Amazing People With Disabilities

There is nothing that is going to stop these incredible humans down, becoming models, actors, and special needs activists.


RJ Mitte
Famously known for his portrayal as Walter White’s son, Walter Jr. or Flynn, RJ Mitte was born with cerebral palsy just like his character in Breaking Bad. This congenital disorder affects the body’s movement, motor skills, and muscle tone. Because of this, he was given leg braces and crutches in order to help him walk, though, over time he grew stronger with sports and exercise and he no longer required them when he reached his teenage years. Mitte has gone on to star in several other tv shows and films, along with modeling and being a celebrity ambassador for United Cerebral Palsy.

Jamie Brewer
The 31-year-old actress was born with the condition known as Down Syndrome that is caused as a result of a third copy of Chromosome 21. Brewer broke onto the acting scene back in 2011 when a friend gave her word about a tv show that was looking for a woman with down syndrome to play a girl with down syndrome. That show would later come to be known as the binge-worthy American Horror Story where she portrayed Adelaide Langdon in the show’s first season. She would later return for the shows 3rd and 4th seasons respectively. She has gone on to pursue better treatment and visibility for people with IDD, an intellectual or developmental disability, through her activism and she recently became the first model with down syndrome to ever walk in New York Fashion Week.

Stephen Hawking
The world famous theoretical physicist happens to suffer from ALS or Lou Gehrig’s disease that slowly took his freedom of movement and ultimately paralyzed him. He was told that he only had a mere two years to live when he was diagnosed at the young age of 21. He defied those odds and went on to have many accomplishments in his fields of study. He began to use crutches at first, but then became wheelchair bound and finally in 2009 he lost the ability to operate his wheelchair by himself and requires a breathing ventilator to help him. His life was recently adapted into the film The Theory of Everything where you can see Eddie Redmayne portray him

Nick Santonastasso
19-year-old Nick Santonastasso was born with Hanhart Syndrome, a rare congenital disease that left him without any legs, an undeveloped right arm, and a left arm that only has 1 finger on it. At the time of his birth, he was the only the 12th case of Hanhart Syndrome in the entire world. Back in 2014, he teamed up with the head makeup artist for the Walking Dead and pulled a prank on the tv show’s star Norman Reedus. The vine has since gone viral amassing over 8 million views on Youtube. Not just a famous vine star, he’s also a singer, musician and was a wrestler for his high school team. Nick says that even though he has his bad days where he wishes he was “normal”, he says he wouldn’t change because of how he loves to inspire his fans.

Jack Eyers
Jack Eyers made history last year at New York Fashion Week when he became the first amputee male model to walk down the runway. The then 25-year-old model was born with proximal femoral focal deficiency which stunted the growth of his right leg and ultimately he chose to have the leg amputated at 16 due to the discomfort that it was causing him. He happens to be a spokesperson for Models of Diversity, an agency that strives to promote diversity and inclusion on the catwalk. He states that he wants more inclusion for models with disabilities and that having a disability doesn’t necessarily have to be seen as something that holds you back.

Noah Galloway
The 34-year-old Army veteran was a Sergeant who happened to lose both his left arm and his left leg after he was injured in an IED attack. Once he left the army, he became a personal trainer and motivational speaker where he talks to school children and veterans leaving them with his mantra “no excuses”. He would later go on to become a model for various brands such as Armitron Watches and he placed third in the 20th season of Dancing with the Stars with his partner Sharna Burgess.

Aimee Mullins
Mullins was born with a condition known as fibular hemimelia which results in the individual missing their fibula bones and because of this she had to have her legs amputated up to her knees when she was only a year old. She went on to become an incredible athlete in softball, track and field, and skiing. Mullins made history as the first amputee person in history to compete in the NCAA. Not only is she an accomplished athlete, but she also happens to a model and an actress who’s starred in several different shows, her current role on the Netflix show Stranger Things.

Published by

Acesso à justiça e a pessoa com deficiência

Resumo

O presente artigo se propõe a estudar o acesso à justiça e se ele vem sendo implementado devidamente para as pessoas com deficiência. Tal direito fundamental é aqui compreendido como prestação jurisdicional justa, voltada a maior efetividade de direitos, a partir de um processo com maior equiparação de oportunidade aos litigantes. Em razão da relevância que a efetiva e adequada concretização dos direitos representa, pretende-se verificar se as pessoas com deficiência vêm tendo suas prerrogativas realizadas da forma devida e, se não, quais são os entraves ao seu acesso à justiça. Pretende-se realizar uma análise com o fim de conscientizar os operadores do direito de que as garantias das pessoas com deficiência devem ser respeitadas, assim como os direitos das demais pessoas, e que, muitas vezes, partem dos próprios profissionais que lidam com o direito, as barreiras que impedem aquelas pessoas de terem suas garantias asseguradas não apenas na legislação, mas de forma concreta, como é devido pela sua condição de pessoa humana. Será realizada uma pesquisa bibliográfica e documental, pautada também no exame dos comandos legislativos brasileiros pertinentes à matéria, bem como de estudos desenvolvidos por organizações de referência comprovada, como o Banco Mundial, no tocante a temas correlatos. Utilizar-se-á o método dedutivo.

Palavras-chave: Acesso à justiça. Obstáculos. Pessoa com Deficiência

Abstract

This paper aims to examine access to justice and if it is being implemented appropriately for people with disabilities. This fundamental right is here understood to fair adjudication, aimed at greater effectiveness of rights, from a process with greater equalization of opportunity for litigants. Given the importance that is effective and appropriate implementation of rights, is intended to verify if people with disabilities are having their rights performed as appropriate and, if not, what are the barriers for the access to justice. It is intended to perform an analysis in order to educate people who works with Law that the rights of persons with disabilities should be respected as the rights of others and often the barriers to the implementantion of the people with disabilities’ rights come from the Law’s professionals themselves, and it’s prevent those people from having their rights garanted not only in legislation but in practice, as is their due for the human condition. There will be a bibliographical and documentary research, also based on the examination of commands relevant to the Brazilian legislative matters, as well as research carried out by proven reference organizations, such as the World Bank, in respect of related topics. Use shall be the deductive method.

Keywords: Access to justice. Barriers. People with disabilities.

1- Introdução

O acesso à justiça, peça chave da moderna processualística, deve ser compreendido através de uma acepção social, como prestação jurisdicional justa, adequada e efetiva. Ou seja, é através desse direito social fundamental e instrumental que é viabilizada a concretização dos demais direitos, a partir da promoção de um processo judicial pautado nos princípios processuais e no maior grau de compatibilização entre as oportunidades dos litigantes.

Em virtude da importância desempenhada por esse direito constitucional fundamental, buscou-se verificar como ele estar sendo realizado para as pessoas com deficiência, especialmente após incorporação no ordenamento jurídico brasileiro, com status de emenda à Constituição, da Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência.

A relevância do atual trabalho se demonstra pela necessária efetivação dos direitos das pessoas com deficiência, pois, tem-se verificado que, apesar da legislação brasileira ser satisfatória quanto à positivação de tais prerrogativas, na prática, essas podem não estar sendo concretizadas da forma devida.

Neste estudo objetiva-se identificar os eventuais obstáculos que inviabilizem o acesso à justiça para as pessoas com deficiência. Para isso, utilizou-se o método dedutivo, sendo conduzida a pesquisa a partir do estudo bibliográfico e de documentos oficiais, como material editado pela Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República, bem como através do exame da legislação brasileira no tocante à proteção dos direitos das pessoas com deficiência. Ademais, fez-se a análise de dados coletados por pesquisas realizadas por instituições de seriedade comprovada, como o Banco Mundial e a Fundação Getúlio Vargas, com vistas a fundamentar os argumentos apresentados.

2- Definição de pessoa com deficiência

Antes de ingressar na temática propriamente dita do atual trabalho, mister se faz definir o que se entende por pessoa com deficiência.

Pode-se dizer que é, no mínimo, espinhosa, a questão de como se denominar as pessoas que convivem com certos impedimentos de cunho físico, mental, sensorial ou intelectual sem que a nomenclatura adotada denote qualquer caráter preconceituoso ou discriminatório.

É que ao longo dos anos, detalhadamente na legislação pertinente às pessoas com deficiência, foram utilizados os mais diversos termos para designar tais pessoas. Infelizmente, muitas dessas designações são pejorativas e trazem alta carga discriminatória, refletindo a falta de educação inclusiva e os preconceitos imbuídos na mentalidade social.

Para ilustrar isso, podemos citar alguns termos utilizados na legislação pátria para identificar as pessoas com deficiência, tais como “inválidos”, “incapacitados”, “incapazes”, “defeituosos”, “excepcionais”, “pessoas com necessidade especial”, “pessoas portadoras de deficiência”, muitas dessas expressões denotam uma desvalorização das pessoas com deficiências contribuindo para sua marginalização (SASSAKI, 2006).

Cumpre destacar que somente em 1981 as pessoas com deficiência foram classificadas como “pessoas” e não mais como “indivíduos”. Isso se deu devido às pressões das organizações de pessoas com deficiência, fazendo com que a Organização das Nações Unidas (ONU) nomeasse o ano de 1981 como “Ano Internacional das Pessoas Deficientes”. Como consequência, pode-se observar uma evolução no tratamento das pessoas com deficiência, finalmente, reconhecendo-lhe seu valor como pessoa, “igualando-os em direitos e dignidade à maioria dos membros de qualquer sociedade ou país” (SASSAKI, 2006).

A Constituição Federal de 1988 denominam as pessoas com deficiência de “pessoas portadoras de deficiência”, expressão utilizada por outros documentos legais brasileiros, sendo corrente seu uso também por operadores do Direito, inclusive em decisões judiciais. No entanto, tal termo demonstra-se inadequado, haja vista que a deficiência não pode ser vista como objeto que é “portado” por alguém, diversamente, a pessoa não “porta”, mas tem ou não deficiência, sendo esta uma condição própria do indivíduo.

Deste modo, em razão dos motivos acima expostos, a expressão que mais se adéqua à condição de ter uma deficiência é “pessoa com deficiência”, terminologia que melhor agrega os valores a serem tutelados às pessoas com deficiência, contribuindo para a desmistificação dos preconceitos e possibilitando uma maior conscientização social em prol de uma cultura inclusiva.

A concepção de deficiência não pode mais restar atrelada a ideias há muito superadas acerca de uma inferiorização ou, pior, de uma inutilidade ou desvalia. Destarte, é importante que se tenha em mente uma percepção social sobre a deficiência, que deriva da noção de que “a pessoa, antes de sua deficiência, é o principal foco a ser observado e valorizado, assim como sua real capacidade de ser o agente ativo de suas escolhas, decisões e determinações sobre sua própria vida” (MARTINS, 2008, p. 28). Deste modo, a pessoa com deficiência é antes de tudo uma pessoa, com todas as suas vicissitudes, desejos, medos e percepções sobre vida, com características tão diferentes como todos e cada uma de nós e sua condição de ter deficiência é só mais um traço distintivo de sua individualidade.

Numa sociedade cada ver mais complexa e plural como a atual, não se pode mais traçar uma linha imaginária diferenciando deficientes de não deficientes; apesar dessa barreira persistir fortemente no imaginário popular e realmente segregar através de atitudes tomadas, não se pode mais fechar os olhos para a realidade de que todos são substancialmente iguais, enquanto pessoas dotadas de dignidade e uma ou outra característica peculiar que dado indivíduo tenha não justifica sua exclusão social ou o desrespeito aos seus direitos.

Como acima afirmado, o termo “pessoas com deficiência” é o que melhor expressa o hodierno espírito de proteção aos direitos dessas pessoas, de modo que essa denominação vem sendo internacionalmente empregada e foi adotada pela Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência aprovada pela ONU, que delimita o conceito de pessoa com deficiência nos seguintes termos:

O propósito da presente Convenção é promover, proteger e assegurar o exercício pleno e equitativo de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais por todas as pessoas com deficiência e promover o respeito pela sua dignidade inerente. Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdades de condições com as demais pessoas.

Ademais, é oportuno frisar que essa conceituação não pode se entendida como algo pronto e acabado, mas como um processo em permanente construção rumo a uma sociedade realmente inclusiva, que veja a diferença não como um desvalor ou desvantagem, mas como algo inato à natureza humana. E que, a partir dessa percepção, seja edificado um ambiente social adequado às mais diversas necessidades das pessoas para que todos e cada um tenham iguais condições da participar da vida em sociedade. Esse é justamente o espírito que permeia a mencionada Convenção, conforme se percebe na alínea “e” do seu Preâmbulo:

Reconhecimento que a deficiência é um conceito em evolução e que a deficiência resulta da interação entre pessoas com deficiência e as barreiras devidas às atitudes e ao ambiente que impedem a plena e efetiva participação dessas pessoas na sociedade em igualdade de oportunidades com as demais pessoas.

Neste diapasão, é relevante ressaltar que o Brasil, pelo menos do ponto de vista legislativo, vem adotando essa concepção social de deficiência, vez que outorgou status de norma constitucional à referida Convenção e já conta com vasta legislação assegurando os direitos das pessoas com deficiência, resta saber, agora, se tais direitos são assegurados devidamente.

3 – Acesso à justiça

3.1 O acesso à justiça como direito fundamental

O acesso à justiça é um tema que certamente merece um amplo debate, o que está sendo realizado, principalmente nas últimas décadas, com a égide na Constituição Federal de 1988, quando fora assegurado como direito fundamental em seu art. 5º, inciso XXXV, que disciplina: “a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito”.

É importante mencionar que nesse novo paradigma pós-positivista em hoje se vive, não se pode mais admitir a compreensão do acesso à justiça como mero ingresso formal ao juízo, ou seja, como a possibilidade de o indivíduo compor o processo. Nessa antiga concepção, a prestação jurisdicional do Estado ficava restrita à reduzida parcela da população, apenas aquela que poderia enfrentar os dispêndios e delongas do processo.

Constatou-se, então, que tal perspectiva formal de mera admissão em juízo não atendia aos anseios sociais e às facetas atuais do ordenamento jurídico, de forma que o direito de acesso à justiça, na condição de direito constitucional fundamental, é compreendido, agora, pela doutrina brasileira, como direito de acesso à ordem jurídica justa (CINTRA, GRINOVER e DINAMARCO, 2010, p. 39).

Os teóricos responsáveis pela virada na concepção de acesso à justiça foram Cappelletti e Garth, em sua obra “Acesso à Justiça”, que buscaram uma nova abordagem da aplicabilidade do Direito, em que a efetividade dos direitos ocupe lugar de maior relevo do que a mera participação na lide.

Nesse aspecto, sua pesquisa fora voltada para uma percepção mais social do processo, superando-se o modelo irreal de um procedimento a ser decidido apenas com bases nos argumentos jurídicos utilizados pelos advogados das partes, estas que estariam numa situação de igualdade de condições perante o Poder Judiciário. Ao contrário, coube aos referidos doutrinadores promover uma verdadeira revolução no pensamento da época, tentando fazer com que os operadores do direito vissem que as regras processuais têm um propósito social e que qualquer modificação nos institutos processuais produz efeito direito na forma como a lei substantiva será aplicada e, portanto, todo e qualquer regramento processual tem um respectivo impacto social. Deste modo, sintetizando a importância que o direito de acesso à justiça desempenha não só no ordenamento jurídico, mas em todo o sistema social, aludem Cappelletti e Garth (2002, p. 13) que:

O “acesso” não é apenas um direito social fundamental, crescentemente reconhecido; ele é, também, necessariamente, o ponto central da moderna processualística. Seu desenvolvimento pressupõe um alargamento e aprofundamento dos objetivos e métodos da moderna ciência jurídica.

Assim sendo, ver-se a importância do direito de acesso à justiça, em razão dos relevantes impactos sociais que produz, na condição de acesso a uma ordem jurídica justa voltada para a efetividade dos direitos.

Noutro aspecto, não se pode olvidar que o direito de acesso à justiça também abrange à garantia aos jurisdicionados de terem uma técnica processual adequada e idônea à tutela do seu direito material, com observância dos princípios constitucionais processuais, como o devido processo legal e seus corolários.

É que a prerrogativa à técnica processual adequada configura, nas palavras de Marinoni (2010, p. 470), “preocupação mais avançada em relação ao direito de pedir a tutela jurisdicional, até porque só pode se preocupar com técnica processual idônea quem pode pedir a tutela jurisdicional”.

Assim, pode-se perceber que esse direito de acesso à justiça se configura em uma das garantias mais relevantes para a Ciência Jurídica moderna, ao passo de sua importância para a tutela dos demais direitos fundamentais. Nesse sentido, é papel desse direito fundamental viabilizar que o interessado não só exerça seu direito de ação, de ingressar em juízo, mas que possa, tanto na condição de autor quanto réu, obter uma solução justa e adequada para a problemática posta em debate.

Por conseguinte, resta patente a essencialidade do direito de acesso à justiça para uma organização justa e democrática do ambiente social, pois não há que se falar em sociedade democrática quando o Estado é incapaz de garantir o acesso de todos os interessados a uma ordem jurídica justa, adequada e efetiva.

3.2 – Da necessidade da transposição dos entraves ao acesso à justiça

Cappelletti e Garth (2002) arrolam alguns obstáculos a serem transpostos para que se atinja um nível ao menos desejável de efetividade de direitos. Conforme eles alertam, falar em uma igualdade formal das partes num processo – a famosa “paridade de armas” – é, no mínimo, utópica, já que não se pode sobrepor totalmente as diferenças entre os litigantes.

No entanto, o maior grau de efetividade dos direitos, revelado na compatibilização das condições das partes, deverá ser sempre o elemento norteador, o objetivo último do Estado, seja na condição de legislador, seja na atividade jurisdicional.

Para tanto, mister se faz que Poder Público supere certos entraves para que, então, possa atingir o nível desejável de efetividade na concretização dos direitos. Nesse sentido, os mencionados doutrinadores identificam alguns desses obstáculos que devem ser transpostos, dentre os quais, são de interesse do presente trabalhos os seguintes: a) os altos custos judiciais, que engloba não apenas o elevado valor das custas processuais e dos honorários advocatícios, como também a demora da prestação jurisdicional, tornando, para muitas pessoas, a justiça um objeto inacessível; b) a diferença das possibilidades das partes, fazendo com que certos litigantes tenham vantagens em detrimentos dos demais.

O custo do processo, inegavelmente, apresenta-se como grande empecilho para o acesso à justiça, na medida em que, para uma população majoritariamente pobre – o censo demográfico de 2010 revelou que 25% da população recebia até R$ 188 e que metade dos brasileiros percebia menos do que o salário mínimo então vigente (IBGE, 2011) –, poucos são aqueles que efetivamente podem arcar com os custos do processo, que envolve, além das taxas judiciárias, valores como honorários advocatícios, sucumbências, perícias, dentre outros.

Além disso, não se pode olvidar dos custos financeiros e emocionais que a delonga do processo provoca, fazendo com que, muitas vezes, partes economicamente mais frágeis desistam de suas causas ou celebrem acordos cujos valores estejam aquém do que efetivamente teriam direito (CAPPELLETTI; GARTH, 2002).

Noutro aspecto, há outra grande barreira a ser atravessada, que diz respeito à diferença, muitas vezes abismal, entre as possibilidades dos litigantes. Cappelletti e Garth (2002) apontam alguns fatores que indicam vantagens estratégicas que certas partes têm em detrimento a outras, como: a) diferença de recursos financeiros; b) ausência de conscientização acerca dos seus direitos e como obtê-los; e c) a diferença entre ligantes habituais e eventuais.

Um dos pontos em que mais pesa na distinção entre os litigantes é a questão da diferença dos seus arcabouços financeiros. Em primeiro lugar, as pessoas com um maior poder econômico detêm a vantagem de poder pagar para litigar e também podem suportar melhor a demora processual. Outrossim, pessoas economicamente fortes podem apresentar seus argumentos de modo mais eficiente, vez que poderiam contratar advogados mais caros e, em tese, mais especializados e exclusivos.

Além disso, há também a barreira desencadeada pela falta de aptidão para reconhecer um direito e propor uma ação ou sua defesa, eis que, como elucidam os referidos autores, as pessoas com maior poder aquisitivo teriam uma maior conscientização acerca dos seus direitos. Tal barreira não é um problema apenas para os pobres, mas diz respeito também a outros extratos da população, pois grande parte dos brasileiros carece de uma cultura jurídica básica, possuindo, destarte, conhecimentos limitados a respeito de seus direitos e como fazer valê-los através de um processo.

Deste modo, é essencial criar mecanismos para aumentar o nível de conhecimento do povo no que se refere à conscientização acerca dos seus direitos, quais os meios disponíveis para efetivá-los e como utilizá-los. Deve-se, então, promover um acesso à informação e a educação jurídica da população em geral, com o fito de facilitar seu acesso a uma prestação jurisdicional justa.

Ademais, não se pode esquecer que tal entrave ainda é agravado por outras circunstâncias que dificultam ou, até mesmo, obstaculizam o acesso à justiça. Ora, o direito brasileiro encontra-se pautado em procedimentos complicadíssimos, consubstanciados em leis com linguagem excessivamente elaborada e técnicas dificultosas; assim, mesmo com a necessidade de um causídico para lhes assistir, muitas vezes, as partes ficam perdidas ao longo do processo, sem mencionar a quantidade de pessoas que sequer têm conhecimento de suas prerrogativas em virtude da barreira linguística.

Por outro lado, existe também o grande mal do formalismo exagerado, em que os operadores do direito se colocam em um pedestal, distanciando-se dos litigantes, em razão do uso de uma linguagem tecnicista e rebuscada – o chamado “juridiquês” –, além das formas de tratamento demasiadamente formais; além do mais há a questão dos ambientes judiciais que, em várias ocasiões, intimidam as pessoas. É inegável que tudo isso ainda permeia o cotidiano jurídico do nosso país e faz com que o litigante se sinta perdido, como “um prisioneiro num mundo estranho” (CAPPELLETTI; GARTH, 2002, p 24).

Outra barreira verificada pelos retromencionados doutrinadores é a diferença entre o que denominam “litigantes eventuais” e “litigantes habituais”. É que se percebe um verdadeiro fosso entre as partes que frequentam com habitualidade os bancos da Justiça e aquelas que nunca ou raramente adentram no sistema judicial. Esse maior contato com direito possibilita que o litigante habitual tenha mais vantagens no processo do que a parte eventual, já que aquela poderia planejar-se melhor, ter contato maior com as instâncias decisórias, diluir os riscos da demanda por um maior número de casos, testar estratégias e ter maior economia de escala, em virtude dos diversos processos judiciais em que participa.

