1 – Introdução Durante os dias 02 e 03 de novembro de 2010 ocorreu na Universidade Federal de Ouro Preto o 2º Encontro do Núcleo de Educação Inclusiva (NEI). O evento promoveu discussões e trocas de experiências entre pesquisadores, docentes, discentes e profissionais da área de educação e comunidade em geral, tendo como tema os … Continue reading RBTV #5: Blitz inclusiva/educativa no Museu de Ciência e Técnica da escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto (MCT/EM/UFOP)
undefined
Audio Description Worldwide Consortium
Áudio-descrição da logo da RBTV: Revista Brasileira de Tradução Visual. Em um fundo branco, a mão direita faz a letra t em libras. O indicador e o polegar se cruzam, os demais dedos ficam erguidos. Próximo ao indicador há, em verde, 3 ondas sonoras. Abaixo da mão, lê-se RBTV, com letras verdes e com letras Braille em preto.

RBTV #5: Blitz inclusiva/educativa no Museu de Ciência e Técnica da escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto (MCT/EM/UFOP)

1 – Introdução

Durante os dias 02 e 03 de novembro de 2010 ocorreu na Universidade Federal de Ouro Preto o 2º Encontro do Núcleo de Educação Inclusiva (NEI). O evento promoveu discussões e trocas de experiências entre pesquisadores, docentes, discentes e profissionais da área de educação e comunidade em geral, tendo como tema os “Avanços e Desafios da Educação Especial Inclusiva no Ensino Brasileiro”.

Um dos convidados foi o Prof. Dr. Francisco José de Lima, professor adjunto no curso de Pedagogia e Licenciaturas diversas na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e especialista em inclusão social de pessoas com deficiência.

No dia 4 de dezembro (sábado) o professor Francisco, juntamente com os professores Adilson Pereira dos Santos (UFOP) e Valéria de Oliveira (UERJ) fizeram uma visita ao Museu de Ciência e Técnica da Escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto (MCT/EM/UFOP) a fim de conhecer a instituição e o acesso a que essa possui para os públicos com deficiência.

O presente compêndio intitulado “Blitz Inclusiva/Educativa no Museu de Ciência e Técnica da Escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto (MCT/EM/UFOP)” tem como objetivo relatar a visita ocorrida, discutir medidas acerca da acessibilidade nas instituições Museológicas, trazendo propostas de adequações, além de coletar subsídios iniciais para organização de uma disciplina eletiva “Acessibilidade em Museus” do curso de Museologia da UFOP. A visita teve como foco a inclusão de pessoas com deficiência visual dentro do espaço da referida instituição.

2 – Breve Histórico da Instituição

O Museu da ciência Técnica surge paralelo a fundação da Escola de Minas em 1876 a ao longo dos anos reuniu mais de 30 mil peças de um grande, expressivo e eclético acervo. Sua tipologia é bem variada, dividida em setores apresentam coleções completas dividas em 12 áreas, a se saber: Mineração, Topografia, Desenho, Cantaria, Astronomia, Mineralogia I, Mineralogia II, Transporte Ferroviário, Siderurgia, Ciência Interativa, Eletrotécnica, Metalurgia, Física e o mais recente setor inaugurado em 2010 o de Química. Localizado em Ouro Preto, Minas Gerais é uma instituição fundamental no cenário nacional, pois conserva e divulga grande parte do ensino técnico-cietífico nacional.

3 – Da visita

A visita se dividiu em dois momentos, inicialmente houve a abordagem na recepção com posterior solicitação de um mediador para acompanhar a visita.

Intencionamente[1], os mediadores foram pegos de surpresa, uma vez que não houve um aviso prévio sobre a solicitação do acompanhamento, então, não ocorreu nenhum treinamento prévio da equipe para lidar com um visitante com deficiência visual, no caso o Professor Francisco. Outra surpresa que a equipe de mediação (Graduandos do curso de Museologia da UFOP) se deparou foi pelo fato de desconhecer o trabalho do professor Francisco, não sabendo que ele era um especialista na área de acessibilidade, esta aí um dos grandes fatos da visita, que foi completamente desprovida de um preparo anterior, o que significa que os monitores estavam lidando com o inesperado e com as ferramentas educacionais de que já dispunham.

