Uberlândia é exemplo de acessibilidade para deficientes

Publicado originalmente em: Jornal Nacional

Com 600 mil habitantes, cidade tem rampas de acesso em todas esquinas. Projetos novos só são aprovados se tiver plano para facilitar a mobilidade.

Nesta semana, o Jornal Nacional está apresentando uma série especial de reportagens sobre o desrespeito do Brasil com as pessoas com deficiência. Mas, nesta sexta-feira (18), você vai ver como seria perfeitamente possível diminuir muito o problema da acessibilidade no nosso país. O exemplo é de uma cidade de Minas Gerais.

Cadeirantes para todo lado, cegos andando na rua sem esbarrar em nada, surdos interagindo com outras pessoas. Quem vê até pensa que essa cidade tem mais deficientes do que qualquer outra no Brasil. O que Uberlândia, no Triângulo Mineiro, tem mais que as outras, é acessibilidade.

“Hoje a pessoa tem a liberdade de ir e vir. Elas trabalham, estudam, tem lazer. Então, hoje elas saíram de casa”, afirmou Denise Rezende Faria, coordenadora da Associação Paraplégicos de Uberlândia.

Jornal Nacional: Mas, de onde veio toda essa consciência?

Denise: Isso foi, assim, uma luta árdua. Foi um dia a dia matando leão e onça todos os dias.

Homem sentando na cadeira de rodas vestindo uma camisa roxa, calça jeans e vultos de pessoas caminhando de diversas direções
Homem sentando na cadeira de rodas vestindo uma camisa roxa, calça jeans e vultos de pessoas caminhando de diversas direções

A luta da Associação dos Deficientes valeu a pena: Uberlândia, com 600 mil habitantes, tem rampas de acesso em todas esquinas, no centro e nos bairros, sem distinção: 100% da frota de ônibus com elevadores para quem tem dificuldade de locomoção. Piso tátil para orientar deficientes visuais em todas as calçadas, terminais rodoviários, lojas e prédios públicos. Lá, cada projeto novo de rua, prédio ou loteamento só é aprovado se tiver plano pra facilitar a mobilidade dos deficientes.

Esse programa de acessibilidade existe em Uberlândia há 20 anos, e vai muito além da infraestrutura. É um exercício diário de cidadania que começa nas escolas municipais, onde desde cedo alunos e professores aprendem a conviver com as diferenças.

Linguagem de sinais para quem é surdo poder acompanhar a aula. Máquina de braile, para quem é cego poder anotar tudo. Rampas para alunos cadeirantes e usuários de muletas e carinho, muito carinho.

“A Ana Júlia, ela surpreendeu, que ela é bem inteligente, bem esperta. Está sendo superfácil. Está aprendendo, começando a ler a escrever. Adora vir pra escola. Adora estudar”, comemorou Simone de Fátima Silva, mãe de aluna.

Quem sai de Uberlândia leva a pergunta: por que a acessibilidade tem que ser restrita a algumas cidades, uns poucos prédios, raríssimas iniciativas?

Em Araxá, no mesmo estado de Minas, o deficiente que entrou na Justiça contra uma companhia aérea por falta de acessibilidade em certos aviões precisou ser carregado dentro do fórum da cidade, para chegar à sala do juiz.

“É, no mínimo, irônico, porque a Justiça que deveria estar nos resguardando, cumprindo com a lei porque ela prega a lei e cobra dos outros, ela não seque o que ela está pregando. O que se fala não é o que se faz”, protestou Manoel Stefani Furtado, administrador de empresas.

Mas, justiça seja feita; na capital do Brasil, o prédio do STJ é considerado modelo. “É um paraíso. Aqui é um órgão que eu acho que Deus escolheu pra mim. Prestei concurso pro STJ e não sabia que tinha essa estrutura toda aqui para um cadeirante”, disse Fernanda Zago, técnica judiciária.

De um modo geral, todos os prédios do governo, do Legislativo e do Judiciário são acessíveis. Mas se a Fernanda precisar atravessar a rua para ir do Superior Tribunal de Justiça até o Tribunal Superior do Trabalho: “Não tem acessibilidade. A gente pensa: estou na capital do Brasil e aqui no plano piloto, do lado da Câmara e do Senado, junto dos três poderes, não é acessível”, conta Fernanda.

Precisaria consciência e vontade política, segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas. A ABNT tem uma receita básica para ampliar a acessibilidade: rampas com pouca inclinação, no máximo 8%, e sempre construídas da porta para dentro, para não obstruir as calçadas. Escadas com corrimão, piso tátil, cerâmicas com retângulos e bolinhas em alto relevo e semáforo sonoro para guiar deficientes visuais. Transporte público com elevador e espaço exclusivo para cadeirantes, facilidades que podem fazer diferença não só para quem hoje precisa.