Não obstante Cappelletti e Garth tenham identificados os referidos obstáculos ao acesso à justiça na década de 1970, ainda hoje se observa que eles fazem parte do cotidiano de diversos brasileiros.

Ilustrando em que pé estão os entraves à efetivação dos direitos em nosso vasto país, cumpre citar alguns dados de uma pesquisa em andamento da Fundação Getúlio Vargas (FGV), cujo objetivo é delimitar, sistematicamente, a confiança da população brasileira no Poder Judiciário, através do que se denominou Índice de Confiança na Justiça no Brasil (ICJBrasil). Os pesquisadores da FGV, coordenados pela Professora Luciana Gross Cunha, buscam coletar dados objetivos para medir o nível de confiança do brasileiro no Judiciário, verificando se esta é compreendida como uma instituição confiável, sob o ponto de vista da eficiência, imparcialidade e honestidade. E, partindo-se dessas informações, pretendem indicar a legitimidade do Judiciário e como esta afeta o desenvolvimento do país (FGV, 2011).

De acordo com o relatório do quarto trimestre de 2011, a partir dos dados colhidos por amostragem, através de entrevistas de 1.550 pessoas distribuídas por seis Estados e o Distrito Federal: São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Distrito Federal, verificou-se que o ICJBrasil para esse período é de 5,3 pontos (FGV, 2011).

A pesquisa sobre o ICJBrasil é realizada a partir de dois subíndices: (i) um subíndice de percepção, através do qual é calculada a opinião da população sobre a Justiça e a maneira como ela presta o serviço público, cujo valor medido nos últimos três meses de 2011 foi de 3,8 pontos; e (ii) um subíndice de comportamento, por meio do qual procura-se identificar a atitude da população, se ela recorre ao Judiciário para solucionar determinados conflitos ou não, cujo valor, para o mesmo período, ficou nos 5,3 pontos (FGV, 2011).

O mais interessante é notar a expressiva diferença, quanto ao comportamento dos brasileiros em relação ao Judiciário, no tocante à renda dos entrevistados. É que, segundo a pesquisa, os entrevistados que se enquadram na quarta maior faixa de renda (que recebem acima de 12 salários mínimos) são os que responderam estar mais dispostos a procurar o Judiciário para solucionar os seus conflitos – 8,7 pontos –, de modo diverso, os entrevistados com menor renda apresentaram subíndice de comportamento de apenas 8,3 pontos.

Conforme o estudo, as informações coletadas no quarto trimestre de 2011 seguem a tendência, já identificada nos trimestres anteriores, da falta de confiança do brasileiro no Judiciário como instância prestadora de serviços públicos. A pesquisa verificou que, para 89% dos entrevistados, o Judiciário é moroso, resolvendo os conflitos de forma vagarosa; para 88% dos entrevistados, os custos para acessar o Judiciário são elevados ou muito altos e, 70% dos entrevistados, acredita que o Judiciário é difícil ou muito difícil de utilizar. O mais estarrecedor é que, na declaração espontânea sobre o quanto os entrevistados confiam no Poder Judiciário, o percentual de confiança observado fora apenas de 39%.

Todos esses dados revelam que os entraves identificados por Cappelletti e Garth ainda fazem parte da realidade social brasileira, o que corrobora que o Estado não vem conseguindo atingir seu objetivo último de promover a maior efetividade possível dos direitos, através da compatibilização das condições das partes, para que, enfim, estas possam litigar de forma igualitária.

A partir da análise dessa conjuntura desfavorável para a maioria dos brasileiros, resta verificar como está sendo concretizado o acesso à prestação jurisdicional justa e adequada para aquelas pessoas que já sofrem diuturnamente com outras barreiras, de atitudes e discriminação, e que, nos mais das vezes, são marginalizadas do convívio social: as pessoas com deficiência.

4 – Direito de acesso à justiça e a pessoa com deficiência

4.1 Da previsão legal do acesso à justiça para as pessoas com deficiência

Como acima demonstrado, o acesso à justiça é um direito fundamental assegurado em nossa Constituição Federal. A essência da sua fundamentalidade resta evidente na sua condição de direito instrumental, na medida em que é a porta de entrada para o exercício pleno e efetivo das demais prerrogativas, inclusive dos direitos e garantias fundamentais.

Deste modo, revela-se a sua importância inestimável, pois se um indivíduo sequer tem acesso ao sistema judicial ou quando o tem, não tem uma prestação jurisdicional justa, adequada e efetiva, com respeito aos princípios processuais, como ele poderá fazer valer seus demais direitos? Por conseguinte, pode-se afirmar que de nada adianta a mera positivação de vasto rol de direitos, se estes não podem ser realizados.

No tocante às pessoas com deficiência, nos moldes já conceituados, os obstáculos e barreiras ao acesso à justiça são ainda maiores e mais complexos do que para as pessoas sem deficiência. O objeto do presente trabalho é exatamente revelar quais são esses entraves e demonstrar se há efetiva concretização dos direitos das pessoas com deficiência já positivados no ordenamento jurídico brasileiro.

Por falar em legislação, faz-se oportuno ressaltar que, nos últimos anos, o Brasil vem evoluído no que tange a regulamentação dos direitos das pessoas com deficiência; em que pese a falta de conscientização e educação inclusivista da maioria da população, pode-se afirmar que já se tem uma legislação satisfatória, acompanhando a tendência observada no Direito Internacional. Resta, agora, saber qual o real grau de efetividade dessas normas.

É importante elucidar, outrossim, a relevância que a positivação dos direitos das pessoas com deficiência desempenha, haja visto, que, do ponto de vista numérico, tais cidadãos representam um contingente de 45,6 milhões de brasileiros, ou seja, cerca de 24% da população, de acordo com o censo demográfico de 2010, promovido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Assim, é evidente que, a um grupo populacional que representa praticamente um quarto da população brasileira não pode ter negada a previsão legal e, por conseguinte, a concretização adequada e efetiva das suas prerrogativas.[1]

Nessa esteira, é importante destacar que o Brasil deu um passo fundamental rumo à efetivação dos direitos das pessoas com deficiência ao ratificar a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo de autoria da ONU e outorgar-lhes o caráter de emenda constitucional, vez que o Congresso Nacional, aprovou, por meio do Decreto Legislativo n. 186/2008, ambos os documentos conforme o procedimento previsto no § 3º do art. 5º da Constituição Federal. E, posteriormente, tal Convenção e respectivo Protocolo Facultativo foram promulgados pelo Decreto Presidencial n. 6.949/2009.

No que se refere especificamente ao acesso à justiça, a referida Convenção Internacional corroborou a importância do referido direito, tanto é que positiva a sua garantia em seu art. 13:

1.Os Estados Partes assegurarão o efetivo acesso das pessoas com deficiência à justiça, em igualdade de condições com as demais pessoas, inclusive mediante a provisão de adaptações processuais adequadas à idade, a fim de facilitar o efetivo papel das pessoas com deficiência como participantes diretos ou indiretos, inclusive como testemunhas, em todos os procedimentos jurídicos, tais como investigações e outra etapas preliminares. 2. A fim de assegurar às pessoas com deficiência o efetivo acesso à justiça, os Estados Partes promoverão a capacitação apropriada daqueles que trabalham na área de administração da justiça, inclusive a polícia e os funcionários do sistema penitenciário.

Faz-se mister destacar que o referido documento legal reforça a relevância do direito de acesso à justiça, que já era tratado como direito fundamental na Constituição da República de 1988. Neste diapasão, demonstra-se que tal prerrogativa não vinha sendo respeitada devidamente, pois, em pese sua previsão universal no texto constitucional, verifica-se que, em virtude dos obstáculos a serem delimitados a seguir, esse direito é desrespeitado cotidianamente.

Não se pode esquecer que a questão da garantia do acesso à justiça às pessoas com deficiência já havia sido abordada na Convenção Interamericana para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Pessoas Portadoras de Deficiência, da qual o Brasil é signatário – tendo sido incorporada no ordenamento pátrio através do Decreto n. 3.956/2001 –, que prevê a necessidade dos Estados Partes adotarem medidas, dentre elas o acesso à justiça, como forma de eliminar a discriminação das pessoas com deficiência e promover sua plena integração à sociedade, conforme se verifica no texto do seu artigo III:

Para alcançar os objetivos desta Convenção, os Estados Partes comprometem-se a: 1. Tomar as medidas de caráter legislativo, social, educacional, trabalhista, ou de qualquer outra natureza, que sejam necessárias para eliminar a discriminação contra as pessoas portadoras de deficiência e proporcionar a sua plena integração à sociedade, entre as quais as medidas abaixo enumeradas, que não devem ser consideradas exclusivas: a) medidas das autoridades governamentais e/ou entidades privadas para eliminar progressivamente a discriminação e promover a integração na prestação ou fornecimento de bens, serviços, instalações, programas e atividades, tais como o emprego, o transporte, as comunicações, a habitação, o lazer, a educação, o esporte, o acesso à justiça e aos serviços policiais e as atividades políticas e de administração; (grifo nosso).

Assim, observa-se uma constante preocupação do Direito Internacional com a questão da concretização dos direitos das pessoas com deficiência, movimento que vem sendo seguido pelo legislador brasileiro, ao incorporar as referidas normas, bem como através da atual atividade legiferante no sentido de regulamentar os direitos das pessoas com deficiência.

Não obstante haja esse cuidado em normatizar essas prerrogativas, surge a indagação se os direitos das pessoas com deficiência são realizados de forma adequada e eficaz, se a esses cidadãos vem sendo assegurada a necessária igualdade de condições no âmbito processual para que, realmente, seja garantida a efetividade dos seus direitos.

Neste sentido, serão elencadas, a seguir, algumas barreiras detectadas ao acesso à justiça para as pessoas com deficiência.

4.2- Obstáculos ao acesso à justiça para as pessoas com deficiência

Ao se debruçar sob a legislação brasileira, verificou-se que já há uma cobertura satisfatória aos direitos das pessoas com deficiência; no entanto, aliando essa pesquisa dos documentos legais à experiência como operadora do direito e acadêmica, está sendo observado que há ainda muito pouca efetividade das garantias das pessoas com deficiência, em especial no que se refere ao acesso à justiça.

Por essa razão, buscou-se delimitar alguns obstáculos identificados para a efetivação dos direitos das pessoas com deficiência, no âmbito do acesso à justiça. Lembrando que aqui se percebe o acesso à justiça não apenas na sua acepção formal de mero ingresso ao juízo, mas como uma forma de concretização do direito material, através de uma prestação jurisdicional justa, adequada e eficaz, com respeito ao devido processo legal e aos seus corolários, visando sempre o maior grau de compatibilização de oportunidade entre os litigantes.

O primeiro obstáculo detectado ao acesso à justiça para as pessoas com deficiência foi o ponto da relação imbricada entre pobreza e deficiência. Como já fora abordado em momento anterior, Cappelletti e Garth em sua obra “Acesso à Justiça”, já haviam identificado a diferença entre os recursos financeiros das partes como entreve ao acesso à justiça. No caso das pessoas com deficiência, essa questão é agravada, pois, muitas vezes, aliada às demais barreiras, a pobreza desempenha papel fundamental no impedimento à efetivação dos direitos das pessoas com deficiência.

É que, conforme dados colhidos no relatório do Banco Mundial “Disability and Poverty in Developing Countries: A Snapshot from the World Health Survey”[2], divulgado em 2011, acerca de pesquisa realizada em 15 países em desenvolvimento, dentre os quais o Brasil, sobre a relação entre deficiência e pobreza em tais países, constatou-se que deficiência e a fragilidade econômica estão ligadas numa relação dinâmica de causa e efeito, em que a deficiência pode ser causa para a pobreza, bem como a pobreza pode ensejar na deficiência.

O estudo pautou-se na verificação das cinco dimensões do bem estar econômico (educação, empregabilidade, condições de habitação, despesas domésticas e gastos com saúde), concluindo que em 14 dos países onde a pesquisa se realizou, as pessoas com deficiência têm condições de bem estar econômico piores em pelo menos duas de suas dimensões. Outrossim, fora obsevado que as pessoas com deficiência são mais prováveis de experimentar múltiplas privações do que as pessoas sem deficiência (Banco Mundial, 2011, p. 61 e 62).

No que se refere especificamente ao Brasil, a mencionada pesquisa detectou que, tomando-se como referência de pobreza o recebimento de até U$ 1,25 por dia, o quantitativo de pessoas com deficiência é significativa maior entre os pobres do que entre os não pobres, em níveis semelhantes aos da Malásia, Zâmbia e Filipinas[3] (Banco Mundial, 2011, p. 61 e 62).

Destarte, resta patente que a deficiência e a pobreza possuem uma ligação complexa e que deriva de múltiplas razões e a ausência de concretização de direitos básicos como saúde, educação e trabalho podem interferir diretamente nas condições econômico-financeira das pessoas com deficiência.

E, como consequência da propensa fragilidade financeira das pessoas com deficiência, estas estariam em desvantagem no âmbito processual, pelas razões já apresentadas em tópico anterior, já que não suportariam bem os custos do processo e da demora da prestação jurisdicional.

Outro fator que obstaculiza o acesso à justiça para as pessoas com deficiência é a ausência de acessibilidade. Em primeiro lugar, é importante ressaltar que a acessibilidade não diz respeito apenas ao meio físico, esta é apenas uma de suas vertentes e todas merecem tratamento igual.

O Decreto n. 5.296/2004, que regulamenta as Leis n. 10.048/2000 e 10.098/2000, em seu art. 8º, I, conceitua acessibilidade como:

I – acessibilidade: condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida.

Importante notar que a acessibilidade, em qualquer de suas acepções, é o fator que promove equiparação de condições para todas as pessoas, é o que possibilita a todos os cidadãos sua participação ativa na construção de uma vida em sociedade. Negar a acessibilidade é negar a inclusão social, é negar o exercício pleno da cidadania, é vilipendiar a dignidade humana.

Deste modo, mister se faz que seja garantida a acessibilidade das pessoas com deficiência, como forma de incluí-las socialmente. E, como não falar em acesso à justiça sem mencionar a necessária acessibilidade?

Ora, são vários os comandos normativos no ordenamento brasileiro que asseguram à acessibilidade para as pessoas com deficiência, entretanto, falta efetividade a tais documentos legislativos – não se pretende adentrar no mérito de ausência de coercitibilidade às garantias legislativas para as pessoas com deficiência, podendo ser esta uma pesquisa para outro momento –, porém, o presente artigo se propõe a identificar os entraves ao acesso à justiça e, infelizmente, a ausência de acessibilidade é um deles.

O Decreto n. 5.296/2004 determina, em seu art. 6º, que as pessoas com deficiência devem ter atendimento prioritário e estabelece certas medidas a serem adotadas tanto pela iniciativa privada quanto pelo Poder Público, o que inclui o Judiciário, tais como: a promoção de espaços e instalações acessíveis; mobiliário de atendimento adaptado à altura e condição física da pessoa em cadeira de roda; serviço de atendimento para pessoa com deficiência auditiva prestado em Libras; pessoal capacitado para prestar atendimento às pessoas com deficiência mental, visual e múltipla; sinalização ambiental; admissão e entrada de cão-guia, dentre outras.

No entanto, basta adentrar em qualquer recinto público para verificar que poucas ou nenhuma dessas exigências são cumpridas, conjuntura que não difere muito das condições presentes na maioria dos tribunais brasileiros.

A preocupação com a garantia da acessibilidade é tamanha que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) editou a Recomendação de n. 27 em 16 de dezembro de 2009, recomendando a todos os tribunais que:

(…) adotem medidas para a remoção de barreiras físicas, arquitetônicas, de comunicação e atitudinais de modo a promover o amplo e irrestrito acesso de pessoas com deficiência às suas dependências, aos serviços que prestam e às respectivas carreiras, para a conscientização de servidores e jurisdicionados sobre a importância da acessibilidade enquanto garantia ao pleno exercício de direitos, bem como para que instituam comissões de acessibilidade visando ao planejamento, elaboração e acompanhamento de projetos e metas direcionados à promoção da acessibilidade às pessoas com deficiência.

Dentre tais medidas, o CNJ determinou: a construção e reforma, nos moldes na NBR 9050 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), como forma de garantir a acessibilidade para as pessoas com deficiência, bem como a locação, aquisição e construções de imóveis devem respeitar a acessibilidade; permissão de entrada e permanência de cães-guias em todas as dependências dos prédios judiciais; habilitação de servidores para se comunicarem em Linguagem Brasileira de Sinais (Libras); nomeação de intérpretes para que se promova acessibilidade comunicacional; realização de cursos que promovam a conscientização de magistrados e servidores acerca dos direitos das pessoas com deficiência; reserva de vagas em concursos para ingresso no Poder Judiciário, inclusive, na Magistratura, dentre outros (BRASIL, 2009).

No entanto, não obstante o Decreto n. 5.296/204 e a Recomendação do CNJ, na prática, o que se observa é que os tribunais ainda não se compatibilizaram às exigências para que se garanta a acessibilidade para as pessoas com deficiência e, portanto, que se garanta o pleno e efetivo exercício dos seus direitos.

Como já afirmado em tópico anterior, Cappelletti e Garth compreendem acesso à justiça como o “requisito fundamental – o mais básico dos direitos humanos – de um sistema jurídico moderno e igualitário que pretenda garantir, e não apenas proclamar os direitos de todos” (1988, p. 12). Desta forma, defendem que, no processo, busque-se ao máximo a efetividade dos direitos em jogo, o que só pode ser alcançada através da maior equiparação possível de condições entre as partes.

Neste norte, é essencial que se promova a acessibilidade das pessoas com deficiência como forma de garantir-lhes uma compatibilização de oportunidades com os demais litigantes, de outro modo, não há como se garantir a igualdade de participação das partes do processo, o que, além de violar frontalmente o acesso à justiça, ainda desrespeita princípios basilares da moderna processualística.

Assim, para que se possa falar em acesso à justiça, deve-se promover a adaptação processual para facilitar e possibilitar a efetiva participação das pessoas com deficiência dos procedimentos jurídicos e pré-processuais e, com isso, possa-se viabilizar o equilíbrio entre os litigantes. Nesse sentido é que deve haver a criação de mecanismos processuais que permitam a superação da limitação física, mental, intelectual ou sensorial para que seja dada à parte que possui certa deficiência a oportunidade de litigar nos mesmos moldes que as demais.

Outro entrave à acessibilidade e, por conseguinte, ao acesso à justiça, é a falta de preparo dos servidores judiciais, dos magistrados e demais operadores do direito para atenderem às necessidades das pessoas com deficiência. Em primeiro lugar, verifica-se a ausência de treinamento técnico, como exemplo, pode-se citar que a maioria ou quase todas as pessoas que lidam com o processo não se comunicam em Libras, língua oficial brasileira, conforme prevê a Lei nº 10.436/2002.

Noutro aspecto, ainda mais relevante, falta conscientização dos operadores do direito e servidores quanto ao tratamento das pessoas com deficiência. Infelizmente, ainda são frequentes as barreiras atitudinais, pautadas nas atitudes discriminatórias, que as pessoas com deficiência sofrem todos os dias. No âmbito do Judiciário, essa triste realidade também é presente, devendo, portanto, haver plena capacitação dos operadores do direito e serventuários para que supram às necessidades operacionais e técnicas, promovendo o acesso à justiça e efetiva igualdade das pessoas com deficiência aos demais litigantes. E, além disso, deve haver também a educação inclusiva, no sentido de se respeitar as diversidades de características.

Lembrando sempre que a deficiência é mais um traço distintivo entre tantos outros, e que antes de tudo, a pessoa com deficiência é uma pessoa, com todas as suas limitações, crenças, concepções, anseios e medos, que a faz um ser único, como todos e cada um de nós. E é justamente nessa unicidade e diferença que se deve buscar no outro as características que nos complementem e nos tornem pessoas melhores.

5 – Conclusão

O presente estudo revelou que no Brasil já há uma legislação satisfatória no que se refere à proteção dos direitos das pessoas com deficiência, acompanhando a tendência mundial, encabeçada por ações bem sucedidas das organizações sociais, como a ONU e o Banco Mundial.

No entanto, em que pese a previsão legal de diversos direitos das pessoas com deficiência, o que se observa na prática é que os comandos legislativos não são realizados da forma devida, de maneira que as pessoas com deficiência experimentam, cotidianamente, violações a suas prerrogativas.

E qual o meio que essas pessoas têm para efetivar seus direitos? Através da propositura de demandas judiciais perante o Poder Judiciário. Entretanto, verificou-se, nessa pesquisa, que o direito fundamental de acesso à justiça, previsto na Constituição Federal de 1988 e corroborado pela Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, recentemente incorporada no ordenamento jurídico brasileiro como emenda constitucional, também não está sendo concretizado.

Foram identificados alguns obstáculos, que as pessoas com deficiência convivem, ao exercício pleno e efetivo do acesso à justiça e, por conseguinte, à concretização dos seus demais direitos.

O primeiro entrave que se delimitou fora o da diferença do arcabouço financeiro das pessoas com deficiência com relação aos demais litigantes, eis que se demonstrou, mediante dados de relatório do Banco Mundial, que, nos países em desenvolvimento, incluído o Brasil, a pobreza está diretamente ligada à deficiência, sendo esta ligação em um duplo sentido, já que uma pode ser causa da outra.

Outra barreira constatada fora a ausência de acessibilidade. Demonstrou-se que, apesar da legislação tratar das exigências para que se promova a acessibilidade e, por conseguinte, a inclusão das pessoas com deficiência – e, inclusive, já haver Recomendação do CNJ nesse sentido –, o Judiciário ainda não está bem aparelhado para atender às necessidades das pessoas com deficiência.

Como se não bastasse, falta ainda o preparo técnico e moral dos servidores e operadores do direito para lidarem com as referidas pessoas, porque falta conscientização acerca das prerrogativas das pessoas com deficiência, além de que ainda são frequentes as barreira atitudinais praticadas em face dos litigantes que tenham alguma limitação física, mental, intelectual ou sensorial.