Em um segundo momento começou a visita às dependências do museu, nesse estágio dois mediadores acompanhavam os professores. O primeiro local em que passamos foi a Loja, começamos a explicar o que havia na sala e de imediato, o professor Francisco, interrompeu e nos mostrou uma melhor forma de descrição. Primeiramente deveríamos ter descrito o espaço físico da sala com 8 metros de comprimento. 3,5 metros de largura e altura com cerca de 3 metros e só a partir daí deveríamos começar a descrição do que havia disposto sendo a metodologia da esquerda para a direita e de cima pra baixo. Nesse setor gastamos cerca de uma hora, ocasião em que diversas peças foram descritas, dentre as quais o busto de D. Pedro, peça que o Prof. Examinou hapticamente, orientando os alunos a como estes poderiam descrever a obra, à medida que ela era tocada por um visitante com deficiência visual.

Na seqüência nos deslocamos para o setor de História Natural, dessa vez começamos apresentando o espaço físico, tal como anteriormente orientado pelo professor Franscisco. A sala possui um pé direito com cerca de 3 metros, uma largura de 5,6 metros e um comprimento de 11 metros. Como o acervo desse setor é específico da Paleontologia, sentimos uma dificuldade para fazer a áudio-descrição, a qual professor houvera se referido quando adentramos a sala. Por serem muito complexas as formas e ser de área específica Francisco nos sugeriu a confecção de réplicas táteis para tal acervo, desta forma facilitaria a compreensão do visitante cego, principalmente crianças. A título de curiosidade, três pessoas videntes tentaram descrever um determinado acervo, os dois monitores e o professor Adilson e nem com o recurso visual conseguiram chegar a uma concordância quanto a como descrever o acervo, tal era a diferença de suas descrições. Isso fez com que percebêssemos a importância do estudo da áudio-descrição aplicada ao espaço museológico.

Continuamos percorrendo a sala, descrevendo outros acervos, alguns com mais dificuldade e outros menos e cada vez mais interessados com os ensinamentos de como trabalhar com esse público em específico e desenvolver medidas mais eficazes para atendê-lo.

Passamos então para o pátio do MCT que faz ligação ao próximo setor visitado. Trata-se de um espaço retangular, aberto com cerca de 21 metros de comprimento por 9 metros de largura, em cujas laterais se encontram bancos de madeira com dimensões de 2 metros de comprimento por 30 centímetros de largura e 30 centímetros de altura. No centro do pátio se encontra o Busto do professor Claude Henri Gorceix, fundador da Escola de Minas, ao fim do pátio encontra-se uma escada no centro com cerca de 10 degraus e cada um com 2,5 metros de largura aproximadamente. Subindo essas escadas, à esquerda encontra-se a entrada para o setor de Mineralogia I, seguimos para lá.

Antes do Setor de Mineralogia I, propriamente dito tem-se uma ante sala com 3 metros de altura por 7 metros de comprimento por 6,4 metros de largura, essa sala possui duas janelas laterais com dimensões de 1 metro de largura por 2 metros de comprimentos, no momento em que chegamos as janelas estavam abertas, permitindo a passagem de luz solar, abaixo da primeira delas encontra-se um mineral denominado quartzo, que se destaca pelo seu tamanho, possui uma tonelada e meia, se assemelha ao formato de uma pirâmide irregular com seis faces. Possui 1 metro de altura por cerca de 70 centímetros de comprimento por 60 centímetros de profundidade em uma tonalidade branco-gelo, nesse instante o professor Francisco tocando a peça nos chamou a atenção para a questão da temperatura em três lugares diferentes, não tocando a peça: acima do quartzo, e em mais duas posições se aproximando do mineral, nota-se nesse instante a gradação da temperatura, fato que sempre passou despercebido e que seria interessante apontar para os visitantes cegos. Conforme explicou o professor é importante que os mediadores, numa visita museológica, tragam em suas falas não só informações visuais, mas também informações percebidas por outros sentidos, mormente quando o serviço está sendo prestado a visitantes com deficiência.

