Sinal de Criança

Autor: Francisco Lima

Sinal de Criança

As meninas de outrora, querendo, não podiam negar.
Da mão de seus pais, com estranhos deviam casar.
Um dia foi assim; devemos lembrar.
Hoje é assim, basta olhar.
Meninas na ruas, sem casa, sem lar.
Nos sinais de Boa Viagem…a sorrir e dançar,
Esperando dinheiro, para si e seu par.
Meninas crianças que ao receberem moedas, nos fazem chorar,
Por vê-las nas ruas, em idade escolar.
Crianças mulheres, com fome de amar.
No sol e sem praia, nem escola, nem um lar.
Irmãs dos meninos, que nas esquinas, ficam cola a cheirar.
Enquanto turistas risonhos, à beira do mar,
Leem sobre os políticos safados, que só fazem roubar,
E mulheres, jovens crianças, nos sinais a dançar,
Menina criança, sem escola, sem lar,
Espera o dia, que o rico a passar
Leve sua honra, em troca de um lar.
Honra perdida, só resta chorar.
Então sem trabalho, dinheiro e a quem amar,
Agora mulher, jovem criança, com fome de dar,
Somará nas esquinas da Conselheiro Aguiar,
às mulheres sem maridos, com filho a criar.
Até um dia, quando se vir sem comer, brincar ou estudar,
Seu filho crescido, quererá a história mudar.
De arma em punho, se porá a roubar,
E o serviço fará, na Conselheiro Aguiar.
Longe de lá, num bairro esquisito,
Tendo o sol começado a brilhar, um cidadão entorpecido,
Coração apertado, cabeça em conflito, se porá a arrumar, na marmita, farinha e ovo frito.
E irá para o trabalho, com medo de encontrar
Criança menina, no sinal a dançar.
E o irmão dela, dias mais velho, pronto para matar.
Sabe o cidadão, ali em seu lar,
Que o risco é grande de à noite ficar,
Numa dessas esquinas, impedido de voltar.
Em casa seus filhos, sem pai a chorar
Sem entender porque no Recife, crianças sem lar,
Dão origem a jovens, que aprendem a roubar.
E com arma em punho, a vida a tomar,
Dando curso a história, de crianças sem lar: meninos e meninas, no sinal a “trabalhar”.

Leave a Reply