Por fim, conclui-se que esses obstáculos inviabilizam a plena efetivação do acesso à justiça e, portanto, dos demais direitos. É que vem sendo negada a necessária equiparação de oportunidades para que as pessoas com deficiência possam litigar com igualdade de condições e, consequentemente, é prejudicada sobremaneira a prestação jurisdicional justa, eficaz e adequada, com o condão de dar real efetividade às prerrogativas das pessoas com deficiência.

6- Referências

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 05 out. 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ constitui%c3%a7ao.htm>. Acesso em 06 jun. 2012.
______. Decreto Legislativo nº 186, de 9 julho de 2008. Disponível em: < ; Acesso em: 20 jun. 2012
______. Decreto nº 6940, de 25 de agosto de 2009. Disponível em: < em: 20 jun. 2012
______. Decreto nº 3956, de 08 de outubro de 2001. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2001/d3956.htm> Acesso em: 20 jun. 2012
______. Decreto nº 5296, de 02 de dezembro de 2004. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm> Acesso em: 20 jun. 2012
______. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm> Acesso em: 20 jun. 2012
______. Conselho Nacional de Justiça. Recomendação n. 27. Disponível em: <http://www.cnj.jus.br/programas-de-a-a-z/saude-e-meio-ambiente/pj-gestao- socioambiental/322-sessao-de-julgamento/atos-administrativos-da-presidencia/recomendacoes-do-conselho/12111-recomendacao-no-27> Acesso em 19 jun. 2012
CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à justiça. Trad. Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 2002.
CINTRA, Antonio Carlos de Araújo; DINAMARCO, Cândido Rangel; GRINOVER, Ada Pellegrini. Teoria Geral do Processo. 26° ed. rev. e atual. São Paulo: Malheiros, 2010.
FERRAZ, Carolina Valença; LEITE George S.; LEITE, Glauber S.; LEITE, Glauco S. (coord.) Manual dos direitos da pessoa com deficiência. São Paulo: Saraiva, 2012.
FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Relatório ICJ: 4º Trimestre de 2011. CUNHA, Luciana Gross (coord.), São Paulo, FGV: 2011. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/9282/Relat%C3%B3rio%20ICJBrasil%204%C2%BA%20Trimestre%20-%202011.pdf?sequence=1> Acesso em: 19 jun. 2012
IBGE. Censo de 2010. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2011. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em 19 jun. 2012.
MARINONI, Luiz Guilherme. Teoria Geral do Processo. 2ª ed. rev. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.
MITRA, Sophie; POSARAC, Aleksandra; VICK, Brandon. Disability and Poverty in Developing Countries: a snapshot from the world health survey. Washington: World Bank Social Protection and Labor Unit, Human Development Network, 2011. Acesso em:<http://wwwwds.worldbank.org/external/default/WDSContentServer/WDSP/IB/2011/06/16/000386194_20110616042613/Rendered/PDF/625640NWP0110900PUBLIC00BOX361487B.pdf> Acesso em: 20 jun. 2012
RESENDE, Ana Paula Crosara e VITAL, Flavia Maria de Paiva (coord.). A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: versão comentada. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2008.
SASSAKI, Romeu Kazumi. Vida independente: história, movimento, liderança, conceito, filosofia e fundamentos. São Paulo: RNR, 2003

Nota de rodapé

[1] Lembrando que essa expressividade numérica reforça o argumento da urgência da questão da regulamentação dos direitos dessas pessoas, mas que sua necessidade advém, primeiramente, da condição humana. Desse modo, a autora pretende aclarar que a proteção de direitos independe de fatores estatísticos, mas deriva da dignidade inerente a toda e qualquer pessoa humana, seja qual for o quantitativo que um determinado grupo represente.
[2] Deficiência e pobreza nos Países em Desenvolvimento: uma fotografia da Pesquisa Mundial de Saúde (tradução nossa)
[3] “Disability prevalence is also estimated by poverty status, when poverty is measured using the PCE and international poverty lines, and when using a multidimensional poverty measure. When poverty status is measured using the PPP US$1.25 a day international poverty line, disability prevalence is significantly higher among the poor than the nonpoor in four countries: Malawi, Zambia, the Philippines, and Brazil.”
A prevalência de deficiência também é estimada pelo estado de pobreza, quando a pobreza é medida usando o PCE e linhas de pobreza internacionais e quando se usa uma medida de pobreza multidimensional. Quando o estado de pobreza é medida através da linha de pobreza internacional que toma como referência o recebimento de até PPP U$ 1,25 dólar por dia, a prevalência de deficiência é significativamente maior entre os pobres do que os não pobres em quatro países: Malásia, Zâmbia, Filipinas e Brasil. (tradução nossa)

Published by

Direito ao trabalho das pessoas com deficiência: o benefício da prestação continuada/loas e a inclusão social

Resumo

O presente artigo tem o objetivo de considerar as alterações introduzidas pela Lei n° 12.470/2011 à Lei de Organização da Assistência Social (Lei n° 8.742/1993), analisar as novas exceções à concessão do Benefício de Prestação Continuada para novos beneficiários com deficiência e como eles passam a ser alcançados favoravelmente com esses dispositivos, em especial no tocante à nova possibilidade de acumulação do benefício com a remuneração enquanto trabalhador aprendiz sem que isso importe em prejuízo na concessão ou na manutenção do BPC; objetiva também analisar a nova possibilidade de suspensão do BPC para que o beneficiário com deficiência possa trabalhar e sentir-se seguro para, se desejar, deixar o emprego ou, ainda, sendo o caso de demissão indesejada, possa ele reativar o seu benefício sem maiores dificuldades, voltando ao regime do BPC. Por último, analisar-se-ão alguns pontos que permitem considerar como muito positivo o novo parâmetro normativo assim para a economia e para o desenvolvimento do país, haja vista o estímulo que representa à consecução do trabalho formal.
Palavras chave:  lei n° 12.470/2011. Benefício de prestação continuada. BPC. Beneficiário com deficiência. Loas. Pessoa com deficiência.

Abstract

This work examines the changes introduced by Law n. 12.470/2011 the Law on Organization of Welfare (Law n. 8.742/1993), and analyzes the new exceptions to the grant of the Continuous Cash Benefit for beneficiaries with disabilities and how they become benefit from all these changes, in particular for the new possibility of overlapping of benefits and compensation as a apprentice worker, without which the provision or maintenance of the BPC would be lost. It highlights the new possibility of suspension of the BPC for the beneficiary with disability who  now can work and feel safe, if he or she wants to leave the job, or in the event of an unwanted firing to reclaim his or her benefit to return to the regime of BPC. Finally it looks in to some positive aspects of the new law for the economy and development of the country with these new incentives to formal work.
Keywords: law 12.470/2011. Loas. BPC.  Welfare.  Beneficiary with a disability. People with disabilities.

1 Introdução

Antes mesmo do advento da Lei n° 12.470/2011, muito já se discutia acerca dos direitos do beneficiário do Benefício de Prestação Continuada (BPC), previsto na Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS, Lei n° 8.742/1993), em especial dos direitos das pessoas com algum tipo de deficiência ao exercício do trabalho.

Um dos grandes problemas enfrentados consistia, justamente, no receio de que beneficiários com deficiência viessem a perder o direito à fruição do BPC em razão da sua inclusão no mercado formal de trabalho, mediante a conquista de algum posto laboral regular para, posteriormente, virem a ser dispensados e perderem, em consequência, aquele outro benefício previdenciário, ora em alusão. Comumente, a fruição do BPC era cancelado em razão do emprego do qual, depois terá sido dispensado. Dado isso, o trabalhador com deficiência, não só terá passado a ser abstratamente considerado como plenamente apto ao exercício laboral pleno, assim como, de resto, tinha de enfrentar barreiras burocráticas e atitudinais tremendas até reencontrar o seu anterior benefício assistencial pela razão mesma de sua condição pessoal.

Outro problema que muito se discutia, em particular para o caso dos beneficiários com deficiência, dizia respeito à impossibilidade legal de dispor de outras rendas formais que lhes permitissem incrementar a renda familiar e, pois, a qualidade de suas vidas.

A Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS – Lei n° 8.742/1993), ao estabelecer os requisitos para a concessão do BPC, em verdade, criava critérios que acabavam por estimular o desemprego e/ou o emprego informal bem assim uma indesejável dependência econômica do beneficiário do BPC, pois não se permitia na prática, ao trabalhador com deficiência, trabalhar formalmente, sob risco de perder o referido benefício. Assim, ou continuava assistido (BCP) ou era empregado formal, donde as hipóteses não encontravam sistematização legal inclusiva.

Embora com tardinheira manifestação do legislador, essa dinâmica excludente acabou felizmente alterada em face do advento da Lei n° 12.470/2011, a qual, dentre outras inovações, alterou os artigos 20 e 21 da LOAS e, ainda mais, acrescentou o art. 21-A à referida legislação, permitindo que o BPC fosse apenas suspenso (e não cancelado), enquanto o beneficiário deficiente estivesse assistido por um contrato formal de trabalho válido; ou a cumulação do BPC com a bolsa de auxílio para os trabalhadores aprendizes sem que esta fosse computada para fins de comprovação da impossibilidade de prover à própria manutenção, permitindo a rejeição ao pedido do BPC ou a sua manutenção.

Referida legislação, além do mais, cria a figura do microempreendedor individual e estabelece para este e também para o segurado facultativo sem renda própria que se dedica exclusivamente ao trabalho doméstico no âmbito de sua residência, desde que pertença a uma família de baixa renda, uma alíquota de contribuição previdenciária reduzida. Assim, para essas duas figuras, o legislador reduziu a alíquota de contribuição a fim de permitir o acesso à Previdência Social e estimular a contribuição social. Outra inovação consiste na inclusão de filho e/ou irmão que tenha deficiência intelectual como dependente no sistema previdenciário.

Muito embora existam tantas outras inovações trazidas pela Lei n° 12.470/2011, neste ensaio serão abordadas apenas aquelas referentes à Lei n° 8.742/2011 e aos seus efeitos no plano do Benefício de Prestação Continuada (BPC). Assim sendo, o presente estudo tem em meta os direitos do indivíduo com deficiência ao trabalho, nos termos e para os fins da Lei n° 12.470/2011, como meio de garantia ao beneficiário do BPC ao universo de trabalhadores com algum tipo de deficiência, enfatizando-se, desse modo, o caráter nitidamente inclusivista da novel legislação em comentário.

Antes do advento da referida Lei, tudo o quanto se sabia sobre o assunto era que, para se requerer ou se manter a condição de beneficiário do BPC, o usuário deveria, no caso em estudo, ser pessoa com deficiência (vale dizer, há a possibilidade de também ser idoso maior de 65 anos também, mas este não é o foco deste trabalho), ser incapaz ao trabalho e possuir renda familiar per capita inferior a 1/4 de salário mínimo; demais, caso o beneficiário aumentasse a sua renda por meio de trabalho formal teria o seu benefício inapelavelmente cancelado, e teria, quanto ao mais, que requerer um novo benefício, após superados os impedimentos legais.

Como já dito, tal dinâmica foi alterada pela Lei n° 12.470/2011. Atualmente existe a figura da suspensão do benefício previdenciário, hipótese que permite sua reativação, enquanto facilita o processo para voltar a receber o BPC de parte da Previdência Social. Há que ser considerada também uma nova exceção à regra do § 3º, do art. 20, da LOAS, permitindo-se que determinadas remunerações não sejam computadas para fins da limitação do valor relativo ao 1/4 de salário mínimo como requisito para a concessão ou para a manutenção do BCP.

Nessa perspectiva, há de se indagar: o que realmente mudou na Lei n° 8.742/1993, após sua alteração pela Lei n° 12.470/2011? E, desdobrando: em que tais mudanças melhoram ou pioram a situação dos beneficiários qualificados como pessoas com deficiência? Essas e tantas outras inquietações estão sendo aqui cogitadas para fins de uma reflexão que se considera importante para o advento de novos padrões sociais que confiram a todos, indistintamente e mediante regime de compensações legítimas, o respeito pleno à dignidade individual. Deseja-se, igualmente, estimular a discussão em torno dos temas inclusivistas sem cuja massificação já não se compreenderá o advento de um tempo de mais felicidade e menos sofrimento para todos, sem embargo das imposições constitucionais e principiológicas que se elevam à sociedade moderna.

2. OS ANTIGOS REQUISITOS DO BPC E SUAS CONSEQUÊNCIAS

2.1 Algumas palavras

A Lei n° 8.742/1993 é a chamada Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS). Trata-se de legislação que disciplina a implantação e a regulamentação do chamado Benefício de Prestação Continuada (BPC), dentre outros benefícios aqui não cogitados, conforme se verifica do seu art. 20, e seguintes. Antes da entrada em vigor da Lei n° 12.470/2011, a LOAS tinha a seguinte redação:

Art. 20. O benefício de prestação continuada é a garantia de um salário-mínimo mensal à pessoa com deficiência e ao idoso com 65 (sessenta e cinco) anos ou mais que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção nem de tê-la provida por sua família.

  • Para os efeitos do disposto no caput, a família é composta pelo requerente, o cônjuge ou companheiro, os pais e, na ausência de um deles, a madrasta ou o padrasto, os irmãos solteiros, os filhos e enteados solteiros e os menores tutelados, desde que vivam sob o mesmo teto.
  • Para efeito de concessão deste benefício, considera-se:

I – pessoa com deficiência: aquela que tem impedimentos de longo prazo de natureza física, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade com as demais pessoas;

II – impedimentos de longo prazo: aqueles que incapacitam a pessoa com deficiência para a vida independente e para o trabalho pelo prazo mínimo de 2 (dois) anos.

  • Considera-se incapaz de prover a manutenção da pessoa com deficiência ou idosa a família cuja renda mensal per capita seja inferior a 1/4 (um quarto) do salário-mínimo.
  • O benefício de que trata este artigo não pode ser acumulado pelo beneficiário com qualquer outro no âmbito da seguridade social ou de outro regime, salvo os da assistência médica e da pensão especial de natureza indenizatória.
  • A condição de acolhimento em instituições de longa permanência não prejudica o direito do idoso ou da pessoa com deficiência ao benefício de prestação continuada.
  • A concessão do benefício ficará sujeita à avaliação da deficiência e do grau de incapacidade, composta por avaliação médica e avaliação social realizadas por médicos peritos e por assistentes sociais do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).
  • Na hipótese de não existirem serviços no município de residência do beneficiário, fica assegurado, na forma prevista em regulamento, o seu encaminhamento ao município mais próximo que contar com tal estrutura.
  • A renda familiar mensal a que se refere o § 3º deverá ser declarada pelo requerente ou seu representante legal, sujeitando-se aos demais procedimentos previstos no regulamento para o deferimento do pedido.

Art. 21. O benefício de prestação continuada deve ser revisto a cada 2 (dois) anos para avaliação da continuidade das condições que lhe deram origem.

  • O pagamento do benefício cessa no momento em que forem superadas as condições referidas no caput, ou em caso de morte do beneficiário.
  • O benefício será CANCELADO quando se constatar irregularidade na sua concessão ou utilização.
  • O desenvolvimento das capacidades cognitivas, motoras ou educacionais e a realização de atividades não remuneradas de habilitação e reabilitação, entre outras, não constituem motivo de suspensão ou cessação do benefício da pessoa com deficiência.
  • A cessação do benefício de prestação continuada concedido à pessoa com deficiência, inclusive em razão do seu ingresso no mercado de trabalho, não impede nova concessão do benefício, desde que atendidos os requisitos definidos em regulamento.

(Sem grifos ou destaques no texto original).

Notadamente, verifica-se na antiga redação do referido dispositivo legal a existência dos seguintes requisitos para a concessão do BPC: ser pessoa com deficiência; não ter condições de se sustentar nem de ser sustentado pela família; e, ainda, ser incapaz para o trabalho (apresentar impedimento objetivo para o trabalho) por período não inferior a 02 (dois) anos. Vale dizer: a questão da possibilidade financeira para se sustentar ou ser sustentado pela família deve, necessariamente, ser declarada, conforme dispõe o § 8º, do art. 20, da LOAS.

Desse modo, conduz-se aí a um estado de insegurança para os beneficiários, os quais ficavam cientes de que sua condição era temporária e não definitiva, consoante acontece com os aposentados em geral; dessa forma, caso fossem superados quaisquer dos requisitos legais para a obtenção do BPC, esse benefício poderia ser cancelado, não mais podendo ser reativado; muito embora se permitisse, após um período de tramitação e uma vez superado o fator impeditivo bem assim novamente preenchidos os requisitos legais, a obtenção de um novo benefício.

Tudo isso causava um grande medo ao trabalho formal, não apenas por parte do beneficiário, mas também de seus familiares, uma vez que se a família superasse uma renda de até 1/4 do salário mínimo como renda per capita, o BPC também seria cancelado; o dado trás, ainda, outras repercussões, as quais serão objeto das anotações constantes dos itens seguintes deste artigo.

Havia, notadamente, um profundo desrespeito ao Princípio da Dignidade da Pessoa Humana, dado que o cancelamento do BPC, muitas vezes, poderia representar até mesmo a pura e simples impossibilidade de garantir a subsistência pessoal e/ou da família do beneficiário, conspurcando-se toda a principiologia previdenciária a cujo respeito a Constituição Federal faz remissão expressa.

Sob uma tal perspectiva, o panorama se apresentava como uma forte dependência financeira, em especial para aquelas famílias que se sustentavam com apenas o BPC. Observe-se que essa forma de administração previdenciária inculcava o medo quanto ao cancelamento do benefício e os dramas que desse sentimento provinha. Na verdade a disciplina não estimulava o progresso financeiro do grupo familiar, mas, pelo contrário, estimulava, isto sim, a sua dependência ao regime assistencialista então em vigor, concebido para ser transitório e não permanente.

2.2. Da lesão aos fundamentos da República Federativa do Brasil

A antiga redação da Lei de Assistência Social, em verdade, estimulava as pessoas com deficiência a permanecerem na condição de incapazes para o trabalho, o que causava um grande medo frente ao risco de perder, ainda que temporariamente o direito ao BPC e, por consequência, de por em xeque a sua própria subsistência e/ou de sua família; ao menos até conseguir um novo benefício. Tudo isso contraria o disposto no texto constitucional, em especial o constante no art.1º, incisos III e IV.

TÍTULO I
Dos Princípios Fundamentais
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:
I – a soberania;
II – a cidadania
III – a dignidade da pessoa humana;
IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
V – o pluralismo político.
Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.
(Grifamos)

Mas, em que consiste a dignidade da pessoa humana e os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa? Conforme Alexandre de Moraes (2003, p.50), in verbis:

DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA: concede unidade aos direitos e garantias fundamentais, sendo inerente às personalidades humanas. Esse fundamento afasta a idéia de predomínio das concepções transpessoalistas de Estado e Nação, em detrimento da liberdade individual. A dignidade é um valor espiritual e moral inerente à pessoa, que se manifesta singularmente na autodeterminação consciente e responsável da própria vida e que traz consigo a pretensão ao respeito por parte das demais pessoas, constituindo-se um mínimo invulnerável que todo estatuto jurídico deve assegurar, de modo que, somente excepcionalmente, possam ser feitas limitações ao exercício dos direitos fundamentais, mas sempre sem menosprezar a necessária estima que merecem todas as pessoas enquanto seres humanos;

VALORES SOCIAIS DO TRABALHO E DA LIVRE INICIATIVA: é através do trabalho que o homem garante sua subsistência e o crescimento do país, prevendo a Constituição, em diversas passagens, a liberdade, o respeito e a dignidade ao trabalhador (por exemplo: CF, arts. 5.°, XIII; 6.°; 7.°; 8.°; 194-204). Como salienta Paolo Barile, a garantia de proteção ao trabalho não engloba somente o trabalhador subordinado, mas também aquele autônomo e o empregador, enquanto empreendedor do crescimento do país;

Para José Francisco Cunha Ferraz Filho (in COSTA MACHADO, 2011, p.5), in verbis:

A dignidade da pessoa humana
A dignidade da pessoa humana é o valor-fonte de todos os direitos fundamentais. Esse valor, que se apresenta como fundamento e fim último de toda ordem política, busca reconhecer não apenas que a pessoa é sujeito de direitos e créditos diante dessa ordem, mas que é um ser individual e social ao mesmo tempo. […] No espaço Público, a pessoa é um ser social, ou, como preferiu Aristóteles, o homem é um ser político, pois vive e morre na polis – comunidade política. Conforme o magistério de Julien Freund, a pessoa humana possui seis dimensões […] Ao mesmo tempo em que são autônomas, as dimensões são interpretativas […] Sucede que o ser humano contempla e se plenifica com a presença de todas as dimensões em um contexto harmônico, interdisciplinar e interativo […] A dignidade humana constitui, por assim dizer, um valor único e individual, que não pode, seja qual for o pretexto, ser sacrificado por interesses coletivos.

Os valores sociais do trabalho
O constituinte, sem dúvidas, buscou o equilíbrio entre trabalhadores e empresários. Os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa estão no rol dos fundamentos do Estado brasileiro. Os valores relativos ao trabalho e à livre iniciativa – relação empregador-empregado – devem estar em harmonia, para que possibilitem uma saudável e estável economia de mercado […].

(Destacamos e Grifamos)

Para Ingo Wolfgang Sarlet (2007, p.62):

[…] temos por dignidade da pessoa humana a qualidade intrínseca e distintiva reconhecida em cada ser humano que o faz merecedor do mesmo respeito e consideração por parte do Estado e da comunidade, implicando, nesse sentido, um complexo de direitos e deveres fundamentais que assegurem a pessoa tanto contra todo e qualquer ato de cunho degradante e desumano, como venha a lhe garantir as condições existenciais mínimas para uma vida saudável, além de propiciar e promover sua participação ativa e co-responsável nos destinos da própria existência e da vida em comunhão com os demais seres.

Em particular, quando um trabalhador, beneficiário do BPC, deixa de trabalhar e se submete a assumir a condição de incapaz ao trabalho apenas para manter os requisitos de concessão do referido benefício, o faz em razão de uma situação que se pode tomar como invencível na qual há grave lesão ao Princípio da Dignidade da Pessoa Humana, uma vez que se está, de forma indireta, estimulando o beneficiário a se manter numa condição de incapaz e de dependente ou do BPC ou de seus familiares; nada obstante, o trabalho e a livre iniciativa estão sendo desestimulados, enquanto submetido o trabalhador com deficiência a um certo tipo de tratamento discriminatório que o toma como cidadão de segunda classe, incapaz de adaptar-se às exigências da vida. Situação em tudo paradoxal e também injusta!