Em seguida, ao lado do quartzo encontra-se uma raiz de Jatobá, esse objeto possui uma formatação muito peculiar, completamente irregular e chama muito a atenção lembrando um galho com diversas ramificações, possui uma tonalidade de madeira envernizada e o fato característico dessa peça é o de ela possuir blocos de hematita (minério de ferro) em sua composição. Como característica inerente a esse mineral ele possui uma tonalidade preta e uma temperatura mais baixa, com o toque é possível saber qual parte é madeira e qual parte é hematita. Nesta peça o professor Francisco destinou um longo tempo. Explorou-a por tato durante alguns minutos, chamando a atenção para o grande número de detalhes que muito agradam uma pessoa cega conhecer. Aqui o professor salientou o fato de que as superfícies podem ser agradáveis à visão, porém nem sempre agradáveis ao tato. Por outro lado, o contrário pode acontecer e, ainda, a superfície pode ser tanto visualmente, quanto hapticamente, agradável e bela. Ele reafirmou a importância de descrever com analogias o todo ou partes do acervo, principalmente para as crianças, pois isso colabora para a formação de uma representação mental daquilo que é visto hapticamente.

Posteriormente, então, preferimos seguir para a sala de Cantaria ao invés de irmos para a Mineralogia I, itinerário natural. As características dessa sala pareciam aos olhos dos videntes mais adequadas para a finalidade que a visita acabou assumindo: o acervo apropriado para a descrição didática do ponto de vista da acessibilidade.

A sala de Cantaria possui um acervo de esculturas confeccionadas em quartzito. Esse mineral é áspero e possui uma tonalidade que mescla um bege claro com cinza. Nesse local pudemos ter uma percepção maior acerca de como se proceder com o tato, e com os cuidados que se deve ter, nesse caso a característica áspera desse mineral poderia ferir a mão do visitante.

Na sequência, na sala de Mineração foi observada a arquitetura do prédio em que se encontra o MCT, o prédio que já abrigou o Palácio dos Governadores até o final do século XIX, quando Ouro Preto (Vila Rica) ainda era a sede da capitania das Minas Gerais. Por ter abrigado os representantes do governo, essa construção foi erguida com paredes espessas, grades reforçadas nas janelas, com o intuito de garantir a segurança.

Daí seguimos, ainda no setor de Mineração, em direção a um cenário que remonta uma lavra (mina) subterrânea do século XVIII, esse cenário possui um circuito de aproximadamente 9 metros e retrata como era a exploração de ouro no século XVIII: a iluminação precária, feita por lamparinas, a questão da mão-de-obra, na época escrava. O cenário se assemelha a uma gruta com paredes irregulares e estreitas. Possui escoras representando como era feita a sustentação para que não ocorressem desmoronamentos.

Por coincidência, quando era examinado um acervo, em que havia um negro, com uma bateia, ouviu-se um barulho d´água. Nesse momento, uma pessoa que já conhecia o espaço, exclamou: “Que bom, agora há efeitos sonoros também!”

De fato, não havia, era apenas o toque de um celular de uma das pessoas que acompanhava o grupo. No entanto, isso deu a oportunidade ao Professor de lembrar que a redundância da informação, por exemplo oferecendo-a por mais de uma via sensorial, facilita a compreensão e amplia o conhecimento. Logo, oferecer eventos sonoros que correspondam e/ou estejam relacionados aos eventos visuais podem servir, então, àquele propósito.

Já com pouco tempo, pois o museu já estava fechando, voltamos em direção à Loja, lá mostramos aos professores um mineral denominado quartzito flexível, uma variação muito rara e que quase todos desconhecem e se indagam: uma rocha flexível? Essa rocha devido a processos geológicos e mineralógicos adquire essa flexibilidade.

A respeito da observação pelo tato, o professor explicou que o mediador deve orientar o visitante a observar, sempre que possível, o acervo de cima para baixo com ambas as mãos, com toques leves, sem usar as unhas e nem friccionar a peça com os dedos. È sugerido, de acordo com o professor, o uso de luvas cirúrgicas, bem finas, que não impeça a percepção de calor e outros atributos, mas que, ao mesmo tempo, proteja a obra observada.

Encerramos a visita e ainda mais interessados pela temática, marcamos um novo encontro com os professores na segunda-feira (dia 6) para continuarmos as discussões acerca da acessibilidade e iniciar a confecção de uma caneta, criada pelo Professor Francisco Lima. Esta caneta faz o ponto em alto relevo, no lado positivo do papel, permitindo ver com uma mão o desenho que está sendo produzida pela outra.

Cabe lembrar que após duas horas que estávamos no Museu mais uma visitante com baixa visão, chegou para nos acompanhar. Trata-se de uma professora da cidade de Ouro Preto, que milita na luta pelos direitos da pessoa com deficiência na cidade.

