uma dificuldade grande; e quando vai para o espaço real da cidade consegue imaginar o cotidiano dessas pessoas. E não é só na questão do cadeirante, na questão da deficiência, mas acho que numa questão mais ampla da sensibilidade para todos, de fato; entender que todos têm uma necessidade – temporária, de maior ou menor grau -, na coisa de enxergar, de conseguir apertar um botão, ouvir informação, se localizar…Há uma série de questões envolvidas além do circular, além do andar”, reflete Leonardo.

Na mostra Cidade Acessível os visitantes foram convidados a experimentar, vivenciar, se colocar no lugar do outro, escolhendo restrições e barreiras como, por exemplo, cobrir os olhos com uma faixa, andar de cadeira de rodas e outras opções.

Blogs

A solidariedade entre os próprios necessitados de acesso especial também contribui para facilitar o cotidiano. Em diversos blogs, cadeirantes contam suas experiências de viagens, dão dicas de locais de lazer equipados para recebê-los, informam leis e direitos e as última novidades em acessórios como capas para cadeiras de rodas ou bengalas eletrônicas.