Desta forma, verifica-se que o antigo sistema da Lei n° 8.742/1993 (LOAS) desrespeitava os fundamentos da Constituição Federal (CF, art. 1º), em especial os incisos III e IV (Dignidade da Pessoa Humana e Valores Sociais do Trabalho e da Livre Iniciativa).

Veja-se que comumente se ouvia um ou outro beneficiário reclamar que jamais iria trabalhar com carteira assinada e isso, simplesmente, por receio de perder o BPC ou de ser vítima de preconceitos ainda arraigados na sociedade e nos seus mercados. Ouvia-se, ainda, os beneficiários reclamando e dizendo que se ao menos fosse mais fácil reestabelecer o BPC, eles poderiam tentar entrar no mercado de trabalho para sentirem orgulho do próprio sustento, amealhado pelos seus próprios esforços e mérito, disso tudo decorrendo uma justa aposentação esperada.

No entanto, em face da complexidade do sistema de tramitação dos direitos previdenciários em alusão e a demora na sua resposta, preferiam não arriscar. E isso é perfeitamente compreensível, diante daquela sistemática.

Um tal tipo de depoimento não costuma ser raro, e gera inquietações e insatisfações frente à situação então vigente, uma vez que o direito ao trabalho a sustentar a própria família do beneficiário e a si próprio não era, pois, estimulado pelo antigo ordenamento previdenciário.

Destaca-se que todos esses direitos, os quais são constitucionalmente garantidos, em especial, o direito ao trabalho e ao salário, servem para promover o Princípio da Dignidade da Pessoa Humana, vez que, conforme a Carta Constitucional, todas necessidades do trabalhador devem ser atendidas, mediante o salário mínimo, enquanto os direitos associados decorrem do supracitado princípio. A fim de melhor esclarecer sobre quais direitos se está tratando amiúde, transcreve-se aqui parte do texto constitucional:

Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:
[…]
IV – salário mínimo,  fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim […]
(Destacamos).

Posto isto, verifica-se que a antiga redação da Lei Orgânica da Assistência Social ao não estimular o trabalho, também deixava de promover o Princípio da Dignidade da Pessoa Humana e tantos outros direitos e garantias fundamentais que lhes fossem decorrentes, uma vez que em seus requisitos exigia-se a incapacidade para o trabalho e a renda familiar per capita não superior a 1/4 de salário mínimo, e em caso de descumprimento de qualquer dos requisitos o benefício era cancelado, e não simplesmente suspenso

2.3 Do estímulo ao medo do trabalho formal

Com a antiga redação da Lei de Organização da Assistência Social, muitos dos indivíduos com deficiência, quando contemplados pelo Benefício de Prestação Continuada (BPC), passavam a ter verdadeiro receio de trabalhar no setor formal e de perder, por consequência, o seu benefício, visto que poderia ser demitido e desse modo ficaria sem qualquer renda até que fosse restabelecido o seu BPC, se o caso, podendo demorar enormemente, a depender da agência do INSS que fosse responsável destacada para a realização de uma nova perícia médica, podendo restar comprometido, pela mora administrativa, o sustento do beneficiário e de seus familiares.

Sob essa óptica, os beneficiários deficientes, quando contemplados pelo BPC, via de regra, deixavam de procurar ocupações laborativas no mercado formal para esconder-se ao cutelo da burocracia excludente. Isso naturalmente causava um sério prejuízo para todas as partes envolvidas, senão veja-se: (1) o trabalhador poderia deixar de receber suas verbas trabalhistas corretamente, ou porque deixava de “arriscar” um emprego em que ganhasse pouco mais de 01 (um) salário mínimo por receio de uma possível demissão; além de deixar de contribuir para a previdência social e possibilitar uma verdadeira aposentadoria, a seu modo e tempo, até com um valor maior do que o ofertado pelo BPC; e, ainda, deixava de produzir, o que poderia, a depender do caso, criar um sentimento de conformação com o seu estado pessoal e a sua “descrita incapacidade”; (2) o empregador poderia ter um ganho imediato, mas correria riscos com uma posterior reclamação trabalhista; ou de uma fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego; ou, ainda, o risco de ser processado por apropriação indébita de créditos previdenciários, dentre outros; e (3) para o país, implicar-se-ia, além da perda um posto formal de serviços, assumiria um prejuízo imediato para junto à Previdência Social, pois continuaria pagando a uma pessoa que, não obstante, detém aptidão para o trabalho e se passa ao cativeiro de ir-se trabalhando setores informais do mercado estabelecido.

A forma como era administrado o BPC não permitia aos seus beneficiários “se arriscarem” no trabalho formal, pois isso importaria em causar-lhes o cancelamento em definitivo do benefício respectivo e, caso ainda o trabalho não tivesse a continuidade esperada e ocorresse uma rescisão contratual, o beneficiário deficiente, e seus familiares, ficariam sem qualquer assistência até que fosse implantado um novo BPC pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), o que, como dito, poderia demorar dias, semanas e até meses (a depender da Agência responsável), o suficiente para comprometer a subsistência da família.

Essa dinâmica contraria a Constituição Federal, em especial o inciso IV, do art. 1º, o qual preceitua os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa como fundamentos da República Federativa do Brasil. Sobre o referido fundamento e a sua inafastável importância: Celso Ribeiro Bastos e Ives Gandra Martins (1988, p.425/426):

De fato, o trabalho é que confere ao homem uma das suas qualificações mais marcantes. É muito frequente mesmo identificar-se certas pessoas pelo trabalho que exercitem. Pelo trabalho o homem realiza a sua própria existência. Transforma o mundo, impregna-o da sua imagem. Embora visto biblicamente como uma maldição (“ganharás o pão com o suor de teu rosto”), nada obstante derivar de sua condição de ser decaído (no Éden não havia trabalho), ainda assim é pelo esforço que cada uma faz para subsistir, assegurando o necessário para si e àqueles que dele dependem, que o homem pode transcender a sua condição, praticando coisas assemelhadas às divinas. Pelo trabalho criativo o homem se supera e aproxima-se de Deus. Mas, obviamente, o trabalho que redime não é o escravo, mas o livre. Não é o trabalho imposto de fora, mas o trabalho livremente escolhido. Para que o homem projete sua personalidade no trabalho ele há de ser livre, é dizer: é necessário que o Estado assegure a opção individual de cada um.

Assim, os antigos requisitos da LOAS, ao desestimular o crescimento econômico e social das famílias e exigir a impossibilidade de suprir a sua própria subsistência aliada a regra da incapacidade ao trabalho, em verdade, estava desrespeitando, entre outros, um dos fundamentos da Constituição Federal: os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa.

2.4 Do estímulo à dependência financeira causada por um regime assistencialista

O antigo regime da Lei de Assistência Social, em verdade, por criar tantas dificuldades para estabelecer e reestabelecer o BPC e por exigir que a renda familiar mensal seja inferior a 1/4 do salário mínimo, acabava por estimular o receio à perda do referido benefício e, por consequência, um paradoxo que é ser causa para mais um tipo de dependência econômico-financeira ao BPC de parte do cidadão com deficiência, porque negligenciado, porque submetido ao tal regimento; servia de estímulo, portanto indireto, para que a família não aumentasse sua renda familiar formal a fim de não perder o direito ao BPC; e servia também de estímulo à manutenção da incapacidade laborativa não apenas do beneficiário tido como “deficiente”, mas também de seus familiares, uma vez que somente valeria a pena outro salário se não se colocasse em risco o mencionado benefício.

Nessa perspectiva, verifica-se que, de forma indireta e, provavelmente, não intencional, o legislador estava criando um regime eminentemente assistencialista, o qual não se preocupava em estimular o trabalho formal do beneficiário com deficiência, tão pouco de estimular o trabalho formal da sua família, já que o Benefício de Prestação Continuada poderia ser cancelado (ao invés de suspenso), e isto poderia, por suposto, colocar em risco a posterior subsistência do grupo familiar.

Assim, apesar da nobreza de origem, essa dinâmica causava uma dependência econômico-financeira aos familiares que, como dito, não poderiam aumentar a renda formal sob risco de causar o cancelamento do BPC. A dizer: ao invés de realmente ajudar, o BPC acabava por criar uma dependência econômico-financeira a todo o grupo familiar, deixando esse grupo em uma situação de estagnação financeira. Em outras palavras, a política anterior do BPC era eminentemente assistencialista e causava a dependência econômica dos interessados, prejudicando, ademais, o desenvolvimento dos grupos familiares favorecidos por esse regime.

3. Da Nova Dinâmica da Loas a partir da lei 12.470/2011

3.1 Das alterações e inovações trazidas

Com a promulgação da Lei n° 12.470/2011 a dinâmica e a forma de administração dos Benefícios de Prestação Continuada (BCP) foi alterada para, a partir de agora, as regras para os beneficiários deficientes passam a admitir algumas peculiaridades muito importantes, em função de cuja transformação institucional passa-se a analisar os artigos 20 e 21 da LOAS, os quais foram alterados:

Art. 20. O benefício de prestação continuada é a garantia de um salário-mínimo mensal à pessoa com deficiência e ao idoso com 65 (sessenta e cinco) anos ou mais que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção nem de tê-la provida por sua família.

  • Para os efeitos do disposto no caput, a família é composta pelo requerente, o cônjuge ou companheiro, os pais e, na ausência de um deles, a madrasta ou o padrasto, os irmãos solteiros, os filhos e enteados solteiros e os menores tutelados, desde que vivam sob o mesmo teto.
  • Para efeito de concessão deste benefício, considera-se pessoa com deficiência aquela que tem impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas.
  • Considera-se incapaz de prover a manutenção da pessoa com deficiência ou idosa a família cuja renda mensal per capita seja inferior a 1/4 (um quarto) do salário-mínimo.
  • O benefício de que trata este artigo não pode ser acumulado pelo beneficiário com qualquer outro no âmbito da seguridade social ou de outro regime, salvo os da assistência médica e da pensão especial de natureza indenizatória.
  • A condição de acolhimento em instituições de longa permanência não prejudica o direito do idoso ou da pessoa com deficiência ao benefício de prestação continuada.
  • A concessão do benefício ficará sujeita à avaliação da deficiência e do grau de impedimento de que trata o § 2°, composta por avaliação médica e avaliação social realizadas por médicos peritos e por assistentes sociais do Instituto Nacional de Seguro Social – INSS.
  • Na hipótese de não existirem serviços no município de residência do beneficiário, fica assegurado, na forma prevista em regulamento, o seu encaminhamento ao município mais próximo que contar com tal estrutura.
  • A renda familiar mensal a que se refere o § 3º deverá ser declarada pelo requerente ou seu representante legal, sujeitando-se aos demais procedimentos previstos no regulamento para o deferimento do pedido.
  • A remuneração da pessoa com deficiência na condição de aprendiz não será considerada para fins do cálculo a que se refere o § 3º deste artigo.
  • 10. Considera-se impedimento de longo prazo, para os fins do § 2º deste artigo, aquele que produza efeitos pelo prazo mínimo de 2 (dois) anos.

Art. 21. O benefício de prestação continuada deve ser revisto a cada 2 (dois) anos para avaliação da continuidade das condições que lhe deram origem.

O pagamento do benefício cessa no momento em que forem superadas as condições referidas no caput, ou em caso de morte do beneficiário.

O benefício será cancelado quando se constatar irregularidade na sua concessão ou utilização.

O desenvolvimento das capacidades cognitivas, motoras ou educacionais e a realização de atividades não remuneradas de habilitação e reabilitação, entre outras, não constituem motivo de suspensão ou cessação do benefício da pessoa com deficiência.

A cessação do benefício de prestação continuada concedido à pessoa com deficiência não impede nova concessão do benefício, desde que atendidos os requisitos definidos em regulamento.

Art. 21-A. O benefício de prestação continuada será SUSPENSO pelo órgão concedente quando a pessoa com deficiência exercer atividade remunerada, inclusive na condição de microempreendedor individual.

Extinta a relação trabalhista ou a atividade empreendedora de que trata o caput deste artigo e, quando for o caso, encerrado o prazo de pagamento do seguro-desemprego e não tendo o beneficiário adquirido direito a qualquer benefício previdenciário, poderá ser requerida a continuidade do pagamento do benefício suspenso, sem necessidade de realização de perícia médica ou reavaliação da deficiência e do grau de incapacidade para esse fim, respeitado o período de revisão previsto no caput do art. 21.

A contratação de pessoa com deficiência como aprendiz não acarreta a suspensão do benefício de prestação continuada, limitado a 2 (dois) anos o recebimento concomitante da remuneração e do benefício.

(Sem grifos ou destaques no texto original)

Diante de tais perspectivas, pode-se afirmar que o presente trabalho visa analisar duas grandes inovações conferidas, pela Lei n° 12.470/2011, à LOAS, a saber: (1) a situação excepcional da pessoa com deficiência que esteja na situação de aprendiz, o qual não terá a sua remuneração computada para os fins do § 3º, do art. 20, da Lei n° 8.742/1993 (LOAS); e (2) a possibilidade de suspensão ao invés de cancelamento do benefício quando o beneficiário com deficiência exercer atividade remunerada, inclusive na condição de microempreendedor individual.

Passa-se, então, nos tópicos que seguem, a discutir as referidas alterações e inclusões trazidas pela Lei n° 12.470/2011 à Lei n° 8.742/1993 (LOAS).

3.2 Da nova exceção aos requisitos do BPC: a possibilidade de acumular o benefício com o salário de aprendiz

Antes da alteração realizada pela Lei n° 12.470/2011, a LOAS não fazia qualquer tipo de previsão legal no sentido de conceder qualquer exceção à regra dos requisitos para a concessão do BPC, assim, ou o requerente/beneficiário preenchia os requisitos legais para obter e/ou manter o BPC, ou não seria contemplado (ou teria o seu BPC cancelado). Dessa forma, ou a pessoa era considerada deficiente, ou idoso maior de 65 anos; tinha que ter a incapacidade (genérica) para o trabalho e declarar a sua incapacidade financeira de se manter ou de ser mantido por seus familiares; devendo, ainda, comprovar que ele próprio ou a sua família possui renda per capta inferior a 1/4 de salário mínimo; do contrário, não seria contemplado ou mantido no BPC. Inegavelmente, não havia meio termo.

Com a Lei n° 12.470/2011 houve importante alteração da LOAS (Lei Federal n° 8.742/1993), passando-se a admitir que o beneficiário com deficiência do BPC acumulasse sua bolsa de aprendiz com o benefício previdenciário, estimulando, pois, o trabalho, o processo de capacitação profissional, adaptação e educação geral e aplicada. Pode-se verificar essa modificação a partir da inclusão do § 9º, ao art. 20, da LOAS, in verbis:

Art. 20. O benefício de prestação continuada é a garantia de um salário-mínimo mensal à pessoa com deficiência e ao idoso com 65 (sessenta e cinco) anos ou mais que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção nem de tê-la provida por sua família.

[…]

Considera-se incapaz de prover a manutenção da pessoa com deficiência ou idosa a família cuja renda mensal per capita seja inferior a 1/4 (um quarto) do salário-mínimo.

O benefício de que trata este artigo não pode ser acumulado pelo beneficiário com qualquer outro no âmbito da seguridade social ou de outro regime, salvo os da assistência médica e da pensão especial de natureza indenizatória.

[…]

A renda familiar mensal a que se refere o § 3º deverá ser declarada pelo requerente ou seu representante legal, sujeitando-se aos demais procedimentos previstos no regulamento para o deferimento do pedido.

A remuneração da pessoa com deficiência na condição de aprendiz não será considerada para fins do cálculo a que se refere o § 3º deste artigo.

[…]

(Destacamos e grifamos)

Assim, pode-se afirmar que quando a Lei n° 12.470/2011 incluiu o § 9º, ao art. 20, da Lei n° 8.742/93 (LOAS), em verdade estava instituindo uma exceção inédita à regra da comprovação da incapacidade de prover à subsistência do beneficiário, dele próprio bem como de seus familiares.

É relevante destacar que, conforme as lições da Consolidação das Leis do Trabalho (Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943), em especial o disposto no § 5º, do art. 428, se verifica que o legislador não faz qualquer limitação de idade ao indivíduo com deficiência, permitindo que este, a qualquer idade, possa formalizar um contrato de aprendizagem,  in verbis:

Art. 428. Contrato de aprendizagem é o contrato de trabalho especial, ajustado por escrito e por prazo determinado, em que o empregador se compromete a assegurar ao maior de 14 (quatorze) e menor de 24 (vinte e quatro) anos inscrito em programa de aprendizagem formação técnico-profissional metódica, compatível com o seu desenvolvimento físico, moral e psicológico, e o aprendiz, a executar com zelo e diligência as tarefas necessárias a essa formação.

1º A validade do contrato de aprendizagem pressupõe anotação na Carteira de Trabalho e Previdência Social, matrícula e freqüência do aprendiz na escola, caso não haja concluído o ensino médio, e inscrição em programa de aprendizagem desenvolvido sob orientação de entidade qualificada em formação técnico-profissional metódica.

2º Ao menor aprendiz, salvo condição mais favorável, será garantido o salário mínimo hora.

O contrato de aprendizagem não poderá ser estipulado por mais de 2 (dois) anos, exceto quando se tratar de aprendiz portador de deficiência.

4º A formação técnico-profissional a que se refere o caput deste artigo caracteriza-se por atividades teóricas e práticas, metodicamente organizadas em tarefas de complexidade progressiva desenvolvidas no ambiente de trabalho.

A idade máxima prevista no caput deste artigo não se aplica a aprendizes portadores de deficiência.

Para os fins do contrato de aprendizagem, a comprovação da escolaridade de aprendiz portador de deficiência mental deve considerar, sobretudo, as habilidades e competências relacionadas com a profissionalização.

7º Nas localidades onde não houver oferta de ensino médio para o cumprimento do disposto no § 1º deste artigo, a contratação do aprendiz poderá ocorrer sem a freqüência à escola, desde que ele já tenha concluído o ensino fundamental.

 

Inobstante, o supracitado dispositivo legal prevê o limite de até 02 (dois) anos de validade do contrato, mas diz também que tal limite não se aplica aos indivíduos com deficiência (CLT, art. 428, § 3º), razão pela qual pode-se compreender que tal contrato poderia se estender por vários anos sem maiores problemas.

Em virtude dessa possibilidade legal, a Lei n° 12.470/2011, ao tratar da exceção conferida aos beneficiários com deficiência, limitou em 02 (dois) anos a possibilidade de acumular a remuneração de aprendiz com o benefício de prestação continuada sem que aquele fosse considerado, para fins da comprovação da capacidade de sustento do indivíduo com deficiência, exigido pelo § 3º, do art. 20, da LOAS. Note-se que a referida limitação se encontra expressa no § 2º, do art.21-A, da LOAS (dispositivo criado pela Lei n° 12.470/2011), in verbis:

Art. 21-A. O benefício de prestação continuada será suspenso pelo órgão concedente quando a pessoa com deficiência exercer atividade remunerada, inclusive na condição de microempreendedor individual.

Extinta a relação trabalhista ou a atividade empreendedora de que trata o caput deste artigo e, quando for o caso, encerrado o prazo de pagamento do seguro-desemprego e não tendo o beneficiário adquirido direito a qualquer benefício previdenciário, poderá ser requerida a continuidade do pagamento do benefício suspenso, sem necessidade de realização de perícia médica ou reavaliação da deficiência e do grau de incapacidade para esse fim, respeitado o período de revisão previsto no caput do art. 21.

A contratação de pessoa com deficiência como aprendiz não acarreta a suspensão do benefício de prestação continuada, limitado a 2 (dois) anos o recebimento concomitante da remuneração e do benefício.

(Sem grifos ou destaques no texto original)

Tais inovações, entenda-se bem, promovem o Princípio da Dignidade da Pessoa Humana, ao passo em que conferem o direito ao beneficiário com deficiência de se profissionalizar normalmente, sem sobressaltos, pelo que há de começar a trabalhar, não apenas assumindo o gosto pelo labor, mas também conferindo condições para que esses trabalhadores desenvolvam suas aptidões, habilidades e competências e demonstrem, com isso, não mais necessitarem de um benefício assistencial como o BPC, mas que tenham plenas condições de atuar no mercado de trabalho e de contribuir não apenas para o seu progresso pessoal e familiar, mas principalmente para o progresso do país como um todo.

Outro ponto positivo nessa inovação legislativa é o estímulo aos estudos, visto que o trabalhador aprendiz é um trabalhador em formação que, via de regra, está estudando (ainda que unicamente atendendo a curso de formação profissional). Além do mais, o contrato de aprendizagem permite a capacitação para o trabalho e o contato com aquela que talvez venha a ser a sua primeira experiência laborativa.

Nada obstante, o trabalho pode conferir uma maior dimensão nas interatividade do beneficiário deficiente com a sociedade e vice-e-versa. Mediante essa interatividade, o egresso desse programa se passa a nutrir, cada vez mais, um sentimento cada vez mais intenso e nobre, voltado a garantir ao beneficiário a sua própria autoestima, mediante a certeza de que está realmente integrado na sociedade. A esse fenômeno se dá o nome de inclusão social, materializada, no caso, por esse argumento prático-legal específico.

Por último, mas não menos importante, dita situação excepcional permite ao trabalhador aprendiz e beneficiário do BPC que seja pessoa com deficiência no sentido legal do termo. Por isso, a consciência que se eleva é no sentido de traduzir uma nova fonte de renda que pode auxiliar às despesas dos estudos do beneficiário ou com as despesas do próprio lar.

Assim sendo, constata-se, de fato, um grande avanço traduzido na atitude do legislador ordinário em alterar a dinâmica do BPC, quanto aos indivíduos com deficiência, os quais se passam a sentir e também exercer, dentre os contemplados com o benefício em causa, uma melhor inserção social, um autêntico chamado à participação.