“O que a população esquece que é muito importante é que todos envelhecerão – aliás, é a vontade de todo mundo. E a pessoa, quando ficar velha, ela vai ter perda de mobilidade física, sensorial, visual, auditiva. Então, as pessoas não se preocupam com o futuro”, observou Edison Passafaro, instrutor e auditor das normas de acessibilidade da ABNT.

Segundo a ABNT, por maior que seja o custo para fazer tudo o que é necessário, esse preço nunca chegará nem perto do tamanho dos benefícios para todos.

O governo de Brasília reconheceu o problema da acessibilidade nas calçadas e afirmou que um programa de construção e recuperação está na fase final de orçamento. Sobre a falta de acesso para cadeirantes em Araxá, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais declarou que vai abrir licitação no ano que vem para construir um fórum novo, com rampas.

Published by

Aplicativo ‘guiaderodas’ faz mapa colaborativo da acessibilidade

Publicado em: Luiz Alexandre Souza VENTURA do Blogs Vencer Limites | Estadão

Disponível para iOS e Android, o app considera a existência de vagas especiais para estacionamento ou manobrista, condições de circulação interna, banheiro para pessoas com deficiência e mais detalhes em restaurantes, supermercados, lojas, cinemas, farmácias, consultórios, teatros, baladas e outros locais.

Bruno Mahfuz usa cadeira de rodas há 15 anos e já vivenciou todo tipo de situação na qual a falta de acessibilidade trouxe dificuldades reais. A partir dessas experiências, nem sempre agradáveis, Bruno criou o aplicativo ‘guiaderodas’.

“Percebi que pessoas em diferentes momentos da vida enfrentam problemas similares, seja por limitação provisória ou permanente de exercer suas funções rotineiras. Além disso, algumas facilidades beneficiam muito idosos de uma maneira geral, que mesmo sem nenhuma limitação funcional, tendem a preferir um elevador a uma escada”, explica o empreendedor.

Disponível nas versões para iOS e Android, o app faz um mapa colaborativo dos recursos acessíveis de qualquer cidade, com registros em restaurantes, supermercados, lojas, cinemas, farmácias, consultórios, teatros, baladas e outros locais.

Homem sentado na cadeiras de roda, usando roupa social
Bruno Mahfuz usa cadeira de rodas há 15 anos. Imagem: Divulgação

“A meta é facilitar a vida de todas as pessoas com algum tipo de dificuldade de locomoção, sejam cadeirantes, idosos, gestantes, mães com filhos pequenos ou pessoas com outras limitações físicas e funcionais”, diz Bruno.

Com o ‘guiderodas’, o usuário faz uma avaliação, que dura no máximo 30 segundos, e consegue classificar o estabelecimento como acessível, parcialmente acessível e não acessível. O aplicativo considera a existência de vagas especiais para estacionamento ou manobrista, entrada, condições de circulação interna, banheiro para pessoas com deficiência e outros detalhes.

“São perguntas claras e objetivas que podem ser respondidas por pessoas com dificuldade de locomoção ou não. Com o GPS, o ‘guiaderodas’ favorece a avaliação in loco do estabelecimento. Outros filtros de busca podem ser feitos, seja por algum local específico, categoria ou lugares já marcados como acessíveis”, destaca o criador do app.

Published by

Bancos não tem cumprido Lei da cadeira de roda

Notícia extraída de: http://180graus.com/politica/bancos-nao-tem-cumprido-lei-da-cadeira-de-roda-540338.html

Uma comissão formada por deputados e lideranças das entidades representativas de idosos e cadeirantes vai se reunir com o Ministério Público estadual e fazer uma visita às agências bancárias, terminais rodoviários e metroviários para verificar in loco quem está e quem não está cumprindo a lei que obriga essas instituições a disponibilizarem cadeiras de rodas para as pessoas que necessitarem utilizá-las.

A decisão foi tomada na manhã desta quinta-feira (05/07/12) durante audiência pública realizada pela Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, na sala das comissões técnicas da casa. A audiência foi solicitada pelo deputado Firmino Filho (PSDB).

Também ficou decidido pelos participantes da reunião que será feita pelas entidades representativas dos deficientes e idosos uma minuta de lei para reformar, atualizar e ampliar a Lei Estadual nº 5.390, de 26 de maio de 2004, que obriga as agências bancárias, os terminais rodoviários e metroviários a disponibilizarem cadeiras de roda para pessoas idosas e portadoras de deficiências, mas que é descumprida pela maioria das instituições.

Clique em “Leia Mais” para ler a matéria completa.
Continue reading Bancos não tem cumprido Lei da cadeira de roda

Published by