Para Adilson Pereira dos Santos, pedagogo, pró-reitor de graduação da UFOP, um dos idealizadores do Núcelo de Educação Inclusiva, assim como para a professora Valéria de Oliveira da UERJ, tal como para o professor Francisco, a recepção oferecida pelo Museu respondeu satisfatoriamente, posto que a blitz inclusivo/educativa, revelou a disposição e amplo interesse de toda a equipe do estabelecimento em promover a oportunidade de acesso ao acervo a pessoa com deficiência.

4 – Conclusões

Ao se pensar em museus como campo de conhecimento é premissa fundamental dentro da Nova Museologia se pensar em ações congregadoras que atinjam diversas camadas de públicos visitantes. Dentro desse contexto se buscam ações que convergem para a finalidade fim do museu, comunicar, atento para a perspectiva da acessbilidade universal deste tipo de estabelecimento.

A esse respeito, o Departamento Museologia vem debatendo com o Núcleo de Educação Inclusiva o oferecimento da disciplina “Acessibilidade a Museus” a ser oferecida a partir do segundo semestre letivo de 2011.

Possivelmente, o Museu de Ciência e Técnica, poderá se converter no principal laboratório para o desenvolvimento da referida disciplina. Ali, os alunos poderão analisar as condições oferecidas e propor intervenções na perspectiva da acessibilidade. Reconhecemos já haver alguns avanços, porém, muito ainda há que se melhorar para que, de fato, seja acessível aos públicos que possuem deficiência. Essas melhorias passam desde adaptações arquitetônicas, por se tratar de um prédio histórico que não foi construído para a função de museu, até o treinamento do pessoal de como lidar melhor com pessoas que possuem algum tipo de deficiência de maneira a derrubar as barreiras atitudinais [2].

Essas adaptações são direitos previstos em lei pelo Estatuto de Museus, “Art. 35. Os museus caracterizar-se-ão pela acessibilidade universal dos diferentes públicos, na forma da legislação vigente” [3].

Educar, interagir, buscar maneiras para atingir públicos diferenciados, reforçando, é uma premissa fundamental dentro dos museus. Muito já foi conquistado, mas há muita coisa pendente para se fazer, iniciativas simples, com baixo custo, que exigem somente a força de vontade e a criatividade dos profissionais que lidam com museus.

5 – Referências

 LIMA, Francisco José de Lima; VIEIRA, Paulo André de Melo; RODRIGUES, Ediles Revorêdo; PASSOS, Simone São Marcos Passos, ARTE, EDUCAÇÃO E INCLUSÃO: ORIENTAÇÕES PARA ÁUDIO-DESCRIÇÃO EM MUSEUS

LEI Nº 11.904, DE 14 DE JANEIRO DE 2009. Criação do Estatuto de Museus. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11904.htm>. Acesso em Dezembro de 2010.

Notas de rodapé

[1] A visita não foi previamente programada e a intenção dos professores Adilson Pereira do Santos, Francisco José de Lima e Valéria Oliveira foi verificarem a disponibilidade do Museu em receber e apresentar a um deficiente visual o referido Museu.

[2] Arte, Educação e Inclusão: Orientações para Áudio-descrição em Museus

[3] Estatuto de Museus, disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11904.htm, acesso em dezembro de 2010

Would you like to make a reference of the text in a school or academic work? Look:

Santos, Adilson Pereira dos. "RBTV #5: Blitz inclusiva/educativa no Museu de Ciência e Técnica da escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto (MCT/EM/UFOP)". Audio Description Worldwide Consortium, 2018. Available in: <http://audiodescriptionworldwide.com/associados/blitz-inclusiva-educativa-no-museu-de-ciencia-e-tecnica-da-escola-de-minas-da-universidade-federal-de-ouro-preto-mct-em-ufop/>. Access on: 2018/10/22

Published by

  • Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1992). Atualmente é pedagogo-área da Universidade Federal de Ouro Preto, atuando principalmente nos seguintes temas: evasão escolar, ações afirmativas, avaliação institucional, formação de professores e fluxo de estudantes. Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Educação, Comunicação e Cultura da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.View all articles by Adilson Pereira dos Santos
  • Graduando do curso de Museologia da UFOP (Universidade Federal de Ouro Preto).View all articles by Carlos Vitor Silveira de Souza
  • Graduanda do curso de Museologia da UFOP (Universidade Federal de Ouro Preto).View all articles by Ranielle Menezes de Figueiredo

Leave a Reply