3.3 Da possibilidade de suspensão do BPC para estimular o trabalho formal

A Lei n° 12.470/2011 trouxe uma outra grande inovação para a LOAS, conquanto acrescido o art. 21-A à referida legislação. Conforme o novo dispositivo suscita, a partir da publicação da Lei n° 12.470/2011, passou-se a contar com a possibilidade de suspensão do Benefício de Prestação Continuada pelo INSS para as situações em que a pessoa com deficiência passe a exercer atividade remunerada, inclusive na condição de microempreendedor individual. É o que diz o dispositivo legal contido da LOAS, in verbis:

Art. 21-A. O benefício de prestação continuada será SUSPENSO pelo órgão concedente quando a pessoa com deficiência exercer atividade remunerada, inclusive na condição de microempreendedor individual.

Extinta a relação trabalhista ou a atividade empreendedora de que trata o caput deste artigo e, quando for o caso, encerrado o prazo de pagamento do seguro-desemprego e não tendo o beneficiário adquirido direito a qualquer benefício previdenciário, poderá ser requerida a continuidade do pagamento do benefício suspenso, sem necessidade de realização de perícia médica ou reavaliação da deficiência e do grau de incapacidade para esse fim, respeitado o período de revisão previsto no caput do art. 21.

A contratação de pessoa com deficiência como aprendiz não acarreta a suspensão do benefício de prestação continuada, limitado a 2 (dois) anos o recebimento concomitante da remuneração e do benefício.

(Sem grifos ou destaques no texto original)

Destaque-se que o § 1º, do mencionado texto legal, permite ao beneficiário requerer a continuidade do pagamento do benefício suspenso, inteiramente sem a necessidade de realização de nova perícia médica ou reavaliação da deficiência e do grau de sua eventual incapacidade, já constatados anteriormente, respeitado o período de revisão de 02 (dois) anos, consoante previsto no caput, do art. 20, da Lei n° 8.742/2011, e de acordo com o que dispõe o § 1º, do art. 21-A, in verbis:

Art. 21. O benefício de prestação continuada deve ser revisto a cada 2 (dois) anos para avaliação da continuidade das condições que lhe deram origem.

1º O pagamento do benefício cessa no momento em que forem superadas as condições referidas no caput, ou em caso de morte do beneficiário.

2º O benefício será cancelado quando se constatar irregularidade na sua concessão ou utilização.

3º O desenvolvimento das capacidades cognitivas, motoras ou educacionais e a realização de atividades não remuneradas de habilitação e reabilitação, entre outras, não constituem motivo de suspensão ou cessação do benefício da pessoa com deficiência.

4º A cessação do benefício de prestação continuada concedido à pessoa com deficiência não impede nova concessão do benefício, desde que atendidos os requisitos definidos em regulamento.

Art. 21-A. O benefício de prestação continuada será SUSPENSO pelo órgão concedente quando a pessoa com deficiência exercer atividade remunerada, inclusive na condição de microempreendedor individual.

Extinta a relação trabalhista ou a atividade empreendedora de que trata o caput deste artigo e, quando for o caso, encerrado o prazo de pagamento do seguro-desemprego e não tendo o beneficiário adquirido direito a qualquer benefício previdenciário, poderá ser requerida a continuidade do pagamento do benefício suspenso, sem necessidade de realização de perícia médica ou reavaliação da deficiência e do grau de incapacidade para esse fim, respeitado o período de revisão previsto no caput do art. 21.

A contratação de pessoa com deficiência como aprendiz não acarreta a suspensão do benefício de prestação continuada, limitado a 2 (dois) anos o recebimento concomitante da remuneração e do benefício.

(Sem grifos ou destaques no texto original)

 

A nova regra é mesmo de suma importância, uma vez que permite aos beneficiários do BPC, dentre os que sejam pessoas com deficiência, passarem a trabalhar e, ao invés de seu benefício ser cancelado, restar meramente suspenso, hipótese que importa em maior facilidade para a sua eventual e futura reativação, se necessário for, em razão das circunstâncias. A volta ao desemprego é a mais característica delas, momento em que o indivíduo com deficiência, outrora empregado, pode voltar a sofrer os mesmos obstáculos que vinham sofrendo, desde quando ainda não havia conseguido inserir-se no mercado formal de trabalho.

Por isso mesmo, caso tenha sido realizada a avaliação há pouco tempo, ou sua validade não tenha se expirado, o beneficiário poderá pedir para reimplantar o BPC automaticamente, não tendo mesmo que se submeter aos referidos exames.

Isso representa realmente um grande estímulo aos beneficiários desse segmento. É que passam a trabalhar sem uma preocupação lancinante que os sufocavam e precisava urgentemente ser exorcizada. O advento da nova legislação proporciona a esses beneficiários trabalhar sem receio de perderem o usufruto do BPC, conforme assim necessitem, antes como posteriormente, obedecidos os pressupostos à sua concessão. Adicionalmente, a nova regra permite que o indivíduo com deficiência passe a contribuir efetivamente para com o custeio da Previdência Social e passe a aspirar com a própria aposentadoria, justo ócio, hipótese de que não se cogita, mediante o usufruto do BPC.

Vários são os benefícios que podem decorrer de tal situação, enfeixados numa nítida dinâmica de inclusão social, que importa em atitudes proativas e de transformação em favor de todos, pelo que a pessoa com deficiência, segundo as suas próprias condições e limites, passa a prover o seu próprio sustento e o de sua família; passa também a contribuir para o custeio da Previdência Social, resultado de uma honrosa situação de segurado ativo, passando a fazer jus ao seguro-desemprego bem assim a outros benefícios que compõem a cepa de atribuições constitucionais e legais da Previdência Social; poderá, ainda e como sugerido alhures, desde que cumpra todos os requisitos legais, requerer a própria aposentadoria, ao invés de requerer novo benefício (BPC) e deixar de se preocupar com os chamados requisitos legais para a manutenção desse mesmo benefício meramente assistencial.

Parece importante considerar que a inovação em comentário igualmente afeta, direta e positivamente, o grupo familiar do beneficiário. No espaço em que, antes, todos poderiam se empenhar para não prejudicar o recebimento do benefício assistencial referenciado, deixando-se de aceitar, mesmo quando possível, postos formais de trabalho ou de se contribuir para o custeio da Previdência Social, agora, pelo contrário, esses familiares já se sentem livres para aproveitar de um modo inteiramente diferente, e digno, essa nova situação do beneficiário para também realizar o desiderato do emprego formal, regularizando-se, em definitivo, a situação do segurado perante o INSS, que passa a fazer jus ao auxílio-desemprego, ao auxílio-doença, ao auxílio-reclusão (para sua família) e, principalmente, a uma aposentadoria digna, ou seja, constituída a partir de seus próprios esforços e contribuição.

Do mesmo modo, o país ganha, e muito, com esta nova legislação, uma vez que o novo postulado legal-institucional contribui, sentidamente, para a redução do assim denominado déficit previdenciário, haja vista possibilitar a redução do número de beneficiários do BPC, os quais, ativos, possam ingressar regularmente no mercado de trabalho, sejam valorizados por isso, e passem à condição de segurados-contribuintes. Ao mesmo tempo, pode-se perfeitamente anotar que a nova situação legal incrementa potencialmente a arrecadação previdenciária, e ainda estimula o trabalho formal de todos, reduzindo-se significativamente os gastos com um sistema meramente assistencialista do Estado em casos que já não se justificam, porque resultantes de preconceito que a Constituição Federal manda afastar.

Assim, a possibilidade de suspensão do benefício previdenciário, observa-se, confere uma segurança ao beneficiário deficiente jamais configurada anteriormente, de modo que ele se sinta inteiramente livre e disponível para ocupar postos formais de trabalho que o mercado se lhe proporcione, acelerando o processo profissionalização e inserção social da maior quantidade possível de cidadãos em condições ao trabalho. E não são poucos os que, embora ostentando algum tipo de deficiência, mais ou menos limitativa, abandonam a perspectiva do trabalho.

Com efeito, não é necessário o empenho de pesquisa social empírica alguma para afirmar, categoricamente, que além das próprias limitações naturais, ninguém permanece satisfeito em viver como um peso para a sociedade, para os familiares e para os demais circunstantes. Todos propugnam pela própria sustentabilidade e autossuficiência. É humano que assim seja e que se alimente esse ideal existencial. Os programas, técnicas e atitudes inclusivas objetivam exatamente esse propósito emancipatório. E a Previdência Social, que há de cumprir institucionalmente esse papel no espaço de suas atribuições constitucionais e legais, doravante parece encontrar um forte significado emancipacionista e de transformação social, pelo que meros assistidos (suportados sociais) assumem a responsabilidade estimulada de se tornarem segurados plenos (suportadores sociais).

Isso tudo diz muito com redenção, independência e liberdade!

Parece, pois, evidentíssimo que a Lei n° 12.470/2011 trás um ganho social efetivo para o Brasil, para o beneficiário e para os familiares deste. Trás um sinal de alento e de concórdia social, porque importa em um item importante ao desenvolvimento harmonioso da sociedade brasileira, muito embora ainda esteja envolvida em exclusão e graves desigualdades.

4 Das considerações finais

Inicialmente, comporta afirmar que este documento descritivo não dissente da importância funcional do denominado Benefício de Prestação Continuada (BPC), o qual encontra regulamentação à Lei Orgânica da Assistência Social (Lei n° 8.742/1993). O objeto de crítica que se propõe, outrossim, está relacionado com antigas regras oriundas da mesma legislação previdenciária que ainda não havia sido ungida por princípios de inclusão social, consoante agora acontece. De fato, possibilitar mover, potencialmente, o caráter meramente assistencialista do denominado BPC para, suspendendo-o, e não definitivamente cancelando-o, para a eventualidade da inserção laboral do beneficiário com deficiência, traduz um elemento de emancipação social inolvidável. O desestímulo anterior cedeu espaço ao encorajamento pessoal e social de quantos, capazes, ainda que mediante algum tipo de limitação, sentem a retaguarda do Estado que não os vai de modo algum desamparar, se por outro lado o mercado deixar de lhe sorrir pelas mesmas razões históricas de um passado não tão distante. A nova disciplina gerou a possibilidade real do progresso social e econômico do universo desses beneficiários, e de seus familiares por igual.

Tampouco se pode olvidar que, mesmo com alguns problemas assim de origem quanto operacionais, o BPC auxilia e já auxiliou muitas famílias brasileiras, cumprindo, muitas vezes, com um certo tipo de função social nos casos particularmente invencíveis, ante razões estritamente objetivas (estados de incapacidade).

Antigos requisitos da LOAS, ao passo de conservarem o risco iminente sobre a concessão ou a manutenção do BPC, estimulavam o recrudescimento da incapacidade ao trabalho, bem como a manutenção dessa condição, por vezes imaginária ou objeto de preconceitos arraigados tanto na sociedade quanto no sentimento do beneficiário, dado que se ele viesse a trabalhar no mercado formal em algum ponto de sua existência teria fatalmente cancelado o seu benefício. Com se não bastasse, caso desejasse voltar a recebê-lo, eis que por alguma razão nem perdeu a condição de pessoa com deficiência e nem reteve o próprio emprego, teria que lutar por um novo BPC, dado que aquele que lhe havia sido anteriormente concedido restou cancelado.
Eis o dilema que exigia a edição de um novo modelo. Note-se que não havia uma preocupação com a promoção do fundamento constitucional da Dignidade da Pessoa Humana ou com os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa, mas somente com uma ideia linear de assistencialismo de prover a manutenção temporária do beneficiário, gerando-lhe mais e mais dependência.

Ao compor como requisito para a concessão e para a manutenção do BPC a renda per capta inferior a 1/4 de salário mínimo, o legislador, indireta e paradoxalmente, passou a estimular o trabalho informal, não apenas para o beneficiário com deficiência, mas também para os seus familiares, uma vez que poderiam por em risco a percepção do benefício e, futuramente, a saúde financeira do grupo familiar. Dessa forma, nem o beneficiário se animava a ingressar no mercado formal de trabalho, dado que seu benefício poderia ser cancelado (e ele teria que correr os riscos decorrentes dessa escolha), nem os familiares do beneficiário que estivessem constando na Declaração de Renda Familiar entregue à Previdência Social, para os devidos fins, poderiam optar pelo trabalho formal, pois também estariam pondo em risco a percepção do BPC (conforme dispõe o § 3º, do art. 20, da LOAS).

O estímulo ao emprego informal, parece claro, possibilita um outro prejuízo social, não apenas ao beneficiário classificado como pessoa com deficiência, mas também seus familiares que perdem, desse modo, a oportunidade de se aposentarem no futuro. Além disso, esse sistema poderia fazer com que tais familiares, no futuro, por não terem direito à aposentadoria, buscassem novamente o BPC, travestido de fonte de renda individual, representando, por isso mesmo, mais despesa pública, inteiramente desnecessária, para a Previdência Social, agravando o seu déficit, resultado da falta de contribuição adequada ao longo de todo o período da concessão artificial, embora lícita, do BPC.
Com efeito, não é difícil conceber que o antigo regime previdenciário causava uma relação de dependência econômica ao BPC para toda a família, talvez até como se esse fosse a única renda formal da família, única chance de sobrevivência e dignificação. Novamente, o próprio Estado vinha conspirando contra o esclarecimento emancipatório do povo.

Nessa perspectiva, a antiga redação da Lei n° 8.742/1993 estimulava os seus beneficiários com deficiência a permanecerem na condição de “incapazes” para o trabalho sob o receio de um risco objetivo que conflitava com a possibilidade real do desenvolvimento econômico e social das famílias então beneficiadas com o BPC. De fato, caso a renda per capta fosse superior a 1/4 de salário mínimo o benefício seria indeferido ou cancelado, sendo necessário novo pleito a fim de obtenção de um novo BPC.
Assim sendo, com a dependência criada ao benefício, estabelecia-se também o medo quanto ao seu cancelamento, gerando receio para o enfrentamento do trabalho formal, estagnação social e econômica para o beneficiário tido como deficiente, e como tal classificado no sistema previdenciário, e seus respectivos familiares.

Outrossim, com a entrada em vigor da Lei n° 12.470/2011 no nosso Ordenamento Jurídico, a Lei n° 8.742/1993 (Lei Orgânica da Assistência Social – LOAS) foi alterada, passando a prever exceções quanto à regra da limitação de 1/4 de salário mínimo como renda per capta, criando mais a possibilidade de suspensão do benefício, diverso do simples cancelamento, a fim de estimular seus beneficiários ao trabalho formal e à efetiva contribuição previdenciária, passando de meros assistidos para autênticos segurados.

Inicialmente, a alteração e criação da nova exceção ao § 3º, do art. 20, da LOAS, foi criada a possibilidade de estimular o beneficiário com deficiência a inserir-se no mercado de trabalho como trabalhador aprendiz (conforme art. 20, § 9º, LOAS), uma vez que sua remuneração não será computada para fins da comprovação da capacidade para prover a sua manutenção (regra de 1/4 de salário mínimo prevista no § 3º, do art. 20, da LOAS).

Vale dizer, no tocante ao trabalho como aprendiz, consoante ressaltado adiante, não há limite de idade para a pessoa com deficiência, a dizer: independentemente de sua idade, o deficiente pode firmar contrato como aprendiz (CLT, § 5º, do art. 428) e, nessa condição, não se contabiliza o limite de 02 (dois) anos para a conclusão do contrato (CLT, § 3º, do art.428). Muito embora inexista tal limite de idade ou de tempo para a contratação de pessoa com deficiência para a função de aprendiz, a Lei n° 12.470/2011, ao alterar a Lei de Organização da Assistência Social (Lei n° 8.742/1993) e apesar de ter permitido a acumulação da bolsa de aprendiz e do BPC, limitou tal cumulatividade ao prazo de até 02 (dois) anos (§ 2º, do art. 21-A, da LOAS).
Constata-se que essa limitação na acumulação do BPC com a remuneração de aprendiz serve como dispositivo limitador de abusos e desvios de conduta que possam prejudicar a nova dinâmica da Lei de regência, qual seja, a de estimular o emprego formal e o desenvolvimento econômico e social do beneficiário classificado como pessoa com deficiência.

Ademais, a possibilidade de suspensão do Benefício de Prestação Continuada (BPC) para que o beneficiário com deficiência possa trabalhar formalmente, caso surja oportunidade para isso, garante a reativação do mesmo benefício sem necessidade de submissão a novos procedimentos periciais ou exames com vistas à constituição de um novo benefício, senão à revigoração de um já existente. É o que presentemente acontece e com o que a Administração Pública passa a promover os Fundamentos Constitucionais correlatos (CF, art.1º, incs. III e IV) da Dignidade da Pessoa Humana e dos Valores Sociais do Trabalho e da Livre Iniciativa.

Conclui-se que o legislador alterou as regras de concessão e de manutenção do BPC, passando a estimular o beneficiário com deficiência ao trabalho e/ou à livre iniciativa, deixando-o a salvo quanto à possibilidade de reativação do seu benefício e de voltar a recebê-lo normalmente, nas rendas a que faz jus, mas com um marco diferencial regulatório: ele passa a contribuir para a Previdência e pode até, posteriormente, se aposentar ou se beneficiar de algum dos benefícios patrocinados pelo INSS, a exemplo do seguro-desemprego ou do auxílio-saúde etc.

Vale dizer: mediante a suspensão do benefício, os familiares do beneficiário deficiente igualmente podem partir em busca de melhores dias, ocupando postos formais de trabalho, garantindo para si mesmos um maior desenvolvimento econômico e social, além do que se passa a contribuir efetivamente para todo o leque de direitos previdenciários legalmente instituídos.

A diferença entre sujeição assistencialista e proatividade assecuratória ou previdenciária é um traço marcante e definitivo de emancipação social.
Nessa perspectiva, entende-se que a sociedade brasileira, como um todo, sai ganhando, dado ser cediço compreender que ocorrer a diminuição do déficit previdenciário; um aumento e uma melhoria na capacitação das pessoas com deficiência, através dos programas de formação de aprendizes; o número de beneficiários meramente assistenciais cai, reduzindo também os gastos com a Previdência Social que tende a incrementar a sua sustentabilidade; melhoram também os números do trabalho formal no país, que gera desenvolvimento e progresso; enfim, trás uma gama de vantagens ao Brasil, cumprindo-se o Princípio do Interesse Público.

Finalmente, conclui-se que a Lei n° 12.470/2011, em verdade, conduz a um excepcional avanço de natureza social para a sociedade brasileira, aprimorando o Estado e a Previdência Social, ao passo em que já se começa a estimular o emprego formal, o trabalho de todos, indistintamente considerados, nos termos da Constituição, seja no âmbito do contrato de aprendizagem seja no âmbito do contrato ordinário de trabalho, ou, ainda, na livre iniciativa, enquanto microempreendedor individual. Adicionalmente, passa a combater o déficit previdenciário e possibilita a concessão de aposentadoria para todos os familiares atendidos pelo regime do BPC.
Dessa forma, a pessoa classificada como deficiente para fins previdenciários próprios passa a ser vista em sua plenitude cidadã, segundo as suas potencialidades, capacidades, competências e habilitações que não escapam das diversas formas de limitação, mas que devem ser sempre observadas, segundo as condições de cada qual e que não devem ser negligenciadas. Também para a Previdência Social o indivíduo com deficiência deixa de ser visto como um incapaz, resultando tratá-lo como agente produtivo, inserido plenamente na sociedade. Com esse novo paradigma, deixamos para trás um sistema eminentemente assistencialista, e passamos a caminhar decididamente para um regime de plena inclusão, Justiça e igualdade social.

5 Referências

BASTOS, Celso Ribeiro; MARTINS, Ives Gandra da Silva. Comentários à Constituição do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. São Paulo: Saraiva, 1988.
BRASIL. CÂMARA DOS DEPUTADOS FEDERAIS. Projeto de Lei de Conversão n. 19 de 2011. Medida Provisória 529-A de 2011, de 06 de julho de 2011. Disponível em:<http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=899338&filename=RDF+1+%3D%3E+MPV+529/2011>, acesso em 10 de julho de 2011.
BRASIL. Código Civil. Lei nº. 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2002/L10406compilada.htm>, acesso em 25 de maio de 2011.
BRASIL. Consolidação das Leis do Trabalho. Decreto-Lei nº.5.452, de 1º de maio de 1943. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del5452compilado.htm>, acesso em 10 de agosto de 2011.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm>, acesso em 10 de agosto de 2011.
BRASIL. Lei Nº 12.470, de 31 de agosto de 2011. Disponível em < ttp://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/L12470.htm#art5>, acesso em 31 de agosto de 2011.
BRASIL. Lei Orgânica da Assistência Social – LOAS. Lei nº 8.742, de 07 de dezembro de 1993. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8742.htm>, acesso em 02 de agosto de 2011.
BRASIL.Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990.Disponível_em<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069Compilado.htm>, acesso em 25 de maio de 2011.
CÂMARA DOS DEPUTADOS FEDERAIS. MPV 529/2011. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=497760>, acesso em agosto de 2011.
CÂMARA DOS DEPUTADOS FEDERAIS. Redação Final – RDF 1 => MPV 529/2011. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=512349>, acesso em agosto de 2011.
CAMARA DOS DEPUTADOS FEDERAIS. Árvore de apensados e outros documentos da matéria: MPV 529/2011. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_arvore_tramitacoes;jsessionid=974C6FDC9C4976D298C2488B04A0AD08.node2?idProposicao=497760>, acesso em agosto de 2011.
CAMARA DOS DEPUTADOS FEDERAIS. Emendas apresentadas – MPV 529/2011. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_emendas;jsessionid=974C6FDC9C4976D298C2488B04A0AD08.node2?idProposicao=497760>, acesso em agosto de 2011.
CAMARA DOS DEPUTADOS FEDERAIS. Lei nº 12.470, de 31 de Agosto de 2011 – Publicação Original. Disponível em: <http://www2.camara.gov.br/legin/fed/lei/2011/lei-12470-31-agosto-2011-611377-publicacaooriginal-133522-pl.html>, acesso em agosto de 2011.
CAMARA DOS DEPUTADOS FEDERAIS. Lei nº 12.470, de 31 de Agosto de 2011 – Dados da norma. Disponível em: <http://www2.camara.gov.br/legin/fed/lei/2011/lei-12470-31-agosto-2011-611377-norma-pl.html>, acesso em agosto de 2011.
MACHADO, Antônio Cláudio da Costa (Org.). Constituição Federal Interpretada: artigo por artigo, parágrafo por paragrafo. 2.ed. Barueri, SP: Manole, 2011.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 13.ed. São Paulo: Atlas, 2003.
SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da Pessoa Humana e Direitos Fundamentais na Constituição Federal de 1988. 5.ed. rev. e atual. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.

Published by

  • João Rodolfo Gomes de Lima

    Bacharel em Direito pela Universidade Católica de Pernambuco. Pós Graduado em Direito Civil e Direito Processual Civil pela Faculdade Joaquim Nabuco/PE em curso promovido pela OAB/PE. Mestrando em Direito pela Universidade Católica de Pernambuco. Professor de Direito da Faculdade Integrada de Pernambuco (FACIPE). Ex-advogado do Centro Estadual de Apoio às Vítimas de Violência – CEAV do Estado de Pernambuco. Advogado militante e sócio do escritório Lima & Barros Advocacia. Procurador Judicial de vários Municípios do interior do Estado. Juiz Leigo Voluntário no Tribunal de Justiça de Pernambuco.View all article by João Rodolfo Gomes de Lima
  • Roberto Wanderley Nogueira

    Bacharel, Mestre e Doutor em Direito Público pela Universidade Federal de Pernambuco, Pós-doutor em Direito/Ensino Jurídico pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor-adjunto da Faculdade de Direito do Recife/UFPE e da Universidade Católica de Pernambuco. Regente da disciplina Direito Inclusivo e Cidadania (PPGD/UNICAP). Pesquisador Social.View all article by Roberto Wanderley Nogueira

A autoadvocacia dentro do campo dos estudos culturais: um meio para o empoderamento de pessoas com deficiência

Resumo

Os Estudos Culturais (EC) surgem como um novo campo de discussão e debate no contexto do pós Segunda Guerra Mundial, trazendo à tona temas como etnia, raça, cultura, identidade, a fim de contribuir com a construção de uma sociedade menos discriminatória. Os EC surgem com o fim de ressignificar a identidade de grupos historicamente marginalizados na sociedade e na escola (COSTA, 2003). Nesse mesmo contexto do pós-guerra, é proclamada pela ONU a Declaração de Direitos Humanos (1948) declarando a igualdade de todos perante a lei. A história ilumina, no entanto, que desde a sua proclamação, os direitos humanos não tem se efetivado de forma igual para grupos sociais. Pessoas que vivem em desvantagem econômica, mulheres, índios, negros, pessoas com deficiência, entre outros, lutam para conquistar a sua igualdade na sociedade (FERREIRA, 2006). As duas últimas décadas foram marcadas por movimentos sociais importantes de grupos subalternos, emergindo na década de 80 o primeiro movimento de autoadvocacia. Esse princípio ou conceito universal revela a possibilidade de qualquer indivíduo ser advogado de si mesmo, com o objetivo de tornar suas vozes audíveis e contribuir para o empoderamento de grupos vulneráveis. (MENDES, 2010). Para o movimento das pessoas com deficiência esse conceito é lançado em 1986, implicando no desenvolvimento desse grupo social como autônomos do controle de suas vidas e protagonistas na luta contra a discriminação. Tendo por base as referidas discussões, o objetivo deste estudo é discutir o conceito de autoadvocacia dentro da ótica dos estudos culturais e apontar como a relação existente entre esse movimento e o campo em discussão, pode contribuir para romper com a invisibilidade das pessoas com deficiência. Esta pesquisa caracteriza-se como bibliográfica, com aporte na literatura nacional e internacional, e está dividida em três partes. No primeiro momento, apresenta-se o surgimento dos Estudos Culturais e as inovações que ele traz para os conceitos de cultura, identidade e diferença. No segundo momento, apresenta-se o movimento de autoadvocacia. E por fim, mostra-se como o desenvolvimento deste conceito dentro dos Estudos Culturais pode contribuir para o empoderamento das pessoas com deficiência.

Palavras-chave: Estudos Culturais. Autoadvocacia. Pessoas com Deficiência.

ABSTRACT

The Cultural Studies (CE) emerged as a new field of discussion and debate during the post World War II, bring up issues such as ethnicity, race, culture, identity, in order to contribute to build a less discriminatory society. CEs appear in order to reframe the identity of historically marginalized groups in society and at school (Costa, 2003). In this same context of post-war was proclaimed the Declaration of Human Rights (1948). The history illuminates, however, that since the proclamation, human rights has not been effected equally to social groups. People who lives in economically disadvantaged, women, black people, people with disabilities, and others, struggle to gain their equality in society (Ferreira, 2006). The last two decades marked by important social movements of subaltern groups, emerging in the decade 80 the first movement of selfadvocacy. This universal principle or concept reveals the possibility of any individual being a lawyer himself, in order to make their voices audible and contribute to the empowerment of vulnerable groups. (Mendes, 2010). For the movement of disability people this concept begins in 1986, resulting in the development of this social group as autonomous control of their lives and protagonists in the fight against discrimination. Based on these discussions, the objective of this study is to discuss the concept of selfadvocacy within the perspective of cultural studies and show how the relationship between this movement and the Field of cultural studies, can help break the invisibility of people with disabilities. This research is characterized as literature, with input on national and international literature, and is divided into three parts. At first, presents the emergence of Cultural Studies and the innovations it brings to the concepts of culture, identity and difference. In the second instance, shows the movement of selfadvocacy. Finally, it is shown how this concept in the development of cultural studies can contribute to the empowerment of people with disabilities.

Keywords: Cultural Studies. Selfadvocacy. People with Disabilities.

1 – INTRODUÇÃO

Os Estudos Culturais (EC) surgem como um novo campo de discussão e debate no contexto do pós Segunda Guerra Mundial, trazendo à tona temas como etnia, raça, cultura, identidade, a fim de contribuir com a construção de uma sociedade menos discriminatória. Os EC emergem em meio às movimentações de certos grupos sociais que buscam repudiar aqueles que se interpõe, ao longo dos séculos, aos anseios por uma cultura pautada por oportunidades democráticas, com o fim de ressignificar a identidade de grupos historicamente marginalizados na sociedade e na escola (COSTA, 2003).

Nesse mesmo contexto do pós-guerra, é proclamada pela ONU a Declaração de Direitos Humanos (1948) declarando a igualdade de todos perante a lei. No entanto a história ilumina que desde a sua proclamação, os direitos humanos não tem se efetivado de maneira igualitária. O grupo social constituído pelas pessoas com deficiência tem permanecido imerso, ao longo dos séculos, em um contínuo processo de segregação, negação de direitos e exclusão social. A negação de seu direito de estudar, como qualquer outra criança, gera, conforme Ferreira (2004) afirma, invisibilidade das pessoas com deficiência nos espaços sociais e escolares e, consequentemente,

(…) uma forte descrença na capacidade cognitiva dessas pessoas, assim como há uma tendência para não considerá-las capazes de desenvolver atitudes e cidadania responsável, terem criatividade ou serem produtivas (p. 2).

Com o objetivo de romper com esse estigma de infantilização e incapacidade, principalmente no que se refere às tomadas de decisões acerca de suas vidas, necessidades e possibilidades, as duas últimas décadas foram marcadas por movimentos sociais importantes, organizados por pessoas com deficiência ou necessidades especiais (FIGUEIRA, 2008), que lentamente vem conquistando seus direitos e sua plena participação social.

Na década de 80 emerge o primeiro movimento de autoadvocacia, revelando a possibilidade de qualquer indivíduo ser advogado de si mesmo, a fim de tornar suas vozes audíveis e contribuir para o empoderamento de grupos vulneráveis (SOARES, 2010). Esse movimento direciona-se para proporcionar às pessoas com deficiência as ferramentas necessárias para que elas se tornem autores de sua própria história, podendo decidir a respeito de todos os aspectos de sua vida.

O movimento de autoadvocacia é de extrema importância para romper com a exclusão das pessoas com deficiência dos contextos escolar e social e reduzir as experiências de discriminação que sofrem baseadas em crenças incorretas sobre suas condições, contribuindo diretamente com o objetivo do campo dos Estudos Culturais, que é combater a exclusão e discriminação existentes nos diversos espaços da sociedade (DANTAS, 2009).

Dentro dessa perspectiva, o objetivo desta pesquisa bibliográfica é aprofundar o debate acerca da intrínseca relação existente entre o movimento de autoadvocacia e as temáticas que partem dos Estudos Culturais, demonstrando como o exercício da autoadvocacia na ótica dos EC pode romper com a invisibilidade de pessoas com deficiência, contribuindo para o seu empoderamento.

2. REFERENCIAL TEÓRICO

2.1 Breve explanação acerca dos Estudos Culturais

No período do Pós-Segunda Guerra Mundial, em decorrência das grandes transformações trazidas pelo sistema capitalista, principalmente na intensificação das desigualdades no que se refere à etnia, raça, gerações, sexo, as preocupações com as questões culturais vieram à tona de forma contundente, provocando uma verdadeira reviravolta cultural (COSTA, 2003).

Os Estudos Culturais, como um novo campo de discussão e debate, surge em meio a essas transformações, caracterizando-se por considerar a cultura em sentido amplo, passando da reflexão centrada sobre o vínculo cultura-nação, para a abordagem da cultura dos grupos sociais (MATTELART, 2006). Assim, a cultura passou a ser vista como o lócus onde podem ser problematizadas e contestadas as distinções existentes na sociedade capitalista.

Dentro desse contexto, os Estudos Culturais, a partir de 1964 com o nascimento do Centre for Contemporary Cultural Studies, na Universidade de Birmingham, passam a se desenvolver e produzir uma grande massa de trabalhos. Esse novo campo passa a englobar objetos de estudo até então desprezados pelas ciências humanas e sociais, dentre eles as questões de gênero, de racismo, de deficientes, das comunidades imigrantes, etc.

Todas as expressões que os Estudos Culturais assumiram, faz com que seja difícil caracterizá-los como uma disciplina com limites bem delineados. Para Hall (2003), os Estudos Culturais não se constituem em um conjunto articulado de idéias e pensamentos, mas em um projeto político de oposição, onde as atividades culturais são analisadas para interrogar as funções que elas assumem perante a dominação social.

Os Estudos Culturais direcionam-se no sentido de questionar a ordem vigente e as tradições da cultura erudita que, ao longo dos séculos, vem contribuindo para segregar e marginalizar todos os “outros” que não se enquadram em seus contornos. Dessa forma, os Estudos Culturais apresenta-se como um terreno fértil para estudos e debates sobre a diversidade cultural e os contextos a ela relacionados: exclusão, preconceito e discriminação das minorias (SILVA, 2009).

Todas essas discussões dentro da esfera educacional têm sido muito importantes, pois, permite entender de maneira diferente, mais ampla, a própria educação e os sujeitos que ela envolve. Nesse sentido:

Os Estudos Culturais em Educação constituem uma ressignificação e/ou uma forma de abordagem do campo pedagógico em que questões como cultura, identidade, discurso e representação passam a ocupar, de forma articulada, o primeiro plano da cena pedagógica (COSTA, 2003).

Ao trazer para o plano pedagógico a discussão de temas que se encontram atrelados a relações de poder, os Estudos Culturais têm contribuído para a construção de uma sociedade e uma escola menos discriminatória, onde as diferenças precisam ser reconhecidas, bem como a pluralidade de

manifestações intelectuais, sociais e afetivas (MANTOAN, 2006).

Para problematizar o conceito de cultura, os Estudos Culturais partem do fundamento de que as sociedades modernas distinguem-se das sociedades tradicionais, caracterizando-se por um processo sem-fim de rupturas e fragmentações, sendo marcadas pela diferença (SILVA, 2000). Dentro dessas sociedades de mudanças rápidas, constantes e permanentes, a identidade não é concebida como algo único, fixo, imutável, mas como “pontos temporários de ligação” (HALL, 1998, p.6), onde

somos diariamente confrontados com uma multiplicidade desconcertante de identidades possíveis, com cada uma das quais poderíamos nos identificar – ao menos temporariamente (HALL, 1998, p. 15).

Vivemos em uma era onde não há mais espaço para sujeitos com identidades plenamente unificadas e apartadas do grupo social em que estão inseridos. Como argumenta Laclau (1990), o simples fato de estarmos vivos faz de nós sujeitos com identidades abertas, inacabadas, cujo fechamento se dá apenas na morte.

Dessa forma, os Estudos Culturais trazem uma importante contribuição para a construção de uma nova identidade social para as pessoas com deficiência, onde a identidade destas não se resume a condição de deficiência que possuem, mas envolve uma multiplicidade de aspectos e características que compõem a singularidade de quem são. Na ótica dos Estudos Culturais, as pessoas com deficiência não são vistas pela perspectiva de sua limitação, mas como um ser humano repleto de sentimentos, emoções, habilidades, que podem ter voz para expressar os seus desejos e pensamentos.

Outra grande contribuição dos Estudos Culturais para a visibilidade das pessoas com deficiência são as idéias que esse campo traz em relação à diferença e diversidade. Em uma sociedade que busca a inclusão, é preciso ter cuidado ao adotar uma postura de aceitação condescendente, pois de forma naturalizada, passa-se a reproduzir o preconceito. Antes de simplesmente “tolerar” ou “incluir”, é preciso problematizar a sociedade em que estamos inseridos, entendendo a cultura de homogeneidade que é imposta aos indivíduos através de estereótipos, para melhor classificá-los (CROCHIK, 1995). Nas palavras de Duschatzky e Skliar (2001):

A Modernidade inventou e se serviu de uma lógica binária, a partir da qual denominou de diferentes modos o componente negativo da relação cultural: marginal, indigente, louco, deficiente, drogadinho, homossexual, estrangeiro etc. Essas oposições binárias sugerem sempre o privilégio do primeiro termo e o outro, secundário nessa dependência hierárquica, não existe fora do primeiro mas dentro dele, como imagem velada, como sua inversão negativa (p.123)

Tais oposições, que se relacionam com a classificação simbólica da diferença, produzem e mantém a ordem social, pois sempre um dos termos vai ser privilegiado, recebendo um valor positivo, enquanto o outro recebe uma carga negativa, estando vinculados a relações de poder (DANTAS, 2009). Assim, é preciso questionar o padrão de normalidade, com base no qual a sociedade moderna distingue os “normais” dos “anormais”, a fim de não naturalizar, como afirma Veiga Neto (2001), essa diferenciação legitimando como norma certa.

A diversidade, que se encontra diretamente relacionada com a construção social, histórica e cultural das diferenças, constitui-se pela pluralidade incorporada pelas transformações da sociedade em mutação (HALL, 2006). No entanto, mais do que se preocupar em como caracterizar melhor o termo diversidade e quem o compõe, Skliar (2006) esclarece que o mais importante é compreender como as diferenças nos constituem como humanos e como somos feitos de diferenças.

Com base nessas discussões trazidas pelos Estudos Culturais é possível questionar o estigma incapacitante colocado sobre as pessoas com deficiência e compreender que as suas diferenças não devem ser motivo para exclusão. É dentro dessa ótica que surge o movimento de autoadvocacia, trazendo uma nova perspectiva de vida para esse grupo social, onde eles possuam plena participação social, autonomia para falar por eles mesmos e voz para lutar pelos seus direitos.

2.2 O movimento de autoadvocacia e sua inserção nos Estudos Culturais

Conforme mencionado no item anterior, ao longo dos séculos as pessoas com deficiência foram alijadas do direito de escolher e direcionar sua própria vida, sendo confinadas em instituições de caridade e assistencialismo (NEVES, 2000). O direito à educação foi-lhes negado durante muito tempo e, mesmo quando inseridos no ambiente escolar, este, concebido como um espaço de relações sociais, “parece reforçar ainda mais a ordem, a regularidade do comportamento padrão não considerando as diferenças e singularidades dos indivíduos” (SHIMONO, 2008, p. 15).

Todos esses mecanismos de coação e segregação a que foram submetidos esses sujeitos, até mesmo dentro da escola, trouxeram conseqüências na formação de sua identidade, no processo de socialização, nas relações de afetividade com o meio (SHIMONO, 2008). A fim de romper com essa condição de marginalidade, nos últimos anos, as pessoas com deficiência tem se organizado para conquistarem sua visibilidade na sociedade. É dentro desse contexto que floresce o movimento de autoadvocacia, apresentando-se como “uma possibilidade de subverter esse quadro histórico social de exclusão” (SOARES, 2010, p.14).

Esse movimento surge embasado em iniciativas que lutam pela garantia dos direitos humanos para grupos minoritários que, a despeito da Declaração da ONU de 1948, ainda sofrem discriminações e não desfrutam de condições igualitárias na sociedade. Assim, “são iguais que se unem para defender interesses comuns e estabelecer políticas de atendimento de cunho coletivo” (NEVES, 2000, p. 118), em uma luta pela cidadania plena e por melhores condições de vida.

A insatisfação diante da crença de que as pessoas com deficiência são incapazes e impedidas de opinar, decidir, liderar, deu impulso para o desenvolvimento da autoadvocacia. Esse movimento tem seus primeiros alicerces na Suécia, durante os anos 60, quando pessoas com deficiência intelectual começaram a organizar e gerenciar seus próprios grupos de lazer.

Em pouco tempo, esse incipiente movimento de resgate da auto-confiança e auto-estima das pessoas com deficiência, se expandiu e alcançou a Grã-Betanha e o Canadá (NEVES, 2005), onde houve a formação do primeiro grupo de autoadvogados, ao qual deram o nome de People First. A tradução desse termo para o português traz a idéia de “pessoas em primeiro lugar” significando que a pessoa, com todas as suas peculiaridades e características, existe antes da sua deficiência. Nesse sentido, os Estudos Culturais traz grandes contribuições para esse movimento ao proporcionar a discussão das identidades pós-modernas como algo complexo, diariamente mutável e que, portanto, não se limitam a uma única condição ou deficiência.

Na época em que o movimento de autoadvocacia surgiu, a confinação das pessoas com deficiência em instituições de caridades era muito forte, o que tornava esse grupo social invisível na malha social e sem oportunidades de participação efetiva. O movimento do People First iniciou então, uma acirrada luta em prol da retirada das pessoas com deficiência dessa patente de custódia e assistencialismo, a fim de inseri-las na sociedade de forma plena. A partir desse momento, houve o florescimento de ações, conferências, convenções, que permitiram o surgimento de líderes de dentro do próprio movimento, fato esse que fortaleceu muito a visibilidade das pessoas com deficiência enquanto porta-vozes de seus direitos. O movimento adquiriu uma dimensão internacional e possui hoje grupos de autoadvogados espalhados por vários países como Grã Bretanha, Austrália, México, Colômbia, Canadá, Nova Zelândia, etc (NEVES, 2005).

No Brasil, especificamente, o conceito de autoadvocacia foi lançado em 1986, durante o IX Congresso Mundial da Liga Internacional de Associações para Pessoas com Deficiência Mental, realizada no Rio de Janeiro sob o comando da Federação Nacional das APAES. Esse congresso foi o passo inicial para o desenvolvimento da autoadvocacia no nosso país, e desde então, esse movimento vem paulatinamente se difundindo, mas ainda é pouco conhecido e incentivado (GLAT, 2004). Disto resulta a importância de pesquisas que oportunizem a expansão e o conhecimento do mesmo.

Organizado e dirigido por e para pessoas com deficiência, a autoadvocacia norteia-se pelo princípio básico que o próprio indivíduo, tenha ele a deficiência que tiver, tem o direito e o dever de participar de decisões sobre a sua pessoa (NEVES, 2005). Nesse sentido, a autoadvocacia configura-se como:

A ação ou o discurso de uma pessoa sobre seu próprio comportamento sem a intervenção de outras pessoas. É a extensão natural do processo de empoderamento e se espelha na experiência de outros grupos na sociedade que tem buscado substituir a intervenção de outros pela sua própria ação. (GARNER; SANDOW, 1995, p. 2).

 Esse movimento surge fundamentado no paradigma do empoderamento, tornando-se uma extensão deste, pois a autoadvocacia representa uma ferramenta para romper com o assujeitamento de grupos sociais marginalizados, oportunizando as pessoas com deficiência o sentimento de pertencimento, de reconhecimento dos seus direitos e de sua capacidade de lutar de forma pró-ativa (SOARES, 2010).

A autoadvocacia configura-se como um termo multifacetado, podendo ser ao mesmo tempo uma filosofia, um movimento político ou um programa de suporte psicoeducacional (GLAT, 2004). Nas palavras de Corrigan (2008, p.17), a autoadvocacia é definida como “um princípio ou conceito universal que se aplica a toda a gente”. Assim, a autoadvocacia se apresenta como um conceito inovador que orienta movimentos sociais de grupos desempoderados (SOARES, 2010) trazendo uma nova perspectiva de vida para esses grupos.

Assim como os Estudos Culturais, que luta contra a marginalização e discriminação de grupos sociais distintos, o movimento de autoadvocacia objetiva quebrar as barreiras do preconceito e da exclusão em relação às pessoas com deficiência. Essas barreiras atitudinais apresentam-se muito mais complexas do que as barreiras físicas, já que dependem de mudanças culturais e do desenvolvimento de novos valores nas relações que permeiam a sociedade e as pessoas com deficiência (SHIMONO, 2008, p.16). O exercício da autoadvocacia na vida de jovens com deficiência apresenta-se como uma importante ferramenta para romper com a visão científica e clínica que se tem acerca da pessoa com deficiência como alguém que “não tem controle sobre seu próprio comportamento, sem condições de agir independentemente no dia a dia” (GLAT, 2004, p. 2).

A adoção pelo movimento do lema ‘nada sobre nós sem nós’, da Convenção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (ONU, 2008), expressa que ninguém sabe mais sobre as pessoas com deficiência do que elas próprias, e nesse sentido, “a participação nas decisões passa a representar os anseios das pessoas com deficiência, que almejam independência e autodeterminação para viver em sociedade” (SHIMONO, ano, p. 27).

Para alcançar os objetivos a que se propõe, o movimento de autoadvocacia está alicerçado em quatro diretrizes fundamentais, que englobam tanto o aspecto político quanto o educacional (no sentido mais amplo). São elas (GLAT e FELLOWS, 1999 in GLAT 2004):

  • Eliminação de rótulos: a pessoa é considerada em primeiro lugar e não a deficiência, pois o rótulo de deficiente tem um efeito muito limitador e discriminador na vida dessas pessoas.
  • Identidade própria: paralelo ao objetivo de eliminação de rótulos, uma das metas do movimento é proporcionar as pessoas com deficiência a afirmação de suas identidades, como indivíduos únicos e singulares.
  • Autonomia e participação: um dos grandes objetivos, talvez o maior, da autoadvocacia é proporcionar aos jovens com deficiência independência e autonomia nas decisões que afetam as suas vidas. O princípio que norteia essa diretriz é o pressuposto que todos, enquanto cidadãos, possuem o direito de fazer suas escolhas e arcar com os erros e conseqüências advindas delas.
  • Defesa de seus próprios direitos: um dos pilares da autoadvocacia, como o próprio nome expressa, é desenvolver nos jovens com deficiência a habilidade para serem porta-vozes de seus direitos, sem necessitarem de pais ou tutores para falar em nome deles.

Todas essas diretrizes que fundamentam o movimento de autoadvocacia direcionam-se no sentido de desconstruir o estigma colocado pela família e pela sociedade sobre as pessoas com deficiência. A respeito dessa discussão, Goffman (1988) demonstra como categorizamos o estranho à nossa frente, imputando-o atributos a priori, deixando de se relacionar com o sujeito real. Nesse sentido, a autoadvocacia possui o condão de desmistificar o pré-julgamento que há sobre as pessoas com deficiência, principalmente quanto à incapacidade de tomar decisões e ter o controle de suas vidas.

Para eliminar esses rótulos e assim possibilitar participação efetiva, o movimento de autoadvocacia dentro do campo dos Estudos Culturais, concebe a identidade não como um núcleo essencial, mas como um contingente, apresentada como um produto da intersecção de diferentes componentes, de discursos políticos e culturais, de histórias particulares (Woodward, 2000) e características únicas. Na ótica dos Estudos Culturais,

a deficiência deixa de ser uma categoria fechada em si mesma e, assim, a pessoa deficiente passa a ser um sujeito histórico, ocupa um lugar social, num tempo marcado (CAIADO, 2003, p. 188)

Dessa forma, a autoadvocacia está presente na vida de pessoas que conseguem romper com a condição de invisibilidade e assumem o seu papel de cidadãos, vivendo de maneira digna como qualquer outro indivíduo. Importante destacar que qualquer sujeito, independente do grau de deficiência e comprometimento que possua, pode tornar-se um autoadvogado, pois a autonomia se manifesta de maneira singular em cada indivíduo. Assim como esclarece Glat (2004), quando para uns a autoadvocacia pode representar o engajamento em um movimento em prol da defesa dos direitos das pessoas com deficiência, para outros pode representar – porém não menos importante – aprender a expressar os seus sentimentos e vontades perante os membros da família, escolher o que vai vestir, etc.

Nesse sentido, o movimento de autoadvocacia também se insere na perspectiva dos Estudos Culturais, pois, objetiva problematizar as diferenças e lutar contra o discurso da homogeneidade. Duschatsky e Skiliar (2001) alertam sobre a tolerância às diferenças, pois esta pode ser traduzida como sinônimo de aceitação, não permitindo que o outro se constitua como sujeito político. Assim, tanto o movimento de autoadvocacia quanto os Estudos Culturais buscam não se adequar a essa falsa tolerância que mascara as desigualdades, mas celebrar as diferenças e as identidades ‘flutuantes’, como afirma Hall (2003), que caracterizam a sociedade pós-moderna em que estamos inseridos.

Considerações Finais

            O século XXI marca o início de uma era em defesa de grupos sociais historicamente vulneráveis, colocados à margem da sociedade e impedidos de exercerem muitos dos seus direitos humanos fundamentais. A despeito da Declaração de Direitos Humanos da ONU ter sido publicada desde a década de 40, pessoas de origens e com diferentes condições não desfrutam do princípio da igualdade e da dignidade humana da mesma maneira que os demais cidadãos.

Nesse mesmo contexto em que foi publicada a referida Declaração, período em que o mundo passava por grandes transformações devido a Segunda Guerra Mundial, nasce o campo dos Estudos Culturais, constituindo-se um terreno fértil para discussão e debate sobre a teoria cultural, bem como os temas que se relacionam a ela como exclusão, preconceito, discriminação das minorias, subalternidade, etc. Apesar de não possuírem as delimitações de uma disciplina comum, todas as discussões que perpassam os Estudos Culturais permeiam a problematização dos fatores que perpetuam a marginalização de membros de raças e etnias distintas, de pessoas pertencentes a grupos populares, classes em situação de desvantagem econômica e inúmeros outros (COSTA, 2003).

Dentre estes grupos sociais marginalizados, encontram-se as pessoas com deficiência que foram, ao longo dos séculos, privadas de ocuparem diversos espaços sociais e escolares, bem como impedidas de exercerem sua cidadania de maneira plena.

Nesse panorama histórico de exclusão, surgem muitos movimentos e iniciativas que objetivam lutar por melhores condições de vida para essas pessoas. Neste estudo, destacamos o movimento da autoadvocacia que surgiu na década de 60 e configura-se como uma ferramenta para possibilitar a participação plena das pessoas com deficiência na sociedade e, principalmente, no controle de suas vidas.

No decorrer do texto, situamos os Estudos Culturais, conceituamos o movimento de autoadvocacia e demonstramos a intrínseca relação existente entre este movimento e o campo dos Estudos Culturais para o empoderamento de pessoas com deficiência. Ao problematizar os conceitos de cultura, identidade, diferença, diversidade, os Estudos Culturais trazem grandes contribuições para que se possa compreender a pessoa com deficiência além de sua limitação e vê-la como um sujeito com uma identidade própria. Na ótica deste campo é possível compreender as diferenças como algo que nos completa enquanto seres humanos e não como algo que nos inferioriza. Assim, tais diferenças devem constituir motivo para celebração e não para preconceito, estigmas, exclusão.

O movimento de autoadvocacia insere-se nessa perspectiva dos Estudos Culturais, uma vez que constitui uma ferramenta para a visibilidade e empoderamento de grupos sociais marginalizados. Este movimento viabiliza a desconstrução do mito de incapacidade propagado há tanto tempo no imaginário social em relação às pessoas com deficiência, que faz delas pessoas infantilizadas e impedidas de opinar, decidir, se posicionar. Ao possibilitar que as pessoas com deficiência tornem-se porta-vozes de seus direitos e das escolhas concernentes às suas vidas, a autoadvocacia constrói uma nova identidade e um novo olhar da sociedade em relação a esse grupo social.

Portanto, concluímos este estudo afirmando que o movimento de autoadvocacia na ótica dos Estudos Culturais, ambos objetivando lutar contra a discriminação e o preconceito existente nos diversos espaços sociais, constitui um esplêndido caminho para romper com a invisibilidade e proporcionar o empoderamento de pessoas com deficiência.

Referências Bibliográficas

CAIADO, Kátia Regina Moreno. Lembranças da escola: histórias de vida de pessoas deficientes visuais. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo: 2003.
COSTA, Marisa Vorraber (org.). Estudos Culturais, Educação e Pedagogia. Rev. Brás. Educ., Rio de Janeiro, n. 23, ago. 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br//scielo.php.?script=sci_arttext&pid=S1413-24782003000200004&Ing=pt&nrm=iso> Acesso em: 05/04/2011.
CROCHIK, J. Leon. Preconceito: indivíduo e cultura. São Paulo: Robe, 1995.
DUSCHAZKKY, Silvia; SKLIAR, Carlos. O nome dos outros: narrando a alteridade na cultura e na nação. In: LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos (orgs). Habitantes de papel: políticas e poéticas da
DANTAS, O.C.D.B. Diversidade Cultural na ótica da Educação Inclusiva e dos Estudos Culturais: um caminho para novas práticas educativas. In: Congresso Internacional da Afirse, João Pessoa, 18 a 21 de outubro, 2009.
FERREIRA, Windyz Brazão. Invisibilidade, crenças e rótulos: reflexão sobre a profecia do fracasso educacional na vida de jovens com deficiência. In: IV CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE SÍNDROME DE DOWN FAMÍLIA, AGENTE DA INCLUSÃO, Salvador, 09 a 11 de setembro, 2004. Anais… Salvador: Federação da Síndrome de Down, 2004a.
FIGUEIRA, Emílio. Caminhando em silêncio: Uma introdução á Trajetória das Pessoas com Deficiência na História do Brasil. São Paulo: Giz, 2008.
GARNER, Philip; SANDOW, Sarah. Advocacy, Self-advocacy and Special Needs. London: David Fulton, 1995.
GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.
GLAT, Rosana. Auto-defensoria / Auto-gestão: movimento em prol da autonomia de pessoas com deficiência mental – uma proposta político-educacional. Anais do 9º Congresso Estadual das APAEs de Minas Gerais, disponível em CDRom. Belo Horizonte/MG, 2004.
__________ e FELLOWS, M.B. A pessoa portadora de deficiência defendendo seus direitos. XIX Congresso Nacional das APAES. Belo Horizonte, MG: 1999.
LACLAU,J. New Reflections on the Resolution of four Time. Londres: Verso, 1990.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira – 11e.d – Rio de Janeiro? DP&A, 2006.
MANTOAN, Maria Teresa Égler. O direito de ser, sendo diferente, na escola. In: RODRIGUES, David (org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006.
ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948). Disponível em: <http://www.mj.gov.br/sedh/ct/legis_intern/ddh_bib_inter_universal.htm.> Acesso em: 08/04/2011.
SHIMONO, Sumiko Oki. Educação e Trabalho: caminhos da inclusão na perspectiva da pessoa com deficiência. São Paulo: s.n, 2008. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.
SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. 9. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.
SOARES, Alessandra Miranda Mendes. Nada sobre nós sem nós: formando jovens com deficiência para o exercício da autoadvocacia. João Pessoa: UFPB, 2010. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba.
SKLIAR, Carlos. A inclusão que é “nossa” e a diferença que é do “outro”. In: Rodrigues, D.(org.) Inclusão e Educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006.
VEIGA-NETO,J. Incluir para excluir. In: LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos (orgs). Habitantes de papel: políticas e poéticas das diferenças. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.
____________. Estudos Culturais em educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema… Porto Alegre, Ed. Universitária /UFRGS, 2000.
NEVES, Tânia Regina Levada. Movimentos sociais, auto-advocacia e educação para cidadania de pessoas com deficiência mental. São Carlos: UFSCAR, 2000. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação Especial da Universidade Federal de São Carlos.
_______________. Educar para a cidadania: promovendo a auto-advocacia em grupos de pessoas com deficiência. São Carlos: UFSCAR, 2005. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação Especial da Universidade Federal de São Carlos.
Hall, S. Da diáspora: Identidades e mediações culturais. Org. Liv Sovik & Trad. Adelaine La Guardia Resende. .. [et al]. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.
Woodward, K. Identidade e Diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Silva, T. T. da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

Published by

Ergonomia e inclusão laboral de pessoas com deficiência

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar a revisão realizada sobre os elementos da Ergonomia que auxiliam a adaptação dos postos de trabalho às pessoas com deficiência (PD). Aborda-se algumas questões: contribuição da ergonomia no processo de inclusão laboral, influência da análise da tarefa/atividade e a avaliação das capacidades funcionais do trabalhador com deficiência. Também são apresentados e discutidos três métodos e técnicas específicas de adaptação de postos de trabalho à PD encontrados na literatura. Assim, observa-se que a ergonomia é uma ferramenta essencial para o processo de adaptação de postos de trabalho à pessoa com deficiência, na medida em que adapta para facilitar o uso com segurança e conforto para o usuário.

Palavras-chave: ergonomia, postos de trabalho, pessoa com deficiência.

Abstract

The aim of this paper is to present the review undertaken of the elements of ergonomics that help the adjustment of employment to persons with disabilities. It addresses a few issues: the contribution of ergonomics in the process of inclusion of labor, influence the analysis of the task / activity and the evaluation of the functional capabilities of the disabled worker. Are also presented and discussed three specific methods and techniques to adapt workplace to the people with disabilities in literature. Thus, it appears that ergonomics is an essential tool for the adaptation of workplace to people with disabilities, as it adapts to facilitate use with safety and comfort for the user.

Keywords: ergonomics, workplaces, people with disabilities

Introdução

Apesar dos incentivos que se tem dado à inclusão da pessoa com deficiência (PD) no mercado de trabalho, tem-se encontrado algumas dificuldades, tais como: a falta de capacitação profissional; a discriminação acerca do potencial funcional; e a presença de barreiras arquitetônicas, de design (postos de trabalho, equipamentos, ferramentas) e organizacionais. Desta forma, é fundamental entender as interações entre as pessoas e os elementos do trabalho, a partir dos fundamentos e métodos da Ergonomia, de modo a possibilitar a adequação do trabalho às capacidades da pessoa com deficiência.

Há alguns anos, em âmbito nacional e internacional, a inclusão laboral de pessoas com deficiência tem sido objeto de discussão em diversos fóruns de debate (BAPTISTA & MARTINS, 2004). No Brasil, o processo de inclusão de PD no trabalho tem sido bastante discutido principalmente pelo fato existir no país cerca de 9 milhões de pessoas com deficiência que estão em idade produtiva, das quais 1 milhão trabalham e somente 200 mil possuem empregos formais (Instituto Ethos, 2002). Por outro lado, observa-se que o número de PD contratados limita-se à exigência legal e suas capacidades são subestimadas, sendo inseridos, geralmente, em funções pouco valorizadas (BÍSSIGO, 2004).

Assim, o objetivo deste artigo é apresentar a revisão realizada sobre os elementos da Ergonomia que auxiliam a adaptação dos postos de trabalho às pessoas com deficiência.

2. Fundamentação Teórica

A Ergonomia voltada à inclusão laboral das PD não tem um objetivo diferente das outras situações, pois ela sempre irá procurar adaptar o trabalho às características do trabalhador, independente da sua condição de saúde.

De acordo com Gualberto Filho et al (2002) a ergonomia se torna indispensável tanto para maximizar as capacidades da pessoa com deficiência, como também para que as ocupações disponíveis para estes trabalhadores ofereçam condições ideais de trabalho, tanto em termos de acessibilidade como na adequação do ambiente de trabalho (estrutura física e organizacional), evitando principalmente o agravamento da incapacidade ou deficiência existente e/ou o surgimento de novas.

Para que haja uma adequada inserção laboral das pessoas com deficiência, Chi (1999) menciona que deve ser feita uma avaliação precisa e detalhada, enfocando dois importantes aspectos, um centrado na avaliação do indivíduo, que consiste: no seu interesse pelo trabalho, suas capacidades e incapacidades que poderiam afetar seu desempenho nos empregos disponíveis; e outro fundamentado nos aspectos ergonômicos, tais como: as exigências do trabalho e características das tarefas.

Dessa forma, Tortosa et al (1997) afirmam que é preciso comparar as demandas do trabalho e as capacidades da PD, ou seja, avaliar as habilidades do indivíduo e determinar as demandas e requisitos da atividade de trabalho. A meta é que as demandas do trabalho não superem as capacidades funcionais do trabalhador com deficiência e o posto seja acessível e seguro.

Então, a comparação das exigências do posto de trabalho com a capacidade funcional do trabalhador com deficiência tem como objetivo verificar se o trabalho não tem uma exigência menor ou maior do que o trabalhador pode desenvolver. Dessa forma, evita-se que a pessoa com deficiência tenha que se esforçar para se adaptar ao trabalho ou então que o trabalho seja muito aquém das suas qualificações profissionais.

Outro enfoque ergonômico muito importante utilizado no processo de inclusão laboral das PD, consiste na adaptação dos seus postos de trabalho, pois é através deles que se garantem a independência do trabalhador com deficiência para realização das suas tarefas.

Os postos de trabalho das pessoas com deficiência devem permitir ou facilitar o desenvolvimento de suas capacidades e habilidades individuais, evitando também a progressão de deficiências que já existem e/ou a aparição de outras novas (TORTOSA, 1997).

No campo do trabalho, a deficiência é muito mais determinada pela ausência de um ambiente adequado do que pela presença de uma limitação pessoal (PASTORE, 2000). A deficiência deve ser vista apenas como um fator secundário se comparado com as capacidades e habilidades das PD (OIT, 1997).

A adaptação dos postos de trabalho para as pessoas com deficiência pode variar tanto na complexidade de cada caso, quanto nos recursos necessários. Consequentemente, o planejamento de cada adaptação também varia com o tempo, esforço e os profissionais envolvidos, sendo importante a presença de fisioterapeutas, engenheiros, arquitetos, designers e outros profissionais. Além do mais, o processo de adaptação deve envolver as pessoas afetadas (a PD, o empregador e os colegas de trabalho) como participantes ativos na obtenção de um bom resultado.

Um posto de trabalho não adaptado ao trabalhador com deficiência, assim como a qualquer trabalhador, levará prejuízos a empresa, como a queda da produtividade, aumento do absenteísmo, maior probabilidade de acidentes de trabalho e de erros. Também prejudicará o trabalhador, pois irá levá-lo a um maior esforço para se adaptar ao posto de trabalho, aumentando a fadiga, o estresse, as posturas inadequadas e risco de lesões músculo-esqueléticas (OLIVEIRA, et al, 2001).

Assim, verifica-se que a ergonomia é uma ferramenta essencial para o processo de inclusão da PD no mercado de trabalho. Através de seus métodos e técnicas pode-se conseguir as adequadas adaptações dos postos de trabalho ao trabalhador com deficiência. Para isso é necessário:

– Avaliar as capacidades funcionais da PD, definindo um perfil das capacidades e habilidades do trabalhador;

– Definir as exigências físicas, organizacionais e cognitivas dos postos de trabalho através da análise da tarefa;

– Analisar os dados da avaliação da capacidade funcional e das exigências da tarefa para definir quais postos de trabalho poderão ser ocupados pela PD analisada;

– Propor as adaptações viáveis, se necessário, ao posto de trabalho;

– Projetar e implantar as adaptações necessárias para o processo de inclusão laboral da pessoa com deficiência;

– Reavaliar as adaptações realizadas no posto de trabalho após o uso pela PD, com o objetivo de verificar se estão adequadas, se resolveram os antigos problemas ou se estão provocando novas inadequações.

Também é de igual importância ao processo de inclusão laboral da pessoa com deficiência, verificar a implementação dos princípios da acessibilidade e design universal nos ambientes de trabalho.

3. Análise da Tarefa e da Atividade de Trabalho

Segundo Santos e Fialho (1995) tarefa é o prescrito, ou seja, que o trabalhador deve realizar incluindo as condições ambientais, técnicas e organizacionais para esta realização. Para tanto, na análise da tarefa devem ser realizadas a análise de documentos e observações sistemáticas, nas quais se consideram os seguintes aspectos:

A) Condições organizacionais
1. Dados referentes ao homem – Característica da população (idade, sexo), número de operadores, jornada de trabalho, rotatividade, formação e experiência.
2. Dados referentes à organização do trabalho – Organização coletiva de trabalho, repartição das tarefas, relações hierárquicas, duração, horários e ritmos de trabalho e acidentes de trabalho.

B) Condições técnicas
Dados referentes aos equipamentos – máquinas e equipamentos existentes, meios de proteção, meios de informação e meios de comunicação.

C) Condições físicas e ambientais
Análise subjetiva de condições ambientais sonoras, térmicas, luminosas e tóxicas, bem como da concepção antropométrica dos postos de trabalho.

A análise da tarefa deve ser realizada em duas partes, a primeira chamada de descrição da tarefa, em um nível mais global e a segunda de descrição das ações, num nível mais detalhado (Iida, 2005). A tarefa poder ser chamada também de trabalho prescrito.

A descrição da tarefa engloba os aspectos gerais da tarefa, como: objetivo, operador, características técnicas, aplicações, condições operacionais, condições ambientais e condições organizacionais. Naturalmente, dependendo do tipo da tarefa, a descrição não precisará abranger todos esses itens, pois certas características podem ser bem conhecidas (Iida, 2005).

As ações segundo Iida (2005) devem ser descritas em um nível mais detalhado que a tarefa. Elas se concentram mais nas características que influem no projeto da interface homem – máquina e se classificam em informações e controles. As informações referem-se às interações no nível sensorial do homem (exemplo: tipos e características dos sinais) e, os controles, no nível motor ou das atividades musculares (exemplo: tipo de movimento corporal exigido, membros exigidos no movimento, tipos e características dos instrumentos de controle). A análise das ações é também denominada de análise das atividades.

A análise da atividade corresponde à maneira pela qual o homem dispõe de seu corpo (seu sistema nervoso, órgãos sensoriais etc.), sua personalidade (seu caráter, sua história) e suas competências (formação, aprendizagem, experiência) para realizar um trabalho (GUÉRIN et al., 1997). Assim, a análise da atividade de trabalho, apresenta aspectos físicos, sensoriais, mentais e relacionais.

A atividade de trabalho, também conhecida como trabalho real, é o elemento central, organizador e estruturante dos componentes de uma situação de trabalho. A atividade de trabalho é uma resposta às exigências determinadas externamente ao trabalhador e que ao mesmo tempo é capaz de sofrer transformações.

Assim, o objetivo final, da análise da atividade é a compreensão abrangente da situação de trabalho e a identificação dos elementos determinantes dessa situação. Aponta-se como fundamental a validação da análise pelos próprios trabalhadores (WISNER, 1994).

Tanto a análise das tarefas quanto a análise das atividades são fases importantes da Análise Ergonômica do Trabalho. Através destas análises é possível conhecer as exigências do posto de trabalho e verificar as capacidades físicas e cognitivas do trabalhador, determinando as capacidades e habilidades da PD para o desenvolvimento das atividades no posto de trabalho.

Para García e Burgos (1994), através da análise da tarefa permite: a identificação de postos de trabalho cujas exigências estão ao alcance das capacidades dos trabalhadores com deficiência, assim como de postos suscetíveis a sofrer alguma modificação; a localização de postos de trabalho próprios para estas pessoas, já que identifica as exigências e as limitações impostas pela tarefa.

A análise da tarefa inclui sua descrição detalhada, avaliação da carga mental, física, condições ambientais e organizacionais do trabalho e acessibilidade ao posto, permite também detectar a necessidade de treinamento para uma determinada tarefa ou da necessidade de algum tipo de ajuda técnica para aumentar ou compensar a capacidade funcional do indivíduo (TORTOSA, 1997).

4. Avaliação da Capacidade Funcional da Pessoa com Deficiência

Percebe-se a necessidade de determinar o perfil funcional do trabalhador com deficiência para uma adequada adaptação ao trabalho. Para isso deve-se realizar uma avaliação detalhada das capacidades funcionais da PD determinando quais as suas habilidades e limitações.

A avaliação das capacidades funcionais pode ser usada nas seleções de emprego para garantir que os trabalhadores com deficiência sejam colocados de forma adequada, combinando suas habilidades com as exigências do trabalho (INNES, 2006).

Neste sentido, testes são geralmente utilizados para verificar se o indivíduo tem a capacidade de atender às exigências do trabalho (KING et al, 1998). Nos casos em que um indivíduo vai ser colocado em um novo emprego, acredita-se que seja necessária uma avaliação mais abrangente e genérica. As exigências devem ser testadas para obter o máximo de informações possíveis a fim de considerar uma variedade de possibilidades de emprego (LECHNER apud KING et al, 1998).

A avaliação detalhada da capacidade funcional do trabalhador com deficiência em conjunto com a análise da tarefa, permite a colocação adequada, combinando suas habilidades com as exigências do posto de trabalho. A associação do perfil funcional do trabalhador com as exigências do trabalho permite também definir quais os itens do trabalho necessitam ser adaptados ao indivíduo.

Segundo Fadyl (2009) para a colocação ou recolocação no trabalho de um individuo com deficiência, além da avaliação da sua capacidade funcional, deve englobar os seguintes fatores: avaliação psicológica; avaliação das habilidades cognitivas; avaliação das questões sociais e familiares; avaliação do comportamento e relacionamento interpessoal; avaliação do ambiente físico e social do local de trabalho.

Assim, dentre os métodos e técnicas de avaliação da capacidade funcional do sujeito, serão citados alguns encontradas na literatura.

4.1 Medida de Independência Funcional (MIF)

A Medida de Independência Funcional (MIF) é um instrumento de avaliação da incapacidade de pacientes com restrições funcionais de origem variada, tendo sido desenvolvida na América do Norte na década de 1980 por Granger et al. No Brasil, a MIF teve sua tradução e validação da versão em 2001, por Riberto et al (2004), apresentando também uma boa confiabilidade.

Seu objetivo primordial é avaliar de forma quantitativa a carga de cuidados demandada por uma pessoa para a realização de uma série de tarefas motoras e cognitivas de vida diária. Entre as atividades avaliadas estão os auto cuidados transferências, locomoção, controle esfincteriano, comunicação e cognição social, que inclui memória, interação social e resolução de problemas (Riberto et al, 2004).

O domínio cognitivo da MIF é um dos maiores diferenciais deste instrumento de avaliação funcional frente a outros, pois as atividades nele incluídas só costumam ser avaliadas em testes neuropsicológicos separados. A idéia de testar a independência funcional para as atividades cognitivas apresenta uma forma inovadora de abordar esses aspectos das funções cerebrais superioras, pois além de verificas a capacidade que o paciente tem na sua realização, ainda permite verificar a que ponto essa capacidade é reconhecida pelos familiares e cuidadores, que passam a delegar tais atividades ao paciente.

4.2. Índice de Capacidade para o Trabalho (ICT)

O Índice de Capacidade para o Trabalho (ICT) foi desenvolvido na Finlândia para ser utilizado nos serviços de saúde ocupacional com a proposta de identificar o quanto o trabalhador é capacitado para executar seu trabalho e servir como metodologia de avaliação, nos exames de saúde e pesquisas nos ambientes de trabalho, ou seja, avalia a percepção do trabalhador a respeito da sua capacidade de realizar o seu trabalho (TUOMI et al, 1997).

O ICT avalia a capacidade para o trabalho a partir da percepção do próprio trabalhador, por meio de dez questões sintetizadas em sete dimensões: (1) “capacidade para o trabalho atual e comparada com a melhor de toda a vida”, (2) capacidade para o trabalho em relação às exigências do trabalho”, por meio de duas questões sobre a natureza do trabalho (físico, mental ou misto); (3) “número atual de doenças auto-referidas e diagnosticadas por médico”, obtido a partir de uma lista de 51 doenças;  (4) “perda estimada para o trabalho devido a doenças”; (5) “faltas ao trabalho por doenças”; (6) “prognóstico próprio sobre a capacidade para o trabalho”; e (7) “recursos mentais”. Os resultados das sete dimensões fornecem uma medida da capacidade para o trabalho que varia de 7 a 49 pontos (MARTINEZ et al, 2008).

Em seus estudos, Medeiros Neto (2004) verificou que o ICT é aplicável para avaliação das capacidades funcionais da PD. O ponto negativo é que o instrumento ainda não foi validado no Brasil para aplicação em PD.

4.3. Sistema AMI (Available Motions Inventory)

O Sistema AMI foi desenvolvido originalmente para avaliar a capacidade residual das extremidades superiores de indivíduos com deficiências neuromusculares, como Paralisia Cerebral, durante a realização de tarefas manuais leves no âmbito industrial. É aplicado para avaliação funcional, colocação de PD no trabalho, quantificação das perdas funcionais por lesões ou acidentes, projeto e/ou modificação de tarefas, máquinas e ambientes de trabalho, assim como avaliação da execução do trabalho após modificar tarefas, determinando a melhora potencial da produtividade (TORTOSA et al, 1997).

Avalia a capacidade física da pessoa em 2 categorias: operações com comandos de controle e montagem, incluindo medidas de força, precisão e ritmo de execução física da pessoa, através de 72 avaliações diferentes em cada mão, onde as tarefas manuais do setor industrial são simuladas em uma cabine. A pontuação e análise dos dados são feitas no computador, através de um software específico.

Assim, essa ferramenta tem sua relevância na avaliação das habilidades da pessoa, com disfunções neuromusculares, com o objetivo de fornecer parâmetros para a definição dos postos de trabalho e das tarefas a serem realizadas pelo trabalhador no processo de inclusão laboral da PD.

5. Métodos e técnicas de adaptação de postos de trabalho a pessoa com deficiência

Neste item serão citados e explicados três métodos e técnicas utilizadas para adaptação de postos de trabalho à PD, que avaliam ao mesmo tempo suas capacidades funcionais e as exigências da tarefa para realizar o ajuste do posto à ao trabalhador com deficiência.

5.1. Método ERGODIS/IBV

O método ErgoDis/IBV foi desenvolvido pelo Instituto de Biomecânica de Valência (IBV). O IBV é um centro tecnológico que estuda o comportamento do corpo humano e sua relação com os produtos, serviços e ambientes utilizados pelas pessoas a fim de: prevenir riscos, promover e manter a saúde, melhorar a autonomia e a participação social das pessoas com deficiência e melhorar o conforto e satisfação das pessoas em relação aos produtos, serviços e ambientes que utilizam.

Assim, o IBV desenvolveu o método ERGODIS/IBV que é um software destinado à adaptação de estações de trabalho para pessoas com deficiências físicas, mentais e/ou sensoriais. Essa ferramenta foi validada em vários países e vários profissionais foram treinados para usá-la (FERRERAS et al, 2006).

Quando aplicado, deve ser seguidos 3 importantes passos:

  • Aplicação de formulários padronizados junto aos trabalhadores, visando buscar informações pessoais e sobre o trabalho;
  • Observação direta do desempenho dos trabalhadores e entrevistas com trabalhadores, supervisores e pessoas envolvidas, além de gravação de vídeo da tarefa, com verificação dos riscos;
  • Processamento dos dados e tomada de decisão.

Segundo Tortosa, 2000 as características do software são:

  • Permite analisar o trabalho e o trabalhador utilizando os critérios e níveis de avaliação similares para facilitar a comparação dos dados e a identificação do grau de ajuste ou desajuste entre as demandas do trabalho e a capacidade funcional de uma determinada pessoa.
  • Permite avaliar e prevenir os riscos derivados da atividade laboral tal como realiza o sujeito, com a finalidade de evitar o agravamento de deficiências já existentes e a aparição de deficiências novas.
  • Inclui a opinião do próprio trabalhador, tanto na hora de analisar a situação como na busca de soluções para resolver os possíveis problemas detectados durante a análise.
  • Pode ser utilizado em diversos contextos e com diferentes objetivos: seleção de emprego, desenho/redesenho do posto de trabalho, avaliação do retorno ao trabalho de uma pessoa com deficiência.
  • Se implementa em um programa informático, para facilitar o processamento dos dados e incorporar uma base de dados com recomendações sobre soluções de adaptações.

Dessa forma, realiza-se a coleta de informações referentes ao trabalho e ao sujeito, através de programa informatizado, seguido da análise e tratamento dos dados e decisão sobre o caso, em função dos resultados obtidos.

Além disso, o software estimará o nível de risco ergonômico decorrente da carga de trabalho físico e ambiental a fim de identificar quais aspectos do posto de trabalho e/ou da tarefa precisam ser modificadas. Para ambos os tipos de carga de trabalho, físico ou ambiental, o método ErgoDis/IBV considera cinco níveis de risco, sendo o nível cinco o que requer prioridade na intervenção ergonômica.

Ao final do processo, uma decisão é elaborada sobre a adequação de um trabalhador com deficiência para um específico trabalho, considerando a situação como um todo. A situação ideal ocorre quando há uma adequada exigência-capacidade em todos os itens analisados (isto é, o sujeito é capaz de fazer tudo que é necessário) e/ou quando não há risco detectado. Entretanto, é muito provável que alguma inadequação e/ou risco esteja presente.

A quantidade e a natureza dos problemas detectados determinarão a decisão a ser tomada, em termos de tentar medidas adaptativas ou procurar outro trabalho (Ferreras et al, 2006). Recomenda-se que, uma vez com os resultados se tome uma decisão final sobre o caso, considerando a situação em conjunto e contando com a opinião de todos os interessados.

É Importante destacar que o método inclui uma base de dados de recomendações sobre soluções de adaptações (ambientais, arquiteturais, organizacionais, comunicacionais), com possibilidade de realizar pesquisas combinadas segundo diferentes critérios e adicionar as recomendações encontradas aos resultados do caso.

5.2. Método ESAP (Evaluation Systémique dês Aptitudes Professionnelles)

Este método foi desenvolvido pelo Groupe Pluridiciplinire de Recherche et de Développement de Modèles Holistiques de Réadaptation (GRAVIR) de Bruxelas, Bélgica, para avaliar o trabalhador e o posto de trabalho, reciprocamente, contando inclusive com versão informatizada (VILLERS ET et al, 2002).

O ESAP sugere uma análise do perfil do trabalhador, do trabalho, e o perfil do ambiente físico em questão. São detectadas as atitudes do trabalhador, as exigências do posto de trabalho e as barreiras e/ou facilitadores do meio. Assim, é obtido o perfil da situação existente que poderá indicar adequação total do trabalhador ao posto, ou a necessidade de redefinições em algum dos quesitos analisados, ou, ainda poderá indicar incompatibilidade que indiquem o abandono do projeto.

As características da tarefa são relacionadas com as características do trabalhador, no posto de trabalho em questão. O resultado será a adequação total do trabalhador ao posto, ou a inadequação entre eles, sendo necessárias alterações em alguns itens analisados ou o abandono dessa atividade.

5.3. Método MAECES

Foi desenvolvido para facilitar o processo de inserção profissional dos trabalhadores com algumas limitações funcionais. Therriault e Lavoie, 2004 relatam que o MAECES pode ser utilizado para análise ergonômica de todas as situações de trabalho.

O Método permite uma análise simultânea das capacidades físicas e mentais do trabalhador e das exigências físicas e mentais do posto de trabalho, utilizando a mesma terminologia e pontuação, evidenciando, de forma precisa, as compatibilidades e diferenças entre as capacidades do trabalhador e as exigências do posto de trabalho (BARBOSA, 2007; THERRIAULT; LAVOIE; LAVOIE, 2006).

Possui 4 instrumentos distintos, mas complementares (THERRIAULT; LAVOIE; LAVOIE, 2006; THERRIAULT; LAVOIE, 2004):

  • Perfil das capacidades do trabalhador: os dados são recolhidos através de entrevista e é realizada uma avaliação subjetiva das sensações dolorosas. As questões mostram as ações necessárias para execução da tarefa, motivação e interesse em relação ao meio de trabalho, natureza das tarefas e importância das dificuldades para realizá-las, capacidade para tomar iniciativa e gerar um conjunto de ações. Os resultados são do tipo SIM ou NÃO, os quais correspondem a um valor numérico.
  • Perfil das exigências do posto de trabalho: é a segunda etapa; diz respeito às expectativas do meio de trabalho, os problemas vivenciados pelo trabalhador quando da execução da tarefa e no seu ambiente de trabalho, bem como as principais restrições encontradas. A coleta ocorre através de entrevista ao trabalhador, com resultados SIM ou Não.
  • Grade de comparação das capacidades do trabalhador mediante as exigências do posto de trabalho: pode ser utilizada tanto para descrever as capacidades de um trabalhador quanto para as exigências de um posto de trabalho. Therriault montou um formulário para análise em 3 níveis, processos (reflexos da função humana – motricidade, percepção, cognição, comunicação, emoção, comportamento social e atitude no trabalho), atividades (descrevem cada uma das funções citadas, como estar de pé ou sentado, aprender uma informação, elaborar uma estratégia, etc.) e comportamentos (descrevem cada atividade e o processo de forma específica, quantificando). No total, são 7 processos, 22 atividades e 105 comportamentos distintos.
  • Perfil da situação de trabalho: compila os resultados das 2 entrevistas e do período de observação da situação real de trabalho, originando um gráfico comparativo. Assim, será possível determinar com precisão as necessidades de adaptação do posto de trabalho ou de qualificação do trabalhador que apresenta limitações funcionais.

Considerações Finais

Investigar ferramentas informatizadas que possam colaborar na adequação dos postos de trabalho às pessoas com deficiência, tanto quanto aos demais trabalhadores, é de suma importância, o que nos leva a perceber a necessidade em aprofundar estudos no campo da ergonomia e nas contribuições que esta área tem para a inclusão do trabalhador pd.

Considerando o conceito de pessoa com deficiência, logo trabalhador com deficiência também, definido pela emenda constitucional 186/08, o entendimento de quem é a pessoa com deficiência passa pela compreensão  de que é a sociedade que impõe ao trabalhador incapacidades, mormente na interação em que haja barreiras atitudinais, e não exclusivamente em sua deficiência.

A adequação, pois, dos postos de trabalho e a identificação da capacidade laboral de uma pessoa toma um novo caminho. E esse caminho requer o aprofundamento  do conhecimento a respeito da CIF, conforme já explicitado anteriormente.

Precisamos, assim, fazer a observação de que as barreiras atitudinais que fala a referida emenda, a qual insere em nosso ordenamento   jurídico a Convenção sobre os Direitos da Pessoa com deficiência passam por barreiras programáticas, metodológicas, procedimenturais, atitudinais (propriamente ditas) e comunicacionais, dentre outras.

A respeito das barreiras comunicacionais, assim como em outras situações em que há a necessidade de se adequar o posto de trabalho ao trabalhador, é preciso que se quebre barreiras atitudinais, por exemplo, propiciando igualdade de condições e de oportunidades ao indivíduo com deficiência. Afinal, não se pode requerer de um empregado cego que freqüente um curso oferecido pela empresa e, sem lhe proporcionar acessibilidade comunicacional ao conteúdo do curso, cobrar-lhe o conteúdo aplicado ao seu trabalho. Sem uma áudio-descrição dos slides, filmes mostrando os procedimentos laborais etc. o trabalhador cego não terá as condições disponibilizadas aos demais trabalhadores videntes. O mesmo pode ser exemplificado com a falta de acessibilidade comunicacional em relação ao trabalhador surdo que participar de tal curso, sem a tradução das falas nele apresentadas.

Em outras palavras, precisa-se oferecer a áudio-descrição ao trabalhador cego e a tradução  em Libras para o trabalhador surdo, de modo que possam ser, de fato, avaliados quanto a estarem ou não aptos para um dado posto de trabalho.

Dessa forma, verifica-se que a Ergonomia é ferramenta essencial para a adaptação de postos de trabalho às pessoas com deficiência. Enquanto disciplina científica, a Ergonomia estuda as relações humanas e o trabalho, com o intuito de adequar esse sistema (humano, tarefa, máquina/ambiente) às habilidades e necessidades do trabalhador. Embora a pesquisa sobre os métodos e técnicas de avaliação da capacidade laboral, bem como sobre os métodos e técnicas voltados à adaptação de postos de trabalho a PD, necessite ser ampliada, constata-se a relevância do estudo. Outras questões também merecem atenção, como: a criação de estratégias em diversos setores, como educação e saúde, visando a formação de uma cultura inclusiva em entidades privadas e governamentais e a criação de programas de formação e (re)qualificação profissional às PD.

Referências

Baptista, A. H. N.; Martins, L. B. Ergonomia e classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde. In: XII Congresso Brasileiro de Ergonomia, 2004, Recife/PE, Anais… Recife/PE, 2004.
BARBOSA, C.S. Habilidades excepcionais: uma avaliação das capacidades produtivas de pessoas portadoras de deficiência mental. Dissertação de mestrado profissionalizante – Escola de Engenharia. Porto Alegre: UFRGS, 2007.
BÍSSIGO, M. C. K. Nível de satisfação de pessoas portadoras de deficiência ambulatórial com o trabalho e com as condições de acesso a empresas de Caxias do Sul. Dissertação de mestrado da Escola de Engenharia. Universidade Federal do rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2004.
CHI, C. A study on job placement for handicapped workers using job analyis data. International Journal of Industrial Ergonomics, v. 24, p. 337-351, 1999.
FADYL, J.K. Development of a new measure of work-ability for injured workers. Master Degree of Health Science – School of Rehabilitation and Occupation Studies. Auckland: Auckland University of Technology, 2009.
FERRERAS, A. et al. Ergonomic adaptation of workplaces for people with disabilities: case studies. In: Proceedings IEA Congress – Meeting Diversity in Ergonomics, 2006, Anais…Eur. Erg. Elsevier Ltd, 2006.
GARCÍA, M; BURGOS, C. Ergonomia para personas com discapacidad. In: Metodologias y Estrategias para La Integracíon Laboral. Madrid: FUNDACÍON MAPFRE MEDICINA, 1994. P. 79-89.
GUALBERTO FILHO, A.; et al. Uma visão ergonômica do portador de deficiência (mesa redonda). Recife: Anais do VII Congresso latino-americano de ergonomia (ABERGO), 2002.
GUÉRIN, F., LAVILLE, A., DANIELLOU, F., DURAFFOURG, J. & KERGUELEN, A. Compreender o trabalho para transformá-lo. A prática em Ergonomia. São Paulo: Edgar Blücher, 1997.
IIDA, Itiro. Ergonomia: projeto e produção. 2ª ed. rev. e ampl. São Paulo: Edgard Blücher, 2005.
INNES, E. Reliability and validity of functional capacity evaluations: an update. International journal of disability management research. Vol. 1 n. 1. 2006; pp. 135–148.
Instituto Ethos. (2002). O que as empresas podem fazer pela inclusão das pessoas com deficiência. São Paulo.
KING, M. P; TUCKWEL, N. BARRET, T. E. A critical review of functional capacity evaluations Phys. Ther. 1998; 78: 852-866.
Martinez, M. C; Latorre, M. R. D. O; Fischer, F. M. (2008). Validade e confiabilidade da versão brasileira do Índice de Capacidade para o Trabalho. Rev. Saúde Pública.
Medeiros Neto, C. F. de. (2004) A Influência dos fatores ergonômicos sobre a capacidade laboral de pessoas portadoras de deficiência física no setor calçadista paraibano: um estudo de caso. Dissertação de mestrado. Departamento de Pós-graduação em Engenharia de Produção. João Pessoa: UFPB.
OLIVEIRA, S.C.F.; TOMAZ, A.F.; BARBOSA FILHO, A.B.; LUCENA, N.M.G.; GUALBERTO FILHO, A. Adaptação de postos de trabalho ocupados por pessoas portadoras de deficiência física. In: 11º CONGRESSO BRASILEIRO DE ERGONOMIA, Gramado, 2001. Anais… Gramado: ABERGO, 2001.
ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Normas internacionais do trabalho sobre a reabilitação profissional e emprego de pessoas portadoras de deficiência. 2. ed. Brasília: CORDE, 1997.
PASTORE, J. Oportunidades de trabalho para pessoas com deficiência. São Paulo: LTr, 2000.
RIBERTO, M. et al. Validação da versão brasileira da medida de independência funcional. Acta Fisiátrica, 2004, 11: 72-76.
SANTOS, N; FIALHO, F. Manual de análise ergonômica do trabalho. Curitiba: Gênesis, 1995.
THERRIAULT, P.Y; LAVOIE, M. Maeces: método eficaz para inserção no trabalho. In: LANCMAN, S. Saúde, Trabalho e Terapia Ocupacional. São Paulo: Ed. Roca, 2004
THERRIAULT, P.Y; LAVOIE, M; LAVOIE, É. MAECES: a rehabilitation ergonomics tool. In: Proceedings IEA Congress – Meeting Diversity in Ergonomics, 2006, Anais…Eur. Erg. Elsevier Ltd, 2006.
TORTOSA, L. et al. Ergonomia y discapacidad. 1. ed. Madrid: Ministerio de Trabajo y Asuntos Sociales, 1997.
TORTOSA, L; FERRERAS, A; GARCIA-MOLINA, C. The ErgoDis method – a computer aided system for ergonomic assessment and fitting of workplaces to disabled workers. In: Landau, K (ed). Ergonomic software tools in a product and workplace desing. Institut fur Arbeitsorganisation, Stuttgart, Germay, 2000, pp 261-270.
TUOMI, K. et al. (1997). Índice de capacidade para o trabalho. Helsinki: Instituto de Saúde Ocupacional da Finlândia.
VILLERS, ET AL. Evaluation systémique dês aptitudes professionnelles (ESAP). Processus développé par l`asbl “GRAVIR”. Bruxelles: Groupe Pluridiciplinire de Recherche et de Développement de Modèles Holistiques de Réadaptation, 2002.
WISNER, A. A inteligência no trabalho: textos selecionados de ergonomia. São Paulo. Editora Fundacentro, 1994.